Notícias

Fique por dentro de tudo o que acontece no universo do cinema!

Festival de Toronto 2022 anuncia novos filmes; Carvão, de Carolina Markowicz, é selecionado

por: Cinevitor
Maeve Jinkings no longa Carvão, de Carolina Markowicz.

Depois de revelar os primeiros filmes de sua 47ª edição, o Festival Internacional de Cinema de Toronto, que acontecerá entre os dias 8 e 18 de setembro, divulgou novos títulos selecionados; o evento é considerado um dos mais importantes do cinema mundial e conhecido como um termômetro para o Oscar.

A mostra competitiva Platform apresenta cineastas cujas vozes estão surgindo no cenário cinematográfico. Com diretores estreantes e veteranos, a programação deste ano oferece uma gama diversificada de talentos e vozes de direção distintas que estão surgindo em todo o mundo: “Lançamos a Platform para iluminar alguns dos filmes mais originais e vozes distintas em nosso festival. Agora, no sétimo ano, tornou-se um verdadeiro lar para autores internacionais em ascensão”, disse Cameron Bailey, CEO do TIFF.

Entre as dez estreias mundiais anunciadas, o cinema brasileiro se destaca com Carvão, primeiro longa-metragem de Carolina Markowicz. A exibição marca a volta da cineasta ao Festival de Toronto, no qual já exibiu três curtas: O Órfão, Namoro à Distância e Edifício Tatuapé Mahal; ela também participou do TIFF Filmmaker Lab, em 2015.

No filme, Maeve Jinkings interpreta Irene que, com seu marido, Jairo, papel de Rômulo Braga, tem uma pequena carvoaria no quintal de casa. Eles têm um filho pequeno, Jean, vivido por Jean Costa, e o pai dela não sai mais da cama, não fala e não ouve. A família recebe uma boa proposta, mas também perigosa: hospedar um desconhecido em sua casa, numa pequena cidade no interior. Antes mesmo da chegada dele, no entanto, arranjos precisarão ser feitos, e a vida em família começa a se transformar; nem sempre para melhor.

O longa foi rodado em Joanópolis, interior de São Paulo, uma cidade próxima à qual a diretora cresceu, e ela confessa conhecer bem esse ambiente rural e retrógrado: “Lá, vivenciei tudo o que uma pequena cidade conservadora pode oferecer: pessoas cuidando da vida umas das outras, famílias unidas pelo fato de que a família deve ficar unida, casamentos onde os casais quase se odiavam (mas como é vergonhoso ser solteiro, vamos manter o status quo!). E claro: você pode ser um assassino, mas por favor não seja gay”.

Carolina, que também assina o roteiro, conta que o desejo de fazer o filme veio da angústia de ver o Brasil cada dia mais imune aos absurdos: “Ouvimos nosso presidente dizer que preferiria ter um filho morto a um filho gay. Ouvimos o executivo da maior seguradora de saúde dizer que foram orientados por seus CEOs a deixar as pessoas morrerem durante a pandemia porque morte é alta hospitalar”.

A diretora passou, então, a prestar atenção nesse mundo ao seu redor, notando coisas que acabou trazendo para o filme: “Esse ambiente bucólico, mas ao mesmo tempo agitado, fez de mim uma observadora da natureza humana no seu melhor e no seu pior. E também uma admiradora de um senso de humor áspero, áspero e ácido, capaz de retratar todos os maiores desastres humanos e idiossincrasias de uma maneira bastante estranha”.

Produzido por Zita Carvalhosa, em coprodução de Karen Castanho e Alejandro Israel, o longa será lançado nos cinemas pela Pandora Filmes, com previsão de estreia para o primeiro trimestre de 2023. O elenco conta também com César Bordón, Camila Márdila, Aline Marta e Pedro Wagner.

Vale lembrar que os dez filmes selecionados concorrem ao Platform Prize, no valor de 20 mil dólares canadenses, que será concedido por um Júri Internacional.

Conheça os filmes selecionados para a mostra Platform do 47º Festival de Toronto:

Carvão (Charcoal), de Carolina Markowicz (Brasil/Argentina)
Emily, de Frances O’Connor (Reino Unido)
Hawa, de Maïmouna Doucouré (França)
How to Blow Up a Pipeline, de Daniel Goldhaber (EUA)
Riceboy Sleeps, de Anthony Shim (Canadá)
Subtraction (Tafrigh), de Mani Haghighi (Irã/França)
The Gravity (La Gravité), de Cédric Ido (França)
Thunder (Foudre), de Carmen Jaquier (Suíça)
Tora’s Husband, de Rima Das (Índia)
Viking, de Stéphane Lafleur (Canadá)

Foto: Divulgação.

IX Recifest: conheça os filmes selecionados para o Festival de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero

por: Cinevitor
Sharlene Esse no curta pernambucano Amor by Night, de Henrique Arruda.

Foram anunciados nesta segunda-feira, 01/08, os filmes selecionados para as mostras competitivas da nona edição do Recifest – Festival de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero, que acontecerá entre os dias 21 de setembro e 7 de outubro nas cidades do Recife, Bezerros e Itamaracá.

Neste ano, foram quase 200 filmes inscritos, de 20 estados do Brasil além do Distrito Federal, entre ficções, documentais, experimentais e híbridos, que apresentam um retrato da rica produção audiovisual LGBTQIA+ em todo o país.

A seleção traz obras dirigidas por homens cis, mulheres cis, não binários, travestis e de gênero fluido, pessoas que se identificam como bissexuais, heterossexuais, homossexuais e pansexuais. A curadoria foi assinada por Anti Ribeiro, Felipe André Silva e Mariana Souza.

A 9ª edição do festival, considerado um dos mais importantes do segmento no Brasil, terá atividades virtuais e presenciais. As mostras competitivas serão realizadas entre 3 e 7 de outubro, no Cineteatro do Parque e no Cinema da Fundação, no Recife, em formato presencial. O Recifest é realizado pela Casa de Cinema de Olinda e Olinda Produções e conta com o incentivo do Funcultura PE.

Como de costume, nas mostras competitivas, os títulos selecionados concorrem ao prêmio de melhor filme em duas categorias. A primeira leva em consideração os filmes pernambucanos, realizados por produtoras sediadas no estado e/ou por diretor/a/e (es/as) domiciliado/a/e (s) em Pernambuco. A segunda categoria, de filme nacional, leva em consideração as obras realizadas em todo o território brasileiro, incluindo Pernambuco.

Os vencedores serão escolhidos por um júri oficial, formado por especialistas em cinematografia e/ou artes, recebendo o troféu Rutílio de Oliveira e uma premiação no valor de mil reais. O público do Recifest também poderá votar de forma on-line, com cadastramento prévio, e escolher o melhor filme pernambucano e o melhor filme nacional. O júri oficial ainda concederá troféus em outras categorias.

Conheça os filmes selecionados para as mostras competitivas do IX Recifest:

Adão, Eva e o Fruto Proibido, de R.B. Lima (PB)
Amaro, de Otávio Conceição (BA)
Amor by Night, de Henrique Arruda (PE)
Anhangabaú, de Filipe Travanca (SP)
Bege Euforia, de Anália Alencar (RN)
Cabiluda, de aColleto e Dera Santos (PE)
Calunga Maior, de Thiago Costa (PB)
Cidade Entre Rios, de Leonardo Mendes e Weslley Oliveira (MA/PI)
Crescer Onde Nasce o Sol, de Xulia Doxágui (PE)
Ela Mora Logo Ali, de Fabiano Barros e Rafael Rogante (RO)
Entreaberta, de Bruna Amorim (RJ)
Eu Te Amo é no Sol, de Yasmin Guimarães (MG)
Iceberg, de Will Domingos (RJ)
Indução ao processo de autodesconhecimento 00001, de aoruaura (PE)
Na Estrada Sem Fim Há Lampejos de Esplendor, de Liv Costa e Sunny Maia (CE)
O dia em que Helena matou o presidente, de Fernanda Estevam (MG)
O Fundo dos Nossos Corações, de Letícia Leão (RJ)
Paola, de Ziel Karapotó (PE)
Paraquedas, de Meujaela Gonzaga (BA/PB)
Plutão Não é Tão Longe Daqui, de Augusto Borges e Nathalya Brum (DF)
Quebra Panela, de Rafael Anaroli (PE)
Simulação_231-h264.mov, de JEAN (PE)
Uma paciência selvagem me trouxe até aqui, de Érica Sarmet (RJ)

Foto: Divulgação/Filmes de Marte.

LABRFF 2022: Los Angeles Brazilian Film Festival anuncia retorno e abre inscrições

por: Cinevitor
Os vencedores da edição de 2019, que aconteceu presencialmente.

O Los Angeles Brazilian Film Festival, considerado um dos mais importantes festivais de cinema brasileiro no exterior, acaba de anunciar seu retorno. O LABRFF 2022 celebra 15 anos de existência do festival, desde a fundação em 2008.

Na última edição, realizada de forma remota em 2020, a fundadora Meire Fernandes anunciou que o festival estava fechando as portas, mas a necessidade de seguir apoiando e promovendo a cultura brasileira em Hollywood foi maior do que as dificuldades: “Acho muito importante pararmos, quando necessário. O LABRFF cresceu muito nos últimos 15 anos, mas financeiramente estávamos tendo muitos problemas para conseguir manter o festival, e foi preciso tomar essa atitude para rever tudo que de fato era importante em relação ao projeto. Eu acho que essa pausa foi, inclusive, uma forma de eu protestar contra todo o descaso que estavam fazendo com a nossa cultura. Agora é hora de retomar o trabalho, e continuar fazendo o que sempre fizemos: posicionar o cinema brasileiro na capital mundial do cinema. O LABRFF continua suas atividades normais e celebra seus 15 anos de muito trabalho, dedicação e contribuição ao cinema brasileiro”, disse Meire.

Para a realização do LABRFF 2022, que acontecerá entre os dias 5 e 8 de novembro, a direção do festival traz como tema a Diversidade, por acreditar que é um momento muito importante para falar sobre o tema, inclusão e pertencimento.

A competição de videoclipes também está de volta: o Los Angeles International Music Video Festival chega em sua terceira edição. O LAMV é uma janela para diretores e diretoras de cinema e artistas da música mostrarem seus trabalhos: “Fazer cinema e música juntos é uma paixão que cresce a cada ano que passa. O projeto vem sendo um grande sucesso. Trazer o pessoal da música para o cinema foi uma decisão muito feliz e vamos com tudo esse ano”, explica Manoel Neto, diretor executivo do LABRFF e fundador do LAMV.

Ainda fazem parte do LABRFF: a feira de mercado de conteúdo, o BFM (Brazilian Film Market) e a organização do BWIE (Brazilian Women in Entertainment), que conta com 300 mulheres brasileiras do audiovisual que vivem em diversos países do mundo; o LABRFF 2022 integra todos esses projetos.

As inscrições começam nesta segunda-feira, 01/08, no FilmFreeway. Podem participar da Seleção Oficial 2022 filmes produzidos a partir de 2019 e que não tenham estreado nos Estados Unidos. Além das produções feitas no Brasil, o LABRFF também aceita filmes feitos por brasileiros que residem no exterior ou filmes que tenham talentos brasileiros envolvidos na produção.

O festival continua com a competição internacional de curtas, podendo participar filmes produzidos em qualquer lugar do planeta, além da mostra BWIE (Brazilian Women in Entertainment), no qual apenas filmes feitos por mulheres do audiovisual participam; as inscrições vão até 7 de outubro. O LABRFF tem o patrocínio do Consulado Geral do Brasil em Los Angeles.

Foto: Livia Photos.

Dirigido por Caio Blat, O Debate, com Debora Bloch e Paulo Betti, ganha trailer

por: Cinevitor
Os protagonistas em cena: em breve nos cinemas!

Escrito por Jorge Furtado e Guel Arraes, O Debate, protagonizado por Debora Bloch e Paulo Betti, marca a estreia de Caio Blat na direção de cinema; o lançamento está confirmado para o dia 25 de agosto com distribuição da Paris Filmes e produção da Giros Filmes e Sul Audiovisual.

Como se estivesse na redação de uma grande emissora de TV, no dia do último debate presidencial antes do segundo turno das eleições de 2022, o espectador acompanha os bastidores da produção do telejornal que vai ao ar logo depois do primeiro encontro entre os dois candidatos.

“Dirigir já era um desejo antigo e um caminho natural: nos últimos anos e trabalhos tenho me envolvido cada vez mais com a direção; na pandemia eu dirigi o especial Amor e Sorte, com a Luísa Arraes, que foi o primeiro programa remoto de ficção da Globo. O Debate juntou os dois temas mais importantes para mim: amor e política”, afirma o diretor Caio Blat.

Os jornalistas Paula, papel de Debora Bloch, e Marcos, interpretado por Paulo Betti, que acabaram de se separar depois de 20 anos juntos, discutem como devem conduzir a edição dos melhores momentos do debate que o canal vai exibir, e que pode interferir na escolha de centenas de milhares de eleitores indecisos.

Na história, Paulo e Marcos têm opiniões divergentes, mas continuam amigos e parceiros de trabalho. O filme invade a intimidade do casal que, em tempo real e em flashbacks, discute sobre amor, liberdade, política, democracia, jornalismo e a vida do país nos últimos anos, abordando temas como monogamia, sexo, desejo, ciúme, ética e ideologia.

Confira o trailer de O Debate:

Foto: Ricardo Brajterman.

Festival de Toronto 2022 anuncia os primeiros filmes da 47ª edição

por: Cinevitor
Hugh Jackman em The Son, de Florian Zeller.

Foram anunciados nesta quinta-feira, 28/07, os primeiros filmes selecionados para a 47ª edição do Festival Internacional de Cinema de Toronto, que acontecerá entre os dias 8 e 18 de setembro; o evento é considerado um dos mais importantes do cinema mundial e conhecido como um termômetro para o Oscar.

Neste primeiro anúncio, foram apresentados 18 títulos na mostra Gala e 45 na Special Presentations: “Estamos empolgados em receber algumas das figuras mais célebres do cinema de volta a Toronto para apresentar seus filmes. Com histórias que abrangem seis continentes e apresentam performances que você precisa ver, essa programação oferece as experiências ricas pelas quais esperamos o ano todo. O cinema está vivo. Os tapetes vermelhos estão de volta. E o melhor público do mundo os espera em Toronto”, disse Cameron Bailey, CEO do TIFF.

O filme de abertura desta edição será o drama The Swimmers, dirigido por Sally El Hosaini. Baseado em uma história real, o longa acompanha a saga da Síria devastada pela guerra até as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Duas jovens irmãs embarcam em uma jornada angustiante como refugiadas, colocando seus corações e habilidades de campeãs da natação heroicamente. O elenco conta com Manal Issa, Nathalie Issa, Ahmed Malek, Matthias Schweighöfer, Ali Suliman, Kinda Alloush, James Krishna Floyd e Elmi Rashid Elmi.

Conheça os primeiros filmes selecionados para o 47º Festival de Toronto:

GALA PRESENTATIONS

A Jazzman’s Blues, de Tyler Perry (EUA)
A Mulher Rei (The Woman King), de Gina Prince-Bythewood (EUA)
Alice, Darling, de Mary Nighy (Canadá/EUA)
Black Ice, de Hubert Davis (Canadá)
Butcher’s Crossing, de Gabe Polsky (EUA)
Hunt (Heon-teu), de Lee Jung-jae (Coreia do Sul)
Kacchey Limbu, de Shubham Yogi (Índia)
Moving On, de Paul Weitz (EUA)
Paris Memories (Revoir Paris), de Alice Winocour (França)
Prisoner’s Daughter, de Catherine Hardwicke (EUA)
Raymond & Ray, de Rodrigo García (EUA)
Roost, de Amy Redford (EUA)
Sidney, de Reginald Hudlin (EUA)
The Greatest Beer Run Ever, de Peter Farrelly (EUA)
The Hummingbird, de Francesca Archibugi (Itália/França)
The Son, de Florian Zeller (Reino Unido)
The Swimmers, de Sally El Hosaini (Reino Unido) (filme de abertura)
What’s Love Got To Do With It?, de Shekhar Kapur (Reino Unido)

SPECIAL PRESENTATIONS

A Man of Reason, de Jung Woo-sung (Coreia do Sul)
All Quiet on the Western Front, de Edward Berger (EUA/Alemanha)
Allelujah, de Sir Richard Eyre (Reino Unido)
Blueback, de Robert Connolly (Austrália)
Broker, de Hirokazu Kore-eda (Coreia do Sul)
Brother, de Clement Virgo (Canadá)
Catherine Called Birdy, de Lena Dunham (Reino Unido)
Causeway, de Lila Neugebauer (EUA)
Chevalier, de Stephen Williams (EUA)
Corsage, de Marie Kreutzer (Áustria/França/Alemanha)
Decision to Leave, de Park Chan-wook (Coreia do Sul)
Devotion, de JD Dillard (EUA)
Driving Madeleine (Une belle course), de Christian Carion (França)
El Suplente, de Diego Lerman (Argentina/Itália/México/Espanha/França)
Empire of Light, de Sam Mendes (Reino Unido/EUA)
Glass Onion: Um Mistério Entre Facas e Segredos (Glass Onion: A Knives Out Mystery), de Rian Johnson (EUA)
Good Night Oppy, de Ryan White (EUA)
Holy Spider, de Ali Abbasi (Dinamarca/Alemanha/Suécia/França)
Joyland, de Saim Sadiq (Paquistão)
Mais que Amigos, Friends (Bros), de Nicholas Stoller (EUA)
Moonage Daydream, de Brett Morgen (EUA)
My Policeman, de Michael Grandage (Reino Unido)
Nanny, de Nikyatu Jusu (EUA)
No Bears, de Jafar Panahi (Irã)
On the Come Up, de Sanaa Lathan (EUA)
One Fine Morning (Un beau matin), de Mia Hansen-Løve (França)
Other People’s Children (Les enfants des autres), de Rebecca Zlotowski (França)
Saint Omer, de Alice Diop (França)
Sanctuary, de Zachary Wigon (EUA)
Stories Not to be Told (Historias para no contar), de Cesc Gay (Espanha)
The Banshees Of Inisherin, de Martin McDonagh (Reino Unido/Irlanda/EUA)
The Blue Caftan, de Maryam Touzani (Marrocos/França/Bélgica/Dinamarca)
The Eternal Daughter, de Joanna Hogg (Reino Unido)
The Fabelmans, de Steven Spielberg (EUA)
The Good Nurse, de Tobias Lindholm (EUA)
The King’s Horseman (Elesin Oba), de Biyi Bandele (Nigéria)
The Lost King, de Stephen Frears (Reino Unido)
The Menu, de Mark Mylod (EUA)
The Return of Tanya Tucker: Featuring Brandi Carlile, de Kathlyn Horan (EUA)
The Whale, de Darren Aronofsky (EUA)
The Wonder, de Sebastián Lelio (Reino Unido/Irlanda)
Triangle of Sadness, de Ruben Östlund (Suécia/Reino Unido/EUA/França/Grécia)
Walk Up, de Hong Sang-soo (Coreia do Sul)
Wendell & Wild, de Henry Selick (EUA)
Women Talking, de Sarah Polley (EUA)

Foto: Divulgação.

Cine Açude Grande 2022: conheça os filmes selecionados

por: Cinevitor
Nanego Lira e Maria Alice Pereira Santos em Nem Todas as Manhãs são Iguais.

A quarta edição do Cine Açude Grande – Festival de Cinema de Cajazeiras acontecerá entre os dias 10 e 13 de agosto no Sertão Paraibano com o melhor da produção nacional, paraibana, feminina e infantil.

O evento, que realizou sua última edição em 2019, é uma iniciativa que oferece uma ampla diversidade de produções cinematográficas, com a proposta de democratizar o acesso a filmes de produções regionais e nacionais, por meio de sessões públicas e gratuitas na cidade de Cajazeiras, na Paraíba.

Além de incentivar a produção e difundir o cinema nacional, propiciando encontro do público com estes filmes, estimulando novas ideias, intercâmbios e gerando reflexões sobre cinema e arte, a programação prevê a realização de oficinas, workshops, exibição de filmes, além de debates, shows e apresentações culturais.

A curadoria desta edição foi assinada por Ana Isaura Diniz, Eripetson Lucena e Marcílio Garcia de Queiroga. O festival, que é coordenado por Thalyta Lima e Veruza Guedes, terá um time de jurados para a escolha dos vencedores do troféu Mulher Rendeira, além do voto do público.

A programação contará também com oficinas, como Roteiro: Exercitando a Imagem em Movimento, com Bruno Soares; Direção de Arte com Ana Isaura Diniz; e Fazendo Filme na Escola com Marcelo Paes de Carvalho. Além disso, o evento homenageará o ator, encenador, dramaturgo, professor e cineasta Eliézer Rolim, que faleceu em fevereiro deste ano por complicações da Covid-19.

Conheça os filmes selecionados par ao IV Cine Açude Grande:

MOSTRA NACIONAL

Casa com Parede, de Dênia Cruz (RN)
Eu Espero o Dia da Nossa Independência, de Bruna Carvalho Almeida e Brunna Laboissière (SP)
Juízo, Menino, de Diego dos Anjos (RJ)
O Cinema Está Servido, de Leila Xavier e Stefano Motta (RJ)
Única Saída, de Sérgio Malheiros (RJ)
Vai Melhorar, de Pedro Fiuza (RN)

MOSTRA PARAIBANA

Aqueles que Estamos Esquecendo, de R.B. Lima e Rebeca Linhares
Confins, de Carlos Mosca
Dance, de Jorja Moura
Joana, de Pattrícia de Aquino
Nem Todas as Manhãs são Iguais, de Fabi Melo
Regresso ou Alguma Coisa que Criamos Sobre Nós, de Maycon Carvalho

MOSTRA FEMININA

A Velhice Ilumina o Vento, de Juliana Segóvia (MT)
Diriti de Bdè Burè, de Silvana Beline (GO)
Maia, de Renata Prado (PR)
Miragem, de Bruna Guido (PB)
Quem Sabe Ele Mude, de Kell Allen (RN)
Vila de Bilros, de Dênia Cruz (RN)

MOSTRA INFANTIL

Capitão Tocha, de Matheus Amorim (GO)
E-Valdir, de Gabriel O. Leite (SP)
Faísca, de Luca Tarti e Paulo Lima (SP)
Queen+, de Maria Luiza (PB)
Seed, de Fabrício Rabachim e Flávia Rabachim (SP)
Sonhos da Isah: O Baú do Papai, de João Ricardo Costa (SC)

FILMES CONVIDADOS

Abrição de Portas, de Jaime Guimarães (PB)
Nordeste Futurista, de Luana Flores (PB)
O que os Machos Querem, de Ana Dinniz (PB)

Foto: Divulgação.

Festival de Veneza 2022: conheça os filmes selecionados

por: Cinevitor
Ana de Armas interpreta Marilyn Monroe em Blonde, de Andrew Dominik.

A 79ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, que acontecerá entre os dias 31 de agosto e 10 de setembro, acaba de anunciar a lista completa com os filmes selecionados para este ano.

Na Competição Internacional, onze cineastas participam pela primeira vez, como Alice Diop, Kôji Fukada, Joanna Hogg, Santiago Mitre, entre outros. A lista conta também com cinco diretores que já venceram o Leão de Ouro, prêmio máximo do evento: Gianni Amelio, Darren Aronofsky, Lav Diaz, Jafar Panahi e Gianfranco Rosi. A seleção, que apresenta filmes de 56 países, traz também seis vencedores do Oscar: Alejandro G. Iñárritu, Martin McDonagh, Laura Poitras, Oliver Stone, Frederick Wiseman e Florian Zeller.

Para esta edição, 3.659 títulos foram inscritos; 1.816 longas-metragens e 1.843 curtas. Ao total, 68,8% eram filmes dirigidos por homens, 30% por mulheres e 1,2% de outros gêneros.

Neste ano, o júri da Competição Internacional será presidido pela atriz Julianne Moore e contará também com Mariano Cohn, cineasta e roteirista argentino premiado em Veneza pela comédia dramática O Cidadão Ilustre; a atriz iraniana Leila Hatami; o diretor italiano Leonardo Di Costanzo, que recebeu diversos prêmios em Veneza pelo drama L’intervallo; Audrey Diwan, cineasta francesa que recebeu o Leão de Ouro na edição passada pelo drama O Acontecimento; o escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro, vencedor do Nobel de Literatura em 2017; e Rodrigo Sorogoyen, cineasta espanhol indicado ao Oscar pelo curta-metragem Madre.

Já na mostra Orizzonti, o júri será presidido pela cineasta espanhola Isabel Coixet, premiada em Veneza por A Vida Secreta das Palavras, e contará também com: Laura Bispuri, diretora e roteirista italiana, que se destacou no festival com Il paradiso del pavone; o produtor e diretor americano Antonio Campos; Sofia Djama, cineasta argelina premiada em Veneza com Les bienheureux; e o crítico de cinema Edouard Waintrop.

Para escolher o vencedor do Leão do Futuro, prêmio que elege o melhor filme de estreia da seleção, o júri será presidido pelo cineasta italiano Michelangelo Frammartino, que recebeu o Prêmio Especial do Júri no ano passado por Il Buco. O time completa-se com: Jan P. Matuszynski, produtor e diretor polonês, que passou por Veneza com Sem Deixar Rastros; Ana Rocha de Sousa, cineasta e atriz portuguesa, que foi premiada no festival com Listen; Tessa Thompson, atriz e cantora americana; e Rosalie Varda, produtora, atriz e figurinista francesa, indicada ao Oscar por Visages, Villages, documentário dirigido por sua mãe Agnès Varda ao lado de JR.

O filme de abertura deste ano será o suspense White Noise, de Noah Baumbach, que conta com Adam Driver, Greta Gerwig, Don Cheadle, Lars Eidinger, Jodie Turner-Smith, André 3000 e Mike Gassaway no elenco. A atriz francesa Catherine Deneuve e o cineasta e roteirista norte-americano Paul Schrader serão homenageados com o Leão de Ouro honorário.

O cinema brasileiro, que este ano não marcou presença na Seleção Oficial, aparece na sétima edição do Venice Production Bridge, um programa especial centralizado na apresentação e intercâmbio de projetos originais de filmes e obras em curso, com a propsta de fomentar seu desenvolvimento e produção. Os títulos nacionais foram selecionados para a mostra Immersive Projects, com Killing Philip, de Fabito Rychter e Amir Admoni; e para a Biennale College Cinema Immersive Projects com Queer Utopia, de Lui Avallos, uma coprodução com Portugal, e Deusa das Águas, do brasileiro João Paulo Miranda Maria, em uma produção francesa.

Conheça os filmes selecionados para o 79º Festival de Veneza:

VENEZIA 79 | COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

All the Beauty and the Bloodshed, de Laura Poitras (EUA)
Argentina, 1985, de Santiago Mitre (Argentina/EUA)
Athena, de Romain Gavras (França)
Bardo, falsa crónica de unas cuantas verdades, de Alejandro G. Iñárritu (México)
Blonde, de Andrew Dominik (EUA)
Bones and All, de Luca Guadagnino (EUA)
Chiara, de Susanna Nicchiarelli (Itália/Bélgica)
Il signore delle formiche, de Gianni Amelio (Itália)
Khers nist (No bears), de Jafar Panahi (Irã)
L’immensità, de Emanuele Crialese (Itália/França)
Les enfants des autres, de Rebecca Zlotowski (França)
Les miens, de Roschdy Zem (França)
Love Life, de Koji Fukada (Japão/França)
Monica, de Andrea Pallaoro (EUA/Itália)
Saint Omer, de Alice Diop (França)
Shab, Dakheli, Divar (Beyond the Wall), de Vahid Jalilvand (Irã)
Tár, de Todd Field (EUA)
The Banshees of Inisherin, de Martin McDonagh (Irlanda/Reino Unido/EUA)
The Eternal Daughter, de Joanna Hogg (Reino Unido/EUA)
The Son, de Florian Zeller (Reino Unido)
The Whale, de Darren Aronofsky (EUA)
Un couple, de Frederick Wiseman (França/EUA)
White Noise, de Noah Baumbach (EUA)

ORIZZONTI | COMPETIÇÃO

A Noiva (The Bride), de Sérgio Tréfaut (Portugal)
Aru otoko (A man), de Kei Ishikawa (Japão)
Autobiography, de Makbul Mubarak (Indonésia/França/Alemanha/Polônia/Singapura/Filipinas/Qatar)
Blanquita, de Fernando Guzzoni (Chile/México)
Chleb i sól (Bread and Salt), de Damian Kocur (Polônia)
Innocence, de Guy Davidi (Dinamarca/Israel/Finlândia/Islândia)
Jang-e jahani sevom (World War III), de Houman Seyedi (Irã)
La syndicaliste, de Jean-Paul Salomé (França/Alemanha)
Luxembourg, Luxembourg, de Antonio Lukich (Ucrânia)
Najsrekniot čovek na svetot/Najsretniji čovjek (The happiest man in the world), de Teona Strugar Mitevska (Macedônia do Norte/Bósnia e Herzegovina/Bélgica/Croácia/Dinamarca/Eslovênia)
Obet’ (Victim), de Michal Blaško (Eslováquia/República Checa/Alemanha)
On the Fringe (En los márgenes), de Juan Diego Botto (Espanha/Reino Unido)
Pour la France, de Rachid Hami (França/Taipei)
Princess, de Roberto De Paolis (Itália)
Ti mangio il cuore, de Pippo Mezzapesa (Itália)
To the North, de Mihai Mincan (Romênia/França/Grécia/Bulgária/República Checa)
Trenque Lauquen, de Laura Citarella (Argentina/Alemanha)
Vera, de Tizza Covi e Rainer Frimmel (Áustria)

ORIZZONTI | CURTA-METRAGEM | COMPETIÇÃO

Alt på en gang (Everything at Once), de Henrik Dyb Zwart (Noruega)
Christopher at Sea, de Tom CJ Brown (França/EUA)
III, de Salomé Villeneuve (Canadá)
Love Forever, de Clare Young (Austrália)
Manuale di cinematografia per dilettanti – Vol. I, de Federico Di Corato (Itália)
My Girlfriend, de Kawthar Younis (Egito)
Nocomodo, de Lola Halifa-Legrand (França)
Please Hold the Line, de Ce Ding TAN (Malásia)
Rutubet, de Turan Haste (Turquia)
Snow in September, de Lkhagvadulam Purev-Ochir (França/Mongólia)
The Fruit Tree, de Isabelle Tollenaere (Bélgica)
Tria – del sentimento del tradire, de Giulia Grandinetti (Itália)

ORIZZONTI EXTRA

Amanda, de Carolina Cavalli (Itália)
Bi roya (Without her), de Arian Vazirdaftari (Irã)
Goliath, de Adilkhan Yerzhanov (Cazaquistão/Rússia)
Janain mualaqa (Hanging Gardens), de Ahmed Yassin Al Daradji (Iraque/Palestina/Arábia Saudita/Egito/Reino Unido)
L’origine du mal, de Sébastien Marnier (França/Canadá)
Nezouh, de Soudade Kaadan (Reino Unido/Síria/França)
Notte Fantasma, de Fulvio Risuleo (Itália)
Valeria mithatenet (Valeria is getting married), de Michal Vinik (Israel/Ucrânia)
Zapatos rojos, de Carlos Eichelmann Kaiser (México/Itália)

FORA DE COMPETIÇÃO | FICÇÃO

Dead for a Dollar, de Walter Hill (EUA/Canadá)
Dreamin’ Wild, de Bill Polhad (EUA)
Kapag wala nang mga alon (When the waves are gone), de Lav Diaz (Filipinas/França/Portugal/Dinamarca)
Köne taevast (Call of God), de KIM Ki-duk (Estônia/Quirguistão/Letônia)
Living, de Oliver Hermanus (Reino Unido)
Master Gardener, de Paul Schrader (EUA)
Não se Preocupe, Querida (Don’t worry darling), de Olivia Wilde (EUA)
Pearl, de Ti West (EUA)
Siccità, de Paolo Virzì (Itália)
The Hanging Sun, de Francesco Carrozzini (Itália/Reino Unido)

FORA DE COMPETIÇÃO | DOCUMENTÁRIO

A Compassionate Spy, de Steve James (EUA)
Bobi Wine Ghetto President, de Christopher Sharp e Moses Bwayo (Uganda/Reino Unido/EUA)
Freedom on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom, de Evgeny Afineevsky e Alex Kashpur (Ucrânia/Reino Unido/EUA)
Gli ultimi giorni dell’umanità, de Enrico Ghezzi e Alessandro Gagliardo (Itália)
In viaggio, de Gianfranco Rosi (Itália)
Music for Black Pigeons, de Jørgen Leth e Andreas Koefoed (Dinamarca)
Nuclear, de Oliver Stone (EUA)
The Kiev Trial, de Sergei Loznitsa (Holanda/Ucrânia)
The Matchmaker, de Benedetta Argenteri (Itália)

FORA DE COMPETIÇÃO | CURTAS-METRAGENS

A Guerra Finita, de Simone Massi (Itália)
Camarera de piso, de Lucrecia Martel (Argentina/México)
In quanto a noi, de Simone Massi (Itália)
Look at Me, de Sally Potter (Reino Unido/EUA)

FORA DE COMPETIÇÃO | SÉRIES

Copenhagen Cowboy, de Nicolas Winding Refn (Dinamarca)
Riget Exodus, de Lars von Trier (Dinamarca)

BIENNALE COLLEGE CINEMA

Banu, de Tahmina Rafaella (Azerbaijão/Itália/França/Irã)
Come le tartarughe, de Monica Dugo (Itália)
Gornyi Luk (Mountain Onion), de Eldar Shibanov (Cazaquistão)
Palimpsest, de Hanna Västinsalo (Finlândia)

VENICE CLASSICS | FILMES RESTAURADOS

A Marca do Assassino (Koroshi no rakuin), de Seijun Suzuki (1967)
A Marcha sobre Roma (La marcia su Roma), de Dino Risi (1962)
Bratan (Brother), de Bakhtyar Khudojnazarov (1991)
Cavalgada (Cavalcade), de Frank Lloyd (1933)
Meus Pequenos Amores (Mes petites amoureuses), de Jean Eustache (1974)
O Cabo Ardiloso (Le caporal épinglé), de Jean Renoir (1962)
O Contrato do Amor (The Draughtman’s Contract), de Peter Greenaway (1982)
O Gato Preto (The Black Cat), de Edgar G. Ulmer (1934)
O Profundo Desejo dos Deuses (Kamigami no fukaki yokubô), de Shôhei Imamura (1968)
Orelha (Ucho), de Karel Kachyňa (1970)
Os Jogadores do Fracasso (Shatranj Ke Khilari), de Satyajit Ray (1977)
Paixão Selvagem (Canyon Passage), de Jacques Tourneur (1946)
Teorema, de Pier Paolo Pasolini (1968)
Teresa la ladra, de Carlo Di Palma (1973)
Therese and Isabelle, de Radley Metzger (1968)
Um Pedaço de Mau Caminho (La voglia matta), de Luciano Salce (1962)
Uma Confusão Confuciana (Duli shidai), de Edward Yang (1994)
Uma Galinha no Vento (Kaze no naka no mendori), de Yasujirô Ozu (1948)

VENICE CLASSICS | DOCUMENTÁRIO

Bonnie, de Simon Wallon (EUA)
Desperate Souls, Dark City and the Legend of Midnight Cowboy, de Nancy Buirski (EUA)
Fragments of Paradise, de KD Davison (EUA)
Franco Zeffirelli conformista ribelle, de Anselma Dell’Olio (Itália)
Godard seul le cinéma, de Cyril Leuthy (França)
Jerry Schatzberg, portrait paysage, de Pierre Filmon (França)
Ragtag, de Giuseppe Boccassini (Itália)
Sergio Leone: L’italiano che inventò l’America, de Francesco Zippel (Itália)
The Ghost of Richard Harris, de Adrian Sibley (Reino Unido)

Foto: Divulgação/Netflix.

Curta Kinoforum 2022 exibirá filmes do Edital Conexão Juventudes

por: Cinevitor
Cacique Luiz Katu no curta potiguar Antes do Livro Didático, o Cocar.

Depois de anunciar 183 curtas-metragens, de 42 países, selecionados para sua 33ª edição, o Curta Kinoforum, que acontecerá entre os dias 18 e 28 de agosto, em formato híbrido, revelou os seis documentários vencedores do Edital Conexão Juventudes, promovido pelo Instituto Unibanco em parceria com o IPR, Instituto de Políticas Relacionais, e a BRAVI, Brasil Audiovisual Independente, que serão exibidos na programação.

Com 26 minutos de duração, as obras retratam o cotidiano de jovens estudantes do Ensino Médio durante a pandemia de Covid-19 em cinco estados brasileiros: Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Piauí e Rio Grande do Norte. Entre as abordagens, estão alguns temas como estudantes imigrantes, educação indígena e afro-centrada, gravidez na adolescência, inclusão digital, violência urbana e dificuldades para compatibilizar emprego e estudo.

“Para nós, é uma grande satisfação apresentar à população paulistana obras tão atuais. Com uma importante diversidade regional, os documentários contam histórias que dialogam com os desafios das juventudes brasileiras e com o Ensino Médio público, e fazem muito sentido nesse imenso espaço de diversidade e reflexão sobre o audiovisual, que é o Festival Kinoforum”, afirma Tiago Borba, gerente de Gestão Estratégica do Instituto Unibanco.

“Para o Festival Internacional de Curtas de São Paulo, juventude, formação e inclusão são pilares de nossa programação. São jovens, a maioria absoluta dos realizadores que têm seus filmes programados no evento, assim como esta é a faixa etária que responde pela maior fatia de seu público. É muito gratificante programar, este ano, a coleção das obras resultantes do edital Conexão Juventudes. Promover suas primeiras exibições em sala de cinema, encontrar seus realizadores para debate e confraternização confirma o Curta Kinoforum como a vitrine ideal para a jovem cinematografia brasileira”, afirma a diretora do Curta Kinoforum, Zita Carvalhosa.

Envolvido nos processos de seleção dos projetos, bem como na curadoria e na mentoria às produtoras durante o processo de finalização dos filmes, João Jardim, diretor e autor de documentários e filmes de ficção, destaca a personalidade dos materiais em várias temáticas: “Tive o prazer de dar apoio para que eles tivessem uma reflexão sobre quais caminhos poderiam ser mais interessantes e autênticos. Os temas são pertinentes ao momento atual. É falar da pandemia sem deixar de abordar questões mais amplas. O resultado foi um retrato muito bonito. Temos desde ausência total até a escola como fonte salvadora. Trazem uma reflexão positiva sobre o mundo que a gente vai construir a partir de agora”, disse.

Além das apresentações presenciais, os filmes do Edital Conexão Juventudes também ficarão disponíveis on-line, dentro da programação do Curta Kinoforum. Os títulos vão ao ar gratuitamente na plataforma de streaming Itaú Cultural Play no dia 19/08, às 21h, e ficam disponíveis até 29 de agosto.

Com apoio técnico e financeiro no valor de R$ 130 mil por documentário, o Edital Conexão Juventudes selecionou seis produtoras entre dezenas de inscritas. A escolha dos projetos ficou a cargo de uma comissão julgadora composta pelos cineastas João Jardim, João Moreira Salles e Val Gomes, além de Tiago Borba; Mauro Garcia, presidente da BRAVI; e Eliane Costa, coordenadora do MBA Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão, da Fundação Getúlio Vargas. Já durante a execução, as produtoras receberam mentoria, além de João Jardim, da cineasta Marcia Medeiros, na montagem.

Todos os filmes foram criados e produzidos por equipes locais, com o olhar do território, formando um mosaico de linguagens audiovisuais e perspectivas da educação, abordando temas diversos, como a adolescência, educação indígena, imigrantes e educação afrocentrada, entre outros. O contexto da pandemia atravessou todos os filmes, sem se sobrepor à proposta central de cada um.

Reconhecido como um dos mais importantes eventos mundiais dedicados ao filme de curta duração, o Curta Kinoforum é totalmente gratuito e promove a exibição de mais de 200 filmes, representando 42 países diferentes. A programação é organizada nas mostras Brasil, Latino-americana e Internacional, além de programas especiais, debates, encontros e masterclass.

Conheça os filmes do Edital Conexão Juventudes:

Adolescer, de Gustavo Moraes (ES)
Produtora: 55 CINE
Sinopse: É um documentário sobre a transformação vivida por jovens da periferia da Grande Vitória, originalmente predestinados ao fracasso, que estudavam em uma escola desacreditada pela comunidade. Vivendo em uma região pobre, em meio ao tráfico, e em uma área vista pela mídia local como a mais violenta do estado, estes jovens encararam o desafio de entrar na vida adulta e com apoios de familiares, amigos e da escola, buscar um futuro melhor.

Antes do Livro Didático, o Cocar, de Rodrigo Sena (RN)
Produtora: BOBOX Produções
Sinopse: Estudar durante a pandemia é um desafio enfrentado por crianças e jovens em todo o planeta. Para populações desassistidas, que vivem nas periferias ou em condições de vulnerabilidade, as dificuldades são ainda maiores. Mas essa barreira não retirou a esperança, nem o desejo de aprender dos alunos das duas únicas escolas direcionadas aos povos originários no estado do Rio Grande do Norte. 

Contraturno, de Larissa Fernandes e Deivid Mendonça (GO)
Produtora: Panaceia Filmes
Sinopse: Contraturno é um documentário que acompanha a vida de Vitor e Renata, dois adolescentes que estudam e trabalham na cidade de Urutai, interior de Goiás, durante a retomada das aulas presenciais. Mas, para eles, há um desafio em especial: conciliar a rotina da adolescência, os estudos e o trabalho. O filme aborda alguns dos motivos de abandono e evasão, a crise que a pandemia projetou na educação, e a jornada dupla de adolescentes e como os marcadores raciais atravessam tudo isso.

DesConectados, de Márcio Bigly (PI)
Produtora: B&T Audiovisual
Sinopse: O filme narra os maiores desafios enfrentados pelos estudantes e educadores do Ensino Médio da única escola pública estadual de Tanque do Piauí, semiárido piauiense, durante a pandemia de Covid-19, onde o acesso à internet não é realidade para todos e se tornou essencial e indispensável para dar continuidade aos estudos. Uma história de luta pelo direito à educação e acesso digital, que revela a força das juventudes como ação transformadora de sua própria realidade.

Onde Aprendo a Falar com o Vento, de André Anastácio e Victor Dias (MG)
Produtora: Apiário Estúdio Criativo
Sinopse: O filme conta a história de um grupo de jovens de Oliveira, Minas Gerais, que fundou o Reinadinho, um festejo do Reinado protagonizado só por crianças e jovens. Tendo a Capitã Pedrina como mentora, aprendem sobre sua história e a história de seus antepassados, vivenciando esta tradição afro-diaspórica como espaço de cura e aprendizagem. Convidados pelo filme, refletem sobre o papel da escola e do Reinado enquanto espaços de educação.

Terremoto, de Gabriel Martins (MG)
Produtora: Filmes de Plástico
Sinopse: Em 2010, o Haiti sofreu com um terremoto de grande magnitude que deixou mais de 300 mil mortos. Dentre as vítimas estava a família de Nicolson e Niky Augustin, dois jovens haitianos. Tentando se reerguer nos anos seguintes, a família dos garotos não viu saída a não ser se mudar para o Brasil, mais especificamente a periferia de Contagem, Minas Gerais. Ali, sem saber falar o idioma, eles tiveram que se adaptar a uma nova realidade e educar seus filhos.

Foto: Thamise Cerqueira.

Outfest Los Angeles LGBTQ Film Festival 2022: filmes brasileiros são premiados

por: Cinevitor
Camilla Damião e Ana Hilário em Marte Um, de Gabriel Martins: filme premiado.

Foram anunciados neste domingo, 24/07, os vencedores da 40ª edição do Outfest Los Angeles LGBTQ Film Festival, um dos eventos mais consagrados do mundo que aborda temáticas LGBTQIA+ e promove a igualdade por meio de narrativas criativas.

Dirigido por Gabriel Martins, o brasileiro Marte Um foi consagrado com o Grande Prêmio do Júri de melhor filme internacional de ficção. O longa traz o cotidiano de uma família periférica, nos últimos meses de 2018, pouco depois das eleições presidenciais. O garoto Deivid, interpretado por Cícero Lucas, o caçula da família Martins, sonha em ser astrofísico e participar de uma missão que em 2030 irá colonizar o planeta vermelho. Morando na periferia de um grande centro urbano, não há muitas chances para isso, mas mesmo assim, ele não desiste. Passa horas assistindo vídeos e palestras sobre astronomia na internet.

O pai, Wellington, papel de Carlos Francisco, é porteiro em um prédio de elite, e há um bom tempo está sem beber, uma informação que compartilha com orgulho em sessões do AA. Tércia, vivida por Rejane Faria, é a matriarca que, depois de um incidente envolvendo uma pegadinha de televisão, acredita que está sofrendo de uma maldição. Por fim, a filha mais velha é Eunice, interpretada por Camilla Damião, que pretende se mudar para um apartamento com sua namorada, interpretada por Ana Hilário, mas não tem coragem de contar aos pais.

Produzido pela Filmes de Plástico, em coprodução com o Canal Brasil, o filme conta também com Russo APR, Dircinha Macedo, Tokinho e Juan Pablo Sorrin no elenco. Sua première nacional acontecerá no Festival de Gramado e depois será lançado nos cinemas pela Embaúba Filmes no dia 25 de agosto.

O júri da Competição Internacional de filmes de ficção foi formado por: Brighid Wheeler, diretora de programação do Tampa Bay International Gay & Lesbian Film Festival; Dalila Ali Rajah, atriz e produtora; e Patricia Vidal Delgado, cineasta. Sobre Marte Um, o júri justificou o prêmio: “Por suas nuances e pelo retrato em camadas e comovente da vida familiar que permanecerá em nossos corações”.

Além disso, o documentário Uýra – A Retomada da Floresta, de Juliana Curi, uma coprodução com Estados Unidos, e que foi exibido na mostra Documentary Features, recebeu o Prêmio Especial Freedom. Nesta odisseia poética e visualmente hipnótica pela floresta amazônica, o artista indígena Uýra aproveita o poder de interconexão de suas identidades nativas, queer e trans para abrir um caminho de ativismo ecológico e orgulho LGBTQ+ em grandes cidades e pequenas aldeias.

Nesta edição, o cinema brasileiro também marcou presença com outros filmes, entre eles, os longas Os Primeiros Soldados, de Rodrigo de Oliveira, e Três Tigres Tristes, de Gustavo Vinagre; e os curtas Adão, Eva e o Fruto Proibido, de R.B. Lima, e Uma Paciência Selvagem me Trouxe Até Aqui, de Érica Sarmet.

Uma novidade marcou esta 40ª edição do festival: a lista inaugural do Architects of Outfest 2022, anunciada no The Theatre at Ace Hotel. A lista, que conta com nomes como Gus Van Sant e Roland Emmerich, é o início de um movimento para celebrar e reconhecer o número crescente de pessoas que contribuíram significativamente para as origens e o crescimento da Outfest e seus programas desde 1982.

A Outfest é uma organização LGBTQIA+ global de artes, mídia e entretenimento com programas que capacitam artistas, comunidades e cineastas que transformam o mundo com suas histórias. Com a missão de dar visibilidade aos profissionais LGBTQIA+, também abre caminhos que destacam trabalhos destes artistas.

Conheça os vencedores do 40º Outfest Los Angeles LGBTQ Film Festival:

JÚRI OFICIAL

DOCUMENTÁRIO
Grande Prêmio do Júri: Sirens, de Rita Baghdadi (EUA/Líbano)
Menção Honrosa: Jeannette, de Maris Curran (EUA)

FICÇÃO | FILME AMERICANO
Grande Prêmio do Júri: Please Baby Please, de Amanda Kramer
Menção Honrosa: Youtopia, de Scout Durwood
Melhor Interpretação: Matthew Jeffers, por Unidentified Objects
Melhor Roteiro: Dos Estaciones, escrito por Juan Pablo González, Ana Isabel Fernández e Ilana Coleman

FICÇÃO | FILME INTERNACIONAL
Grande Prêmio do Júri: Marte Um, de Gabriel Martins (Brasil)
Melhor Roteiro: Sublime, escrito por Mariano Biasin
Menção Honrosa | Roteiro: Attachment, escrito por Gabriel Bier Gislason
Melhor Interpretação: Aamu Milonoff, por Girl Picture
Menção Honrosa | Interpretação: Raphaëlle Perez, por Mi Vacio y Yo (My Emptiness and I)

CURTA-METRAGEM | INTERNACIONAL | FICÇÃO
Grande Prêmio do Júri: Warsha, de Dania Bdeir (França/Líbano)
Menção Honrosa: Tank Fairy, de Erich Rettstadt (Taiwan/EUA)

CURTA-METRAGEM | DOCUMENTÁRIO
Grande Prêmio do Júri: Love, Barbara, de Brydie O’Connor (EUA)

CURTA-METRAGEM | AMERICANO | FICÇÃO
Grande Prêmio do Júri: Work, de April Maxey
Menção Honrosa: Ele of the Dark, de Yace Sula e Lollygag, de Tij D’oyen

PRÊMIO DO PÚBLICO

Melhor Documentário (curta-metragem): CANS Can’t Stand, de Matt Nadel e Megan Plotka (EUA)
Melhor Documentário (longa-metragem): Stay on Board: The Leo Baker Story, de Nicola Marsh e Giovanni Reda (EUA)
Melhor Filme de Ficção (longa-metragem): Unidentified Objects, de Juan Felipe Zuleta (EUA)
Melhor Filme de Ficção (curta-metragem): Troy, de Mike Donahue (EUA)
Melhor curta-metragem | Mostra Platinum: Remnants, de Primo Justice Schiappa (EUA)
Melhor Filme | Mostra Episodic: Sleep with Me, de Samantha Lee (Filipinas)

OUTROS PRÊMIOS

Emerging Talent: Yusuf Shadeed Nasir pelo curta Regret To Inform You
Freedom: Uýra – A Retomada da Floresta, de Juliana Curi (Brasil/EUA)
Artistic Achievement: Mohammad Shawky Hassan por Shall I Compare You to a Summer’s Day?

Foto: Divulgação.

Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais anuncia Comissão de Seleção para o Oscar 2023

por: Cinevitor
O filme brasileiro escolhido será anunciado em setembro.

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais formou nesta quinta-feira, 21/07, a Comissão de Seleção que escolherá o filme brasileiro para concorrer a uma vaga na categoria de melhor filme internacional na 95ª edição do Oscar, premiação realizada pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences, que acontecerá no dia 12 de março de 2023.

Neste ano, a Comissão de Seleção é composta por 25 membros titulares, sendo 21 eleitos em votação entre os sócios (as) da Academia e outros quatro membros indicados pela diretoria; todos profissionais do ambiente cinematográfico brasileiro, mas não necessariamente associados à Academia, como Cavi Borges, José Geraldo Couto, Petra Costa e Renata de Almeida.

A data prevista para a escolha do representante brasileiro no Oscar 2023 pela comissão é de 9 de setembro. A presidência da comissão será definida na semana que vem.

Na última edição do prêmio da Academia, o Brasil estava representado por Deserto Particular, de Aly Muritiba, mas, infelizmente, o longa não conseguiu uma vaga entre os 15 semifinalistas. Vale lembrar que a última vez que o Brasil concorreu na categoria de melhor filme internacional foi em 1999, com Central do Brasil; e em 2008, O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger, ficou entre os semifinalistas na shortlist.

Confira a relação completa dos membros da Comissão de Seleção:

Aly Muritiba, cineasta e roteirista
André Pellenz, diretor e autor de cinema e TV
Ariadne Mazzetti, produtora audiovisual e pós produtora
Bárbara Cariry, cineasta e produtora executiva
Cavi Borges, diretor, produtor e distribuidor de cinema
Cibele Amaral, cineasta e psicóloga
David França Mendes, roteirista, diretor e showrunner
Eduardo Ades, diretor, roteirista e produtor de cinema
Guilherme Fiuza Zenha, diretor e produtor cinematográfico
Hsu Chien Hsin, diretor e professor
Irina Neves, produtora de cinema e TV
Jeferson De, cineasta e roteirista
João Daniel Tikhomiroff, diretor e produtor
João Federici, programador de cinema, curador e produtor de filmes e teatro
José Geraldo Couto, jornalista, crítico, professor e tradutor
Juliana Sakae, documentarista
Marcelo Serrado, ator
Marcio Fraccaroli, produtor de filmes
Maria Ceiça, atriz, cantora e apresentadora
Patricia Pillar, atriz e diretora
Petra Costa, cineasta e produtora
Renata de Almeida, produtora de cinema, cineasta e curadora 
Talize Sayegh, produtora e curadora
Waldemar Dalenogare Neto, professor, pesquisador e crítico
Zelito Viana, cineasta

Foto: Al Seib/A.M.P.A.S.

8 ½ Festa do Cinema Italiano 2022: conheça os filmes selecionados

por: Cinevitor
Toni Servillo em O Rei do Riso, de Mario Martone.

Em 2022, o 8 ½ Festa do Cinema Italiano acontecerá entre os dias 28 de julho e 10 de agosto e volta ao formato presencial. Esta edição amplia mais uma vez seu circuito e traz uma seleção com os melhores filmes italianos dos últimos anos, todos inéditos nas salas de cinema do Brasil.

O evento estará presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife e Porto Alegre. Na sequência, entre os dias 4 e 10 de agosto, será a vez de Vitória, Fortaleza, Natal, Belém, Curitiba, Florianópolis, Londrina, Santos, Campinas, Goiânia, Niterói e Maringá.

Como parte da programação contemporânea, que conta com pré-estreias exclusivas em território brasileiro, o festival este ano homenageia Ennio Morricone, que morreu em 2020, e traz a exibição especial de Ennio, o Maestro, documentário que Giuseppe Tornatore, de Cinema Paradiso e Malena, realizou sobre a vida e obra do grande maestro.

Exibido na 78ª edição do Festival de Veneza, Ennio, o Maestro revela o compositor e maestro por meio de uma longa entrevista conduzida por Tornatore, além de depoimentos de realizadores e músicos, incluindo alguns muito conhecidos do grande público como Bernardo Bertolucci, Marco Bellocchio, Dario Argento, Quentin Tarantino, Wong Kar Wai (um dos produtores e distribuidor do filme), Bruce Springsteen, Joan Baez, Lina Wertmüller, John Williams e Hans Zimmer. A esta longa lista de admiradores e colaboradores, juntam-se fragmentos da vida privada de Morricone, gravações dos espetáculos, excertos dos filmes e imagens inéditas dos arquivos pessoais.

A programação da homenagem conta com a colaboração especial de Marco Morricone, filho de Ennio Morricone, que participará de um debate on-line com o público: “Papai pode ser considerado um compositor versátil, que em mais de meio século, escreveu tanto música absoluta [concebida como um ato criativo livre e não condicionado] quanto música aplicada [a serviço de outra arte: cinema, teatro, televisão]“, comentou Marco.

Ennio Morricone compôs mais de 500 trilhas sonoras para o cinema e TV.

Sempre de olho no que de melhor a produção italiana contemporânea tem produzido tanto no cinema clássico quanto no de vanguarda, o Festa do Cinema Italiano traz uma programação que une jovens talentos com veteranos, experimentações e filmes de linguagem clássica.

Na lista dos veteranos, Paolo Taviani chega com Leonora, Adeus (Leonora addio), seu primeiro longa-metragem depois da morte de seu irmão e parceiro de toda a vida, Vittorio Taviani, para quem dedica o filme. Exibido no Festival de Berlim deste ano, o longa levou o Prêmio Fipresci, da Federação Internacional de Críticos de Cinema. O filme parte da história real do escritor Luigi Pirandello e cria uma fábula ousada, que traz cenas de clássicos do neorrealismo italiano mescladas com cenas filmadas por Taviani, que conta a história das cinzas do autor.

Il Buco traz ao festival a vanguarda e a experimentação do cineasta Michelangelo Frammartino, que recebeu o Prêmio Especial do Júri no Festival de Veneza do ano passado. O cineasta milanês une o cinema de observação documental à fabulação para criar narrativas inovadoras, que mergulham fundo no cotidiano de seus personagens.

Experimentação, ousadia, vanguarda e também um clássico: tudo isso se aplica ao longa Mamma Roma, do mestre Pier Paolo Pasolini, que ganha homenagem em memória de seus 100 anos, completados em 5 de março último. Interpretada magistralmente por Anna Magnani, Mamma Roma é uma prostituta de meia-idade que sonha em mudar de classe social para poder voltar a viver com seu filho adolescente, Ettore. Ela faz de tudo para dar uma vida melhor a ele, mas o jovem não quer saber de estudar ou trabalhar e vive na rua com os amigos arruaceiros. Quando o passado de Mamma volta a atormentá-la, ela vai perceber que o recomeço é incerto e, talvez, inalcançável.

Cena de Freaks Out, de Gabriele Mainetti.

Ousadia e vanguarda também marcam o moderno Freaks Out, de Gabriele Mainetti, vencedor de seis prêmios no David di Donatello e consagrado nos festivais de Roterdã e Veneza. A história se passa na Roma da Segunda Guerra Mundial, mais precisamente 1943, quando Matilde, Cencio, Fulvio e Mario vivem como irmãos no circo dirigido por Israel. Os heróis desta vez descobrem o valor de seus poderes quando Israel desaparece misteriosamente, talvez em fuga ou talvez capturado pelos nazistas. Eles, então, são deixados sozinhos na cidade ocupada, mas os seus poderes sobrenaturais vão despertar a atenção de alguém, com um plano que poderá mudar o curso da História.

Sobre cinema autoral, Guia Romântico para Lugares Perdidos (Guida romantica a posti perduti), de Giorgia Farina, ganha destaque na programação com Clive Owen, Jasmine Trinca e Irène Jacob no elenco. E mais: o consagrado ator Toni Servillo, de A Grande Beleza, marca presença em O Rei do Riso (Qui rido io), de Mario Martone, no papel do lendário Eduardo Scarpetta, mestre da comédia italiana; o longa foi premiado no Festival de Veneza e no David di Donatello.

A programação traz também: Eu, Leonardo (Io, Leonardo), de Jesus Garces Lambert, com Luca Argentero no papel de Leonardo da Vinci; Tintoretto: Um Rebelde em Veneza (Tintoretto. A Rebel in Venice), de Giuseppe Domingo Romano, documentário narrado por Helena Bonham Carter, que celebra os 500 anos do nascimento do último grande artista do Renascimento Italiano; o drama Laços (Lacci), de Daniele Luchetti, premiado no Festival de Veneza; Mulheres Rebeldes (Una Femmina), de Francesco Costabile, exibido no Festival de Berlim deste ano; e a comédia dramática Tempos Super Modernos (E noi come stronzi rimanemmo a guardare), dirigido por Pif.

O 8 ½ Festa do Cinema Italiano é um evento organizado no Brasil pela Associação Il Sorpasso e Risi Film Brasil e com apoios e promoção dos Institutos Italianos de Cultura do Rio de Janeiro e de São Paulo, com o suporte institucional da rede diplomático-consular italiana no Brasil, além da organização logística da Bonfilm.

Fotos: Divulgação.

Cabíria Festival Audiovisual 2022 anuncia programação e formato híbrido

por: Cinevitor
Patricia Saravy em A Felicidade das Coisas, de Thais Fujinaga.

O Cabíria Festival Audiovisual, dedicado à representatividade feminina e à diversidade nas telas, com patrocínio da Spcine, será realizado em formato híbrido com atrações entre os dias 27 e 30 de julho no CCSP, Centro Cultural São Paulo, se estendendo on-line até 3 de agosto, para todo o Brasil no streaming Cardume e nas redes sociais; toda a programação é gratuita.

Esta quarta edição traz 23 filmes, entre longas, curtas e microfilmes, workshop, palestra e estudos de caso. Destacam-se este ano: a pré-estreia nacional de Faya Dayi, documentário de Jessica Beshir, que foi premiado no Hot Docs e no Spirit Awards; a sessão seguida de debate do longa A Felicidade das Coisas, de Thais Fujinaga, roteiro vencedor do Cabíria Prêmio de Roteiro 2017; e a Mostra Foco Alemanha.

Em sua sessão de abertura, no dia 27 de julho, o festival exibirá o filme homenageado Feminino Plural, de Vera de Figueiredo, carioca de 88 anos, que além de cineasta, é arquiteta e artista plástica. Lançado em 1976 e considerado um dos primeiros filmes feministas do cinema brasileiro, a obra foi filmada no contexto da ditadura militar brasileira e questiona temas ainda atuais como os papéis das mulheres na sociedade e liberdade feminina.

Na mesma noite, acontecem também as premiações do 7º Cabíria Prêmio de Roteiro, para roteiros de longa-metragem de ficção, cujo 1º lugar passa a integrar a cobiçada Rede de Talentos do Projeto Paradiso, instituição de promoção do audiovisual brasileiro; o anúncio do Prêmio Selo Elas Cabíria Telecine, cujo projeto vencedor receberá uma consultoria com especialistas das equipes Elo Company e Telecine; o Prêmio Cardume Cabíria, em conjunto com a plataforma de streaming Cardume, que premiará três roteiristas para o desenvolvimento de roteiros de curtas-metragens; e o Prêmio Parafernalha Cabíria, dedicado a roteiros de esquete de humor com objetivo de firmar um contrato de produção e veiculação da obra vencedora no Canal Parafernalha.

“São sete anos premiando histórias escritas e protagonizadas por mulheres. Não somente os números de roteiros recebidos e filmes realizados cresceram, como também a qualidade dos projetos. Isso é reflexo de uma mudança importante no mercado que está mais receptivo a essas narrativas”, disse Marília Nogueira, diretora do festival.

A programação oferece ao público de todo o Brasil uma mostra de filmes e encontros com cineastas nacionais e internacionais, além das atividades de formação e trocas de experiências. Já para as/es 15 roteiristas/es selecionadas/es para o Cabíria LAB, laboratório de desenvolvimento de roteiros e talentos, soma-se a programação intensa de consultorias.

Joséphine Sanz e Gabrielle Sanz em Pequena Mamãe, de Céline Sciamma.

Pelo terceiro ano, em parceria com o Goethe-Institut Rio de Janeiro, o evento realiza a Mostra Foco Alemanha, um intercâmbio entre o Cabíria Festival e o IFFF, International Frauen Film Festival; e promove o encontro on-line Conversa Sobre Curadoria Feminista, com a diretora artística do IFFF, Maxa Zoller.

O também tradicional intercâmbio com a cinematografia francófona, em parceria com a Embaixada da França, traz uma sessão especial do filme Pequena Mamãe, obra mais recente de Céline Sciamma, que foi exibida no Festival de Berlim. Depois da exibição, o público será contemplado com uma entrevista exclusiva com a cineasta.

“Celebramos, nesta edição, o cuidadoso retorno ao presencial e reforçamos o diálogo com a audiência de todo o Brasil, através do online. A curadoria, desenhada em colaboração com Mariana Queen Nwabasili e Lorenna Montenegro, desvendou o tema Feiticismo, um limiar entre o feitiço e o feitiche das narrativas audiovisuais, propondo fricções aos processos históricos e frescor à contação de histórias. Que seja convidativo e transformador a todes”, disse Vânia Matos, diretora do festival.

PROGRAMAÇÃO PRESENCIAL

O Centro Cultural São Paulo recebe a programação presencial do Cabíria Festival Audiovisual, entre os dias 27 e 30 de julho. A sessão de abertura apresenta o filme homenageado do ano: Feminino Plural, de Vera de Figueiredo.

O dia 28 começa com a autora e roteirista Cleissa Regina Martins, que apresentará o estudo de caso do projeto original de Juntos a Magia Acontece, realizado em parceria com a TV Globo, às 14h. As sessões de curtas e longas ocorrem diariamente e começam às 16h com o premiado curta Uma Paciência Selvagem Me Trouxe Até Aqui, de Érica Sarmet, e o longa documental Indianara, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa. Para encerrar o primeiro dia, o festival em parceria com a MUBI, promove, às 19h, a pré-estreia nacional em sessão única do longa-metragem Faya Dayi, da diretora mexicana-etíope Jessica Beshir.

Abrindo a programação do dia 29, o workshop de Produção e Distribuição, realizado em parceria com a Elo Company e o Telecine, acontece das 14h às 17h, com foco em criadores e roteiristas. Trata-se de uma imersão em todo o funcionamento do mercado audiovisual brasileiro de produção de filmes. Na sequência, às 19h, será a vez do curta pernambucano Per Capita, de Lia Letícia, e do longa A Felicidade das Coisas, de Thais Fujinaga, que estará presente para um bate-papo após a sessão.

No dia 30, último dia de festival presencial, ocorre o estudo de caso sobre a série original Manhãs de Setembro, da Amazon, ministrado pela roteirista Alice Marcone, às 14h. Logo mais, às 16h, serão exibidos o curta Curupira e a Máquina do Destino, de Janaína Wagner, e o longa Pequena Mamãe, de Céline Sciamma.

Cena do premiado curta Chão de Fábrica, de Nina Kopko.

Também no dia 30, o festival contará com a Sessão de Curtas, às 18h15, com exibições de: Uma Noite Sem Lua, de Castiel Vitorino Brasileiro; Boa Sorte e Até Breve, de Bruna Schelb Corrêa; Chão de Fábrica, de Nina Kopko; e Transviar, de Maíra Tristão. Na mesma noite, às 20h, ocorre a Sessão de Encerramento com o curta Quando a Noite Chegar, Pise Devagar, de Gabriela Alcântara, e o longa Nũhũ Yãg Mũ Yõg Hãm: A Terra é Nossa, de Isael e Sueli Maxakali, Carolina Canguçu e Roberto Romero. Após a sessão, será exibida uma entrevista exclusiva com os cineastas indígenas e codiretores do filme.

PROGRAMAÇÃO ON-LINE

A programação virtual do Cabíria Festival Audiovisual estará disponível entre os dias 27 de julho e 3 de agosto, e será dividida em quatro atrações principais: a Mostra Foco Alemanha e a Mostra Cabíria, ambas na plataforma Cardume; a Mostra Imaginários Possíveis, no Tik Tok da Parafernalha, no Instagram da Hysteria e no YouTube do Cabíria; e os Encontros com Cineastas no YouTube do Cabíria.

A Mostra Foco Alemanha é composta por cinco curtas-metragens, de diferentes gêneros disponíveis durante todo o período do festival. As obras selecionadas são: PAC 9000, de Minu Park; As Moscas, de Susann Maria Hempel; Um, Dois, Três, de Dagie Brundert; Mulheres de Uma (da Minha) Família, de Alissa Sophie Larkamp e Vai Chover Sapatos, de Mariola Brillowska. A ideia é apresentar diferentes olhares das cineastas contemporâneas alemãs ao público brasileiro.

A Mostra Cabíria leva para o streaming os curtas e os longas da edição presencial, com exceção de Faya Dayi. Já a Mostra Imaginários Possíveis, uma parceria entre o festival e as plataformas digitais Hysteria e Parafernalha, traz quatro microfilmes de humor com duração até 3 minutos: Contato, de Lorrana Flores; Dia D’Eliete, de Jéssica Maria Araújo; Perseguida, de Camila Silva; e Violãozin? Não!!, de Juliana Tillmann. No YouTube do Cabíria terá uma série de encontros com cineastas, sempre às 19h.

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM PLATAFORMAS PARCEIRAS

O Telecine é parceiro do 4º Cabíria Festival Audiovisual e terá especiais dedicados ao evento. No canal Telecine Cult, o Especial Cabíria Festival vai ao ar em 27 de julho a partir das 16h, com a exibição dos filmes: A Nuvem Rosa, de Iuli Gerbase; Rafiki, de Wanuri Kahiu; Ana. Sem Título, de Lúcia Murat; Retrato de uma Jovem em Chamas, de Céline Sciamma; e Transtorno Explosivo, de Nora Fingscheidt. Já o streaming do Telecine disponibilizará a Cinelist Cabíria Festival durante todos os dias de evento. A seleção conta com os filmes: Alvorada, de Lô Politi e Anna Muylaert; Três Verões, de Sandra Kogut; Papicha, de Mounia Meddour; Bela Vingança, de Emerald Fennell; Filhas do Sol, de Eva Husson; Kiki, de Sara Jordenö; O Corpo é Nosso!, de Theresa Jessouroun; entre outros.

O Curta!On, também parceiro do evento, disponibiliza a série Segundo Take, de 13 episódios, para quem se cadastrar na plataforma e utilizar o cupom CABIRIA, válido até 30 de setembro. O MUBI, distribuidora global e serviço de streaming com curadoria, oferecerá 30 dias grátis para novos usuários que se cadastrarem na plataforma.

Fotos: Divulgação.