Notícias

Fique por dentro de tudo o que acontece no universo do cinema!

Sequestro Relâmpago, de Tata Amaral, é exibido na 42ª Mostra de São Paulo

por: Cinevitor

sequestromostra42Tensão e violência em cena.

O novo filme de Tata Amaral, Sequestro Relâmpago, integra a programação da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. O longa traz a atriz Marina Ruy Barbosa imersa numa noite longa e tensa ao lado de dois sequestradores. Eles rodam pelas ruas de São Paulo e são obrigados a conviver no claustrofóbico espaço de um automóvel.

Na história, Isabel é vítima de um sequestro relâmpago ao sair de um bar. Inexperientes, Matheus e Japonês, os sequestradores, notam que não conseguirão chegar a um caixa eletrônico em funcionamento antes das 22h e decidem ficar com Isabel até que amanheça e eles possam fazer o saque. Os três estão nervosos. Refém em seu próprio carro, Isabel terá que negociar sua vida com os dois durante toda a noite.

O longa estreia em circuito comercial no dia 22 de novembro e o elenco ainda conta com Daniel Rocha e Sidney Santiago Kuanza, além das participações especiais de Projota e Linn da Quebrada. O roteiro, baseado em uma história real, leva assinatura da própria Tata com Marton Olympio e Henrique Pinto.

Na sexta-feira, 19/10, Sequestro Relâmpago foi exibido pela primeira vez para o público na Mostra de São Paulo no CineSesc, na Mostra Brasil. A sessão contou com a presença da diretora e também de diversos integrantes da equipe. Ao final da projeção, Tata Amaral participou de um debate com o público ao lado de seu amigo Eduardo Suplicy, do ator Sidney Santiago Kuanza e da atriz Marina Matheus.

Aperte o play e confira os melhores momentos:

Foto: Divulgação.

42ª Mostra de São Paulo apresenta mais de 60 filmes brasileiros na programação

por: Cinevitor

olhofacamostra1Rodrigo Lombardi e Maria Luisa Mendonça em O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento.

A 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo é a principal vitrine da mais recente produção nacional. Neste ano, o festival traz uma seleção de 62 filmes brasileiros, incluindo sessões especiais de clássicos do país.

A Mostra Brasil apresenta longas reconhecidos em importantes festivais, como: Deslembro, de Flavia Castro, exibido na mostra Orizzonti do Festival de Veneza; Tinta Bruta, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, eleito o melhor filme de ficção no Teddy Award, em Berlim; Azougue Nazaré, de Tiago Melo, premiado em Roterdã; Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora, uma coprodução Brasil e Portugal, que recebeu o Prêmio Especial do Júri na mostra Un Certain Regard, em Cannes; o documentário Humberto Mauro, de André Di Mauro, exibido na mostra Venice Classics; Los Silencios, de Beatriz Seigner, premiado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e exibido na Quinzena dos Realizadores, em Cannes; e Sueño Florianópolis, de Ana Katz, vencedor do Prêmio Especial do Júri, melhor atriz para Mercedes Morán e Prêmio da Crítica no Festival de Karlovy Vary.

Entre os nacionais ainda inéditos no país que serão apresentados no evento estão: Rasga Coração, de Jorge Furtado; O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento; Relatos do Front, de Renato Martins; e Sequestro Relâmpago, de Tata Amaral.

lossilenciosbrasiliaA atriz María Paula Tabares Peña em Los Silencios, de Beatriz Seigner.

Os 20 anos de Central do Brasil, dirigido por Walter Salles e protagonizado por Fernanda Montenegro, que foi indicada ao Oscar de melhor atriz, serão comemorados com a exibição inédita no país da cópia restaurada do filme, com a presença do diretor e elenco principal. Também ganham sessão especial: a cópia restaurada de O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, e o longa O Bravo Guerreiro, de Gustavo Dahl, que comemoram 50 anos de lançamento; além de Feliz Ano Velho, de Roberto Gervitz, que completa 30 anos.

Uma das homenagens deste ano, o Prêmio Humanidade será concedido a Drauzio Varella antes da exibição da cópia restaurada de Pixote: A Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco. A projeção do curta Conversa com Ele, de Bárbara Paz, antecede a sessão; Drauzio também participa da mesa Da Vida à Palavra; Da Palavra à Imagem, no II Fórum Mostra.

Os títulos da competição concorrem ao Troféu Bandeira Paulista de melhor filme, dado pelo Júri Internacional da 42ª Mostra. Entretanto, todos os brasileiros da Perspectiva Internacional e da Competição Novos Diretores concorrem ao Prêmio do Público, que inclui o Troféu Bandeira Paulista de melhor filme brasileiro.

A 42ª Mostra vai contemplar pela segunda vez com o Prêmio Petrobras de Cinema dois filmes brasileiros e pela primeira vez eles serão escolhidos pelo público: R$ 300 mil serão concedidos aos títulos determinados pelos espectadores, da Competição ou da Perspectiva, sendo R$ 200 mil para o melhor longa de ficção e R$ 100 mil para o melhor longa documentário.

Conheça os filmes da Mostra Brasil que serão exibidos na 42ª Mostra de São Paulo:

APRESENTAÇÃO ESPECIAL

As Canções, de Eduardo Coutinho (2011)
Central do Brasil, de Walter Salles (1998)
Conversa com Ele, de Bárbara Paz (2018)
Feliz Ano Velho, de Roberto Gervitz (1988)
Jardim de Guerra, de Neville d’Almeida (1968)
Juliana na Cinemateca, de Diego Quinderé de Carvalho e Estevão Meneguzzo (2017)
Matar ou Correr, de Carlos Manga (1954)
Neville D’Almeida: Cronista da Beleza e do Caos, de Mario Abbade (2018)
O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla (1968)
O Bravo Guerreiro, de Gustavo Dahl (1968)
O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues (2018)
Omindá, de André Abujamra (2018)
Omindá / Doc, de André Abujamra e Mauro Nascimento (2018)
Ópera do Malandro, de Ruy Guerra (1986)
Simonal, de Leonardo Domingues (2018)
Uma Noite Não é Nada, de Alain Fresnot (2016)
Uma Vida em Segredo, de Suzana Amaral (2001)

COMPETIÇÃO NOVOS DIRETORES | PERSPECTIVA INTERNACIONAL

A Cidade dos Piratas, de Otto Guerra
A Terra Negra dos Kawa, de Sérgio Andrade
A Voz do Silêncio, de André Ristum
Alma Clandestina, de José Barahona
As Quatro Irmãs, de Evaldo Mocarzel
Azougue Nazaré, de Tiago Melo
Bando, Um Filme de:, de Lázaro Ramos e Thiago Gomes
Bia (2.0), de Cristiano Calegari e Lucas Zampieri
Cano Serrado, de Erik de Castro
Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza
Clementina, de Ana Rieper
Com a Palavra, Arnaldo Antunes, de Marcelo Machado
Cravos, de Marco Del Fiol
Deslembro, de Flavia Castro
Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt
Domingo, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa
Fabiana, de Brunna Laboissière
Filme Ensaio, de Maria Flor Leite Calaça
Filme Paisagem: Um Olhar Sobre Roberto Burle Marx, de João Vargas Penna
Frans Krajcberg: Manifesto, de Regina Jehá
Humberto Mauro, de André Di Mauro
Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicácio
Inezita, de Helio Goldsztejn
Intimidade Entre Estranhos, de José Alvarenga Jr.
Los Silencios, de Beatriz Seigner
Meio Irmão, de Eliane Coster
Meu Nome é Daniel, de Daniel Gonçalves
Mormaço, de Marina Meliande
O Barco, de Petrus Cariry
O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento
O Pequeno Mal, de Lucas Camargo de Barros e Nicolas Thomé Zetune
O Samba é Meu Dom, de Cristiano Abud
Rasga Coração, de Jorge Furtado
Relatos do Front, de Renato Martins
Rio da Dúvida, de Joel Pizzini
Santo Amaro era Skatista, de Felipe Martins
Sequestro Relâmpago, de Tata Amaral
Sócrates, de Alex Moratto
Sol Alegria, de Tavinho Teixeira
Sueño Florianópolis, de Ana Katz
Temporada, de André Novais Oliveira
THF: Aeroporto Central, de Karim Aïnouz
Tinta Bruta, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher
Todas as Canções de Amor, de Joana Mariani
Torre das Donzelas, de Susanna Lira
Um Dia para Susana, de Giovanna Giovanini e Rodrigo Boecker
Vitória, de Alberto Bellezia

Fotos: Divulgação.

42ª Mostra de São Paulo: pré-indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro se destacam na programação

por: Cinevitor

burningmostraAh-In Yoo em cena do filme Em Chamas: representante da Coreia do Sul.

Com 336 títulos, a 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontece até o dia 31 de outubro, traz em sua seleção um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial está produzindo, além das principais tendências, temáticas, narrativas e estéticas produzidas em todo o mundo.

Como de costume, a programação conta com obras já indicadas por seus respectivos países para concorrerem à uma vaga entre os finalistas da categoria de melhor filme estrangeiro do Oscar 2019. Entre os 19 filmes pré-selecionados pela Academia, que serão exibidos na Mostra, destacam-se: o japonês Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda, vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes deste ano, e o documentário austríaco A Valsa de Waldheims, de Ruth Beckermann, premiado em Berlim.

Conheça os 19 filmes pré-selecionados para o Oscar 2019 que serão exibidos na 42ª Mostra de São Paulo:

ARGENTINA: O Anjo (El Ángel), de Luis Ortega
Elenco: Lorenzo Ferro, Chino Darín, Daniel Fanego, Mercedes Morán, Cecilia Roth, Peter Lanzani, Luis Gnecco, Malena Villa, William Prociuk.
Sinopse: Baseado em uma história real, o filme acompanha o adolescente Carlitos, que, em 1971, fazia sucesso com seus cabelos loiros e o jeito de galã de cinema. Mas o garoto escondia seu verdadeiro talento: cometer crimes. Quando ele conhece Ramon em sua nova escola, os dois embarcam em uma jornada de descobertas, amor e crime. Matar é apenas um desdobramento aleatório da violência, que aumenta em uma escalada contínua. Por causa de sua aparência delicada, Carlitos passa a ser conhecido como O Anjo da Morte.

ÁUSTRIA: A Valsa de Waldheims (Waldheims Walzer), de Ruth Beckermann
Prêmio Glashütte de melhor documentário original no Festival de Berlim
Sinopse: O documentário revela o passado nazista do austríaco Kurt Waldheim, ex-secretário-geral da ONU. Criado a partir de material de arquivo dos anos 1970 e 1980, o filme revela as filiações nazistas de Waldheim, que negava veementemente qualquer relação com o 3º Reich, e ainda mostra como era feito o uso bem-sucedido do antissemitismo e da propaganda populista.

BRASIL: O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues
Elenco: Jesuíta Barbosa, Bruna Linzmeyer, Antonio Fagundes, Juliano Cazarré, Marcos Frota, Mariana Ximenes e Vincent Cassel.
Sinopse: Em um universo fantástico, cinco gerações de uma mesma família circense são apresentadas. Da inauguração do Grande Circo Místico, em 1910, até os dias de hoje, Celavi, o mestre de cerimônias que nunca envelhece, ajuda a contar as aventuras e os amores dos Kieps, desde seu auge à decadência. Baseado no poema homônimo de Jorge de Lima.

oanjomostraoscarLorenzo Ferro em O Anjo, de Luis Ortega: representante argentino.

CAMBOJA: Túmulos Sem Nome (Les tombeaux sans noms), de Rithy Panh
Sinopse: Quando uma criança de 13 anos de idade, que perdeu a maior parte da família sob o regime do Khmer Vermelho, embarca em uma procura pelas sepulturas de seus familiares, o que ela encontra lá? O documentário registra a busca por paz espiritual, tanto para quem foi morto quanto para os sobreviventes do sistema político que dominou o Camboja na década de 1970.

COREIA DO SUL: Em Chamas (Beoning/Burning), de Chang-dong Lee
Prêmio FIPRESCI no Festival de Cannes.
Elenco: Ah-In Yoo, Steven Yeun, Jong-seo Jeon, Soo-Kyung Kim, Seung-ho Choi, Sung-Keun Moon.
Sinopse: Jongsu é um entregador que, no meio de um trabalho, reencontra Haemi, uma garota que já morou em sua vizinhança. A moça pergunta se ele poderia cuidar do seu gato enquanto ela estiver na África. Na volta, Haemi apresenta Jongsu a Ben, um jovem enigmático que ela conheceu durante a viagem. Um dia, Ben conta a Jongsu sobre seu hobby mais incomum. Baseado no conto Queimar Celeiros, do escritor japonês Haruki Murakami.

DINAMARCA: Culpa (Den skyldige/The Guilty), de Gustav Möller
Prêmio do Público no Festival de Roterdã e no Festival de Sundance
Elenco: Jakob Cedergren, Jessica Dinnage, Omar Shargawi.
Sinopse: Uma delegacia de polícia em algum lugar na Dinamarca. O policial Asger Holm está cuidando das chamadas de emergência nesta noite. Seu turno está quase no fim. Ele atende uma ligação de uma mulher sequestrada. Quando a ligação é desligada repentinamente, começa a busca pela vítima e seu sequestrador. Com o telefone como sua única ferramenta, Holm entra numa corrida contra o tempo para salvar essa mulher em perigo. Ele logo percebe, porém, que está lidando com um crime muito maior do que pensava.

culpamostraoscarJakob Cedergren em cena de Culpa, suspense dinamarquês.

EGITO: Yomeddine, de A.B. Shawky
Elenco: Rady Gamal, Ahmed Abdelhafiz, Osama Abdallah, Shahira Fahmy.
Sinopse: Beshay, um homem que foi curado de lepra, nunca deixou a colônia isolada, no deserto do Egito, onde foi abandonado quando criança. Após a morte de sua mulher, ele finalmente decide partir em uma jornada em busca de suas raízes. Acompanhado de seu burro e de Obama, um jovem órfão, Beshay cruza o país na esperança de encontrar uma família, um lar e um pouco de humanidade.

ESLOVÊNIA: O Intérprete (The Interpreter), de Martin Šulík
Elenco: Jirí Menzel, Peter Simonischek, Zuzana Mauréry.
Sinopse: Ali Ungár, um intérprete de 80 anos de idade, viaja para Viena à procura de um ex-oficial nazista que pode ser o responsável pela execução dos seus pais na Eslováquia. Ele encontra apenas Georg, filho desse homem, um bon vivant aposentado que se distanciou do passado do pai. Mas a visita de Ali desperta seu interesse, e os dois partem para a Eslováquia em busca de testemunhas que sobreviveram à tragédia da guerra. Suas diferentes visões e experiências de vida resultam em tensões e momentos cômicos, numa jornada em que descobrem questões profundas e conflitos não resolvidos.

ISLÂNDIA: Uma Mulher em Guerra (Kona fer í stríð), de Benedikt Erlingsson
Elenco: Halldóra Geirharðsdóttir, Jóhann Sigurðarson, Juan Camillo Roman Estrada.
Sinopse: Halla tem 50 anos e, nos bastidores de uma rotina tranquila, leva uma vida dupla como ativista ambiental. Secretamente, ela trava uma guerra particular contra a indústria local de alumínio. À medida que suas ações se tornam mais ousadas, indo desde pequenos atos de vandalismo até sabotagem industrial, ela consegue pausar as negociações entre o governo islandês e a corporação que está construindo uma nova fundição de alumínio. Porém, assim que começa a planejar sua maior e mais ousada operação, Halla, inesperadamente, recebe uma carta que muda tudo. Seu pedido de adoção foi finalmente aceito e há uma menina esperando por ela na Ucrânia.

yomeddineoscarmostraRady Gamal e Ahmed Abdelhafiz no drama egípcio Yomeddine.

JAPÃO: Assunto de Família (Manbiki kazoku/Shoplifters), de Hirokazu Kore-eda
Palma de Ouro no Festival de Cannes
Elenco: Kirin Kiki, Lily Franky, Sôsuke Ikematsu, Sakura Andô, Miyu Sasaki.
Sinopse: Depois de uma sessão de furtos, Osamu e seu filho se deparam com uma garotinha passando frio ao relento. A princípio relutante em abrigá-la, a esposa de Osamu concorda em cuidar da menina depois de saber das dificuldades que ela enfrenta. Embora a família seja pobre, mal ganhando o suficiente para sobreviver por meio de pequenos crimes, eles parecem felizes. Até que um incidente revela segredos que testam os laços que os unem.

LÍBANO: Cafarnaum (Capharnaüm), de Nadine Labaki
Prêmio do Júri no Festival de Cannes
Elenco: Zain Al Rafeea, Kawsar Al Haddad, Fadi Yousef, Alaa Chouchnieh.
Sinopse: Zain é um menino de 12 anos que se comporta como adulto devido ao sofrimento que passou: fugiu dos pais abusivos, foi morar nas ruas, cuidou da refugiada Rahil e de seu bebê e foi preso por um crime violento. O garoto, então, decide entrar nos tribunais com um processo contra seus pais, acusando-os do “crime” de lhe dar a vida.

LUXEMBURGO: Gutland, de Govinda Van Maele
Elenco: Vicky Krieps, Frederick Lau, Pit Bukowski.
Sinopse: Um homem com um passado misterioso chega a uma vila, apenas com uma mala. Ele procura trabalho, mas os habitantes do local, desconfiados e hostis, lhe negam qualquer oportunidade. Apenas quando Lucy, a indisciplinada filha do prefeito, o acolhe é que os cidadãos passam a integrá-lo na rotina da cidadezinha. Mas, com o passar do tempo, fica evidente que ele não é o único no lugar que esconde um passado sombrio. Algo sinistro está encoberto sob a superfície imaculada desse pequeno e pitoresco mundo, e que lentamente o atrai.

filmenadineoscarmostraZain Al Rafeea no drama libanês Cafarnaum, de Nadine Labaki.

MACEDÔNIA: O Ingrediente Secreto (Iscelitel), de Gjorce Stavreski
Elenco: Blagoj Veselinov, Anastas Tanovski, Aksel Mehmet, Aleksandar Mikic.
Sinopse: Vele é um mecânico ferroviário que cuida do pai, que tem câncer. Para amenizar suas dores, ele desenvolve um bolo com maconha. Sua paz termina quando traficantes e vizinhos enxeridos querem descobrir a fórmula do doce. Vele e o pai, então, rumam para uma cidade remota, onde costumavam passar férias. Contudo, o chefe da máfia os encontra e diz que poupará a vida deles em troca da receita.

MÉXICO: Roma, de Alfonso Cuarón
Leão de Ouro no Festival de Veneza
Elenco: Yalitza Aparicio, Marina de Tavira, Diego Cortina Autrey, Carlos Peralta.
Sinopse: O filme se passa no início dos anos 1970, na Cidade do México, e acompanha uma família de classe média. Cleo é uma doméstica que trabalha na casa de Sofia, mãe de quatro filhos e que sofre com a ausência do marido. Ela faz de tudo para ajudar a patroa a cuidar das crianças, a quem ama como se fossem seus próprios filhos, ao mesmo tempo em que precisa lidar com o término de seu relacionamento. As duas mulheres lutam com as mudanças no lar e na cidade, que é tomada por milícias do governo e por passeatas de estudantes.

POLÔNIA: Guerra Fria (Zimna wojna/Cold War), de Pawel Pawlikowski
Melhor Direção no Festival de Cannes
Elenco: Joanna Kulig, Tomasz Kot, Borys Szyc, Agata Kulesza, Jeanne Balibar.
Sinopse: Uma história de amor entre duas pessoas de origens distintas e temperamentos diferentes, fatalmente incompatíveis, mas ainda assim fatalmente condenadas uma à outra. Tendo como pano de fundo a Guerra Fria na década de 1950 na Polônia, em Berlim, na antiga Iugoslávia e em Paris, o filme retrata um amor impossível em tempos impossíveis.

romacuaronmostra42Dirigido pelo mexicano Alfonso Cuarón, Roma será o filme de encerramento da Mostra.

PORTUGAL: Peregrinação, de João Botelho
Elenco: Jani Zhao, Catarina Wallenstein, Filipe Vargas, Rui Morisson.
Sinopse: O explorador português Fernão Mendes Pinto passou mais de duas décadas no Oriente. Algumas de suas aventuras foram narradas em um livro que levou nove anos para ser concluído, sendo publicado postumamente em 1614. A obra registra uma história sem paralelo sobre algumas das maiores aventuras já vividas. O longa é baseado em trechos da publicação, bem como em eventos históricos verificados.

ROMÊNIA: Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros (Îmi este indiferent daca în istorie vom intra ca barbari), de Radu Jude
Elenco: Ioana Iacob, Alex Bogdan, Alexandru Dabija.
Sinopse: “Eu não me importo se entrarmos para a história como bárbaros”: essas palavras foram ditas no Conselho Ministerial, durante o verão de 1941, e deram início à limpeza étnica da Frente Oriental, principal frente europeia durante a Segunda Guerra Mundial. Uma jovem artista decide reencenar esse episódio histórico de seu país.

TAILÂNDIA: Malila: A Flor do Adeus (Malila: The Farewell Flower), de Anucha Boonyawatana
Elenco: Sukollawat Kanarot, Sumret Muengput, Anuchit Sapanpong.
Sinopse: Pitch e Shane, dois ex-namorados, buscam uma cura para a dor de suas vidas atuais revivendo esse antigo romance. Depois que um deles morre, o outro se torna monge e perambula pela selva. Lá, ele encontra novamente seu amante, agora em outra forma.

TURQUIA: A Árvore dos Frutos Selvagens (Ahlat Agaci), de Nuri Bilge Ceylan
Elenco: Dogu Demirkol, Murat Cemcir, Bennu Yildirimlar
Sinopse: Sinan é apaixonado por literatura e sempre quis ser escritor. De volta à aldeia onde nasceu, ele se empenha em juntar o dinheiro que precisa para ter seu trabalho publicado, mas as dívidas de seu pai acabam o encontrando.

Fotos: Marcos Ludevid, Nikolaj Møller/Divulgação.

O Segredo de Davi, suspense com Nicolas Prattes, ganha novo trailer

por: Cinevitor

segredodavinovotrailer1Nicolas Prattes: estreia nos cinemas!

Escrito e dirigido por Diego Freitas, O Segredo de Davi, que chega aos cinemas no dia 22 de novembro, acaba de ganhar um novo trailer. Em sua estreia nas telonas, Nicolas Prattes dá vida a um anti-herói cheio de mistérios, numa trama focada em um jovem universitário que se transforma em um famoso serial killer.

Na história, Davi é um tímido estudante de cinema que esconde um passado sombrio. Ao visitar sua vizinha Maria, um instinto esquecido vem à tona e Davi comete o seu primeiro assassinato. Na manhã seguinte, para surpresa de Davi, Maria reaparece em seu apartamento e passa a influenciar o garoto a seguir numa jornada de crimes que revelarão sua verdadeira natureza: a de um serial killer.

O roteiro original foi criado por Diego Freitas, internacionalmente premiado como melhor diretor pelo curta Sal; Elisa Tolomelli, de Cidade de Deus e Central do Brasil, assina a coprodução do filme juntamente com Luciano Reck, Amadeu Alban e Marcio Yatsuda, que são os produtores executivos.

O longa foi selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Montreal (Montreal World Film Festival, MWFF), que aconteceu em agosto deste ano. O evento é o único festival de cinema competitivo da América do Norte credenciado pela FIAPF, Federação Internacional de Associações de Produtores Cinematográficos. A ficção foi o único longa brasileiro entre os 19 selecionados da mostra First Fiction Films World Competition.

Diego Freitas faz parte da nova geração de diretores cinematográficos, já habituada a flutuar pelas diferentes mídias, gêneros e formas inovadoras de produção de filmes. Escritor, diretor e produtor é bacharel em Comunicação Social, com mais de dez anos de experiência no audiovisual. Diego já realizou produções em seis países e desde 2009 acumula diversos prêmios nacionais e internacionais com seus filmes, sejam documentais, ficcionais, para TV e internet. Seu último curta, o premiado suspense Sal, já passou pelos principais festivais de cinema nacionais e internacionais.

Com distribuição da Elo Company, o filme, selecionado para o Programa Encontros com o Cinema Brasileiro do Festival de Sundance e Veneza, traz também no elenco João Côrtes, Cris Vianna, Bianca Müller, Eucir de Souza, Giselle de Prattes, Tuna Dwek, André Hendges e Neusa Maria Faro.

Confira o novo trailer de O Segredo de Davi:

Foto: Divulgação/Parakino Filmes.

Festival do Rio 2018 divulga programação com filmes internacionais

por: Cinevitor

gusvansantrio2018Joaquin Phoenix em cena do novo filme de Gus Van Sant: selecionado.

Durante dez dias, o Festival do Rio vai exibir 200 filmes de mais de 60 países em cerca de 20 locais de exibição da cidade. Além disso, também receberá profissionais do audiovisual para seminários e workshops, realizará debates, apresentará música, cinema, entre outras atividades.

De 1 a 11 de novembro, o público terá a oportunidade de conferir os filmes mais comentados, descobrir raridades, votar no melhor da Première Brasil, participar de debates, sessões especiais com a presença de personalidades do cinema mundial e palestras e oficinas gratuitas no RioMarket.

Nesta vigésima edição, serão exibidos os novos trabalhos de diretores consagrados e premiados nos maiores festivais do mundo, como: Lars von TrierGus Van Sant, Naomi Kawase, Jean-Luc GodardMike LeighSpike LeeJafar Panahi, Frederick Wiseman, Nadine Labaki, Olivier Assayas, Pablo Trapero, Pawel PawlikowskiDominga Sotomayor, Denys Arcand, Steve McQueen (com As Viúvas, filme de abertura), entre outros.

Na seleção, destaca-se também uma nova versão de Imagine, de John Lennon e Yoko Ono; o documentário Kusama – Infinito, de Heather Lenz, sobre a artista plástica Yayoi Kusama; Ferrante Fever, de Giacomo Durzi, sobre a enigmática escritora italiana Elena FerranteRBG, de Betsy West e Julie Cohen, um retrato da vida da famosa juíza Ruth Bader Ginsburg; entre outros tantos títulos.

Confira a lista com as atrações do Festival do Rio 2018:

MOSTRA PANORAMA:

O Mau Exemplo de Cameron Post (The Miseducation of Cameron Post), de Desiree Akhavan
Colette, de Wash Westmoreland
A Pé Ele Não Vai Longe (Don’t Worry, He Won’t Get Far on Foot), de Gus Van Sant
Sem Rastros (Leave No Trace), de Debra Granik
Vida Selvagem (Wildlife), de Paul Dano
Fátima, de João Canijo
Bisbee ’17, de Robert Greene
O Termômetro de Galileu, de Teresa Villaverde
Vision, de Naomi Kawase
A Névoa Verde (The Green Fog), de Guy Maddin, Evan Johnson e Galen Johnson
Grass, de Hong Sang-soo
Utøya – 22 de julho (Utøya 22. juli), de Erik Poppe
Não Me Toque (Touch Me Not), de Adina Pintilie
3 Days in Quiberon, de Emily Atef
Imagem e Palavra (The Image Book), de Jean-Luc Godard
Asako I & II, de Ryûsuke Hamaguchi
Conquistar, Amar e Viver Intensamente (Plaire, aimer et courir vite), de Christophe Honoré
Amor até as Cinzas (Ash Is Purest White), de Jia Zhangke
Assunto de Família (Shoplifters), de Hirokazu Kore-eda
Cafarnaum (Capharnaüm), de Nadine Labaki
Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong
Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman), de Spike Lee
3 Faces, de Jafar Panahi
Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski
Verão (Leto), de Kirill Serebrennikov
Dez anos Tailândia (Ten Years Thailand), de Apichatpong Weerasethakul, Aditya Assarat, Chulayarnnon Siriphol e Wisit Sasanatieng
O Momento Plutão (The Pluto Moment), de Ming Zhang
A Casa que Jack Construiu (The House that Jack Built), de Lars von Trier
A Prece (The Prayer), de Cédric Kahn
Praça Pública (Place Publique), de Agnès Jaoui
Amanda, de Mikhaël Hers
Memória da Dor (Memoir of War), de Emmanuel Finkiel
Maria Callas – Em Suas Próprias Palavras (Maria by Callas), de Tom Volf
Raiva (Rage), de Sérgio Tréfaut
A Queda do Império Americano (The Fall of the American Empire), de Denys Arcand
A Cada Momento (De chaque instant), de Nicolas Philibert
Peterloo, de Mike Leigh
White Boy Rick, de Yann Demange
O Favorito (The Front Runner), de Jason Reitman
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk), de Barry Jenkins
Vidas Duplas (Doubles vies), de Olivier Assayas
No Portal da Eternidade (At Eternity’s Gate), de Julian Schnabel
A Quietude (La quietud), de Pablo Trapero
El Pepe, Uma Vida Suprema (El Pepe, una vida suprema), de Emir Kusturica
Seu Rosto (Your Face), de Tsai Ming-Liang
Monrovia, Indiana, de Frederick Wiseman
O Hotel às Margens do Rio (Hotel by the River), de Hong Sang-soo
Túmulos Sem Nome (Graves Without a Name), de Rithy Panh
Nunca Deixe de Lembrar (Never Look Away), de Florian Henckel von Donnersmarck
A Rota Selvagem (Lean on Pete), de Andrew Haigh
O Ódio que Você Semeia (The Hate U Give), de George Tillman Jr.
A Vida em Si (Life Itself), de Dan Fogelman
Vox Lux, de Brady Corbet
Tyrel, de  Sebastián Silva
A Excêntrica Família de Gaspard (Gaspard at the Wedding), de Antony Cordier
Eu sou Tempesta (I am Tempesta), de Daniele Luchetti
O Caravaggio Roubado (The Stolen Caravaggio), de Roberto Andò
O que Você Irá Fazer Quando o Mundo Estiver em Chamas (What You Gonna Do When the World’s on Fire?), de Roberto Minervini
Meu Próprio Bem (My own good), de Pippo Mezzapesa

EXPECTATIVA 2018

Tempo Comum (Ordinary Time), de Susana Nobre
Skate Kitchen, de Crystal Moselle
Terra Firme (Anchor and hope), de Carlos Marqués-Marcet
Culpa (The Guilty), de Gustav Möller
O Quebra-Cabeça (Puzzle), de Marc Turtletaub
Um Elefante Sentado Quieto (Da xiang xi di er zuo), de Bo Hu
Adam, de Maria Solrun
Longa Jornada Noite Adentro (Long day’s journey into night), de Bi Gan
Rafiki, de Wanuri Kahiu
Carmen & Lola, de Arantxa Echevarria
O Mundo à Seus Pés (The world is yours), de Romain Gavras
A Nossa Espera (Our struggles), de Guillaume Senez
Palace II – 3 Quartos com Vista para o Mar, de Rafael Machado e Gabriel Corrêa e Castro
Pedro e Inês, O Amor Não Descansa, de António Ferreira
A Árvore (The Tree), de André Gil Mata
Shade – Entre Bruxas e Heróis (The Witch Hunters), de Rasko Miljkovic
Querido Filho (Dear Son), de Mohamed Ben Attia
Entre Tempos (Ricordi?), de Valerio Mieli
Yomeddine, de A.B. Shawky
A Costureira de Sonhos (Sir), de Rohena Gera
A Última Criança (Last Child), de Shin Dong-seok
Longe da Árvore (Far from the tree), de Rachel Dretzin
Girl, de Lukas Dhont

PREMIÈRE LATINA

Miriam Mente (Miriam Miente), de Natalia Cabral e Oriol Estrada
A Rainha do Medo (La reina del miedo), de Valeria Bertuccelli e Fabiana Tiscornia
A Cama (La Cama), de Mónica Lairana
Cinzas (Cenizas), de Juan Sebastian Jacome
Virus Tropical, de Santiago Caicedo
O Dia que Resistia (El día que resistía), de Alessia Chiesa
El motoarrebatador, de Agustín Toscano
Pássaros de Verão (Pájaros de Verano), de Ciro Guerra e Cristina Gallego
Minha Obra Prima (Mi obra maestra), de Gastón Duprat
Happy Hour – Verdades e Consequências, de Eduardo Albergaria
Tarde para Morrer Jovem (Tarde Para Morir Joven), de Dominga Sotomayor
A Camareira (La camarista), de Lila Avilés
Belmonte, de Federico Veiroj
Acusada, de Gonzalo Tobal
Família Submersa (Familia sumergida), de María Alche
Vermelho Sol (Rojo), de Benjamin Naishtat
José, de Li Cheng
Humanpersons, de Frank Spano
O Amor Não Descansa (El amor menos pensado), de Juan Vera
O Anjo (El ángel), de Luis Ortega
Museu (Museo), de Alonso Ruizpalacios
Compra-me um Revólver (Cómprame un revolver), de Julio Hernández Cordón

MIDNIGHT

Matangi/Maya/M.I.A., de Stephen Loveridge
A Geração da Riqueza (Generation wealth), de Lauren Greenfield
Três Estranhos Idênticos (Three identical strangers), de Tim Wardle
Game Girls, de Alina Skrzeszewska
Profile, de Timur Bekmambetov
A Valsa de Waldheim (Waldheims Walzer), de Ruth Beckermann
Futebol Infinito (Infinite Football), de Corneliu Porumboiu
As Filhas do Fogo (The Daughters of Fire), de Albertina Carri
Selvagem, de Camille Vidal-Naquet
Faca no Coração (Knife + Heart), de Yann Gonzalez
Morra, Monstro, Morra (Murder Me, Monster), de Alejandro Fadel
Amazônia Groove, de Bruno Murtinho
Operação Overlord, de Julius Avery
Imagine, de John Lennon e Yoko Ono
Buddies, de Arthur J. Bressan Jr.
The Cleaners, de Hans Block e Moritz Riesewieck
Obscuro Barroco, de Evangelia Kranioti
Alterscape, de Serge Levin

FILM DOC

Hal Ashby (Hal), de Amy Scott
Be Natural: A História Não Contada da Primeira Cineasta do Mundo (Be natural: the untold story of Alice Guy-Blaché), de Pamela B. Green
Os Olhos de Orson Welles (The Eyes of Orson Welles), de Mark Cousins
Friedkin Uncut, de Francesco Zippel

Foto: Divulgação.

Gotham Awards 2018: conheça os indicados

por: Cinevitor

mostra2018Emma Stone em cena de A Favorita, de Yorgos Lanthimos.

Foram anunciados nesta quinta-feira, 18/10, os indicados ao 28º Gotham Awards, um dos principais prêmios do cinema independente, organizado pela IFP (Independent Filmmaker Project), que dá início à temporada de premiações. Neste ano, A Favorita, drama dirigido pelo cineasta grego Yorgos Lanthimos, se destaca com duas indicações e um prêmio especial para suas três atrizes: Olivia Colman, Rachel Weisz e Emma Stone.

Os candidatos são selecionados por comitês de críticos de cinema, jornalistas e curadores de festivais. Júris distintos, compostos por roteiristas, diretores, atores, produtores e editores escolhem os vencedores, que serão anunciados no dia 26 de novembro, em Nova York.

Além dos indicados, também foram anunciados os homenageados deste ano: o Gotham Tributes será entregue para Rachel Weisz, Willem Dafoe e Paul Greengrass; o produtor Jon Kamen receberá o Gotham Industry Tribute.

Confira a lista completa com os indicados ao Gotham Awards 2018:

MELHOR FILME:
A Favorita (The Favourite), de Yorgos Lanthimos
A Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline)
, de Josephine Decker
First Reformed, de Paul Schrader
If Beale Street Could Talk, de Barry Jenkins
The Rider, de Chloé Zhao

MELHOR DOCUMENTÁRIO:
Bisbee ’17, de Robert Greene
Hale County This Morning, This Evening, de RaMell Ross
Minding the Gap, de Bing Liu
Shirkers, de Sandi Tan
Won’t You Be My Neighbor?, de Morgan Neville

MELHOR DIREÇÃO REVELAÇÃO | PRÊMIO BINGHAM RAY:
Ari Aster, por Hereditário
Bo Burnham, por Eighth Grade
Boots Riley, por Sorry to Bother You
Crystal Moselle, por Skate Kitchen
Jennifer Fox, por O Conto (The Tale)

MELHOR ROTEIRO:
A Favorita, escrito por Deborah Davis e Tony McNamara
First Reformed, escrito por Paul Schrader
Private Life, por Tamara Jenkins
Support the Girls, escrito por Andrew Bujalski
Thoroughbreds, escrito por Cory Finley

MELHOR ATOR:
Adam Driver, por Infiltrado na Klan
Ben Foster, por Leave No Trace
Ethan Hawke, por First Reformed
Lakeith Stanfield, por Sorry to Bother You
Richard E. Grant, por Poderia Me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)

MELHOR ATRIZ:
Glenn Close, por The Wife
Kathryn Hahn, por Private Life
Michelle Pfeiffer, por Where is Kyra?
Regina Hall, por Support the Girls
Toni Collette, por Hereditário

MELHOR ATOR/ATRIZ REVELAÇÃO:
Elsie Fisher, por Eighth Grade
Helena Howard, por Madeline’s Madeline
KiKi Layne, por If Beale Street Could Talk
Thomasin Harcourt McKenzie, por Leave No Trace
Yalitza Aparicio, por Roma

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI:
Olivia Colman, Rachel Weisz e Emma Stone, por A Favorita

MELHOR SÉRIE | LONGA:
Alias Grace (Netflix)
Big Mouth (Netflix)
The End of the F***ing World (Netflix)
Killing Eve (BBC America)
Pose (FX Networks)
Sharp Objects (HBO)

MELHOR SÉRIE | CURTA:
195 Lewis
Cleaner Daze
Distance
The F Word
She’s the Ticket

Foto: Divulgação/Fox Film do Brasil.

Confira o trailer de Um Homem Comum, com Ben Kingsley, que estreia em novembro

por: Cinevitor

umhomemcomumtrailerBen Kingsley interpreta um general no filme.

Escrito e dirigido por Brad Silberling, de Cidade dos Anjos e Desventuras em Série, Um Homem Comum, protagonizado por Ben Kingsley, chega aos cinemas no dia 22 de novembro com distribuição da A2 Filmes e a Mares Filmes.

No longa, um criminoso de guerra e procurado mundo afora, um general que vive escondido há anos será transferido para outro lugar. Nesse novo esconderijo, ele conhece Tanja, sua nova camareira, e um estranho relacionamento surge entre eles, já que ambos possuem passados misteriosos. Aos poucos, o general e a camareira começam a se conhecer e mais detalhes sobre as vidas de ambos vêm à tona.

Quando a calmaria parecia estar se estabelecendo na vida do general, a camareira lê a notícia de que há uma recompensa milionária para quem souber onde o fugitivo está. Preocupado com a segurança da garota, o atormentado homem acredita que a solução será enfrentar o passado e voltar para casa, mesmo que isso custe sua vida.

O elenco conta também com Hera Hilmar, Peter Serafinowicz, Robert Blythe, Milorad Kapor, Edmund Kingsley e Bojan Bajcetic.

Confira, em primeira mão no CINEVITOR, o trailer de Um Homem Comum:

Foto: Divulgação.

Oscar 2019: 87 países disputam o prêmio de melhor filme estrangeiro

por: Cinevitor

brunacircooscar2019Bruna Linzmeyer em O Grande Circo Místico: representante brasileiro.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou nesta segunda-feira, 08/10, a lista oficial com os filmes elegíveis que estão na disputa pela estatueta dourada de melhor filme estrangeiro no Oscar 2019.

Neste ano, 87 países foram classificados, entre eles, Malawi e Níger, candidatos pela primeira vez. Em dezembro, antes do anúncio final dos indicados, a Academia reduz essa lista para nove longas. Desse grupo saem os cinco finalistas que serão apresentados no dia 22 de janeiro. A cerimônia está marcada para o dia 24 de fevereiro, em Los Angeles; o Brasil está na disputa com O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, que foi exibido no Festival de Cannes deste ano.

Vale lembrar que, desde 1961, quando o Brasil se inscreveu pela primeira vez ao prêmio de melhor filme estrangeiro do Oscar, com A Morte Comanda o Cangaço, de Carlos Coimbra e Walter Guimarães Motta, o cineasta Cacá Diegues é o recordista em inscrições, com seis obras, porém sem indicações: Xica da Silva, Bye Bye Brasil, Um Trem para as Estrelas, Dias Melhores Virão, Tieta do Agreste e Orfeu.

Confira a lista completa com os 87 filmes estrangeiros candidatos ao Oscar 2019:

AFEGANISTÃO: Rona, Madar-e Azim (Rona, Azim’s Mother), de Jamshid Mahmoudi
ALEMANHA: Werk ohne Autor (Never Look Away), de Florian Henckel von Donnersmarck
ÁFRICA DO SUL: Sew the Winter to My Skin, de Jahmil X.T. Qubeka
ARGÉLIA: Ila akher ezaman (Until the End of Time), de Yasmine Chouikh
ARGENTINA: El Ángel, de Luis Ortega
ARMÊNIA: Spitak, de Aleksandr Kott
AUSTRÁLIA: Jirga, de Benjamin Gilmour
ÁUSTRIA: A Valsa De Waldheim (Waldheims Walzer), de Ruth Beckermann
BANGLADESH: No Bed of Roses, de Mostofa Sarwar Farooki
BÉLGICA: Girl, de Lukas Dhont
BOLÍVIA: The Goalkeeper, de Rodrigo Gory Patiño
BÓSNIA E HERZEGOVINA: Never Leave Me, de Aida Begic
BRASIL: O Grande Circo Místico, de Carlos Diegues
BULGÁRIA: Vezdesushtiyat (Omnipresent), de Ilian Djevelekov
CAMBOJA: Túmulos Sem Nome (Les tombeaux sans noms), de Rithy Pahn
CANADÁ: Chien de garde (Family Ties), de Sophie Dupuis
CAZAQUISTÃO: Ayka, de Sergei Dvortsevoy
CHILE: Y de Pronto el Amanecer (And suddenly the dawn), de Silvio Caiozzi
CHINA: Hidden Man, de Jiang Wen
COLÔMBIA: Pájaros de Verano (Birds of Passage), de Cristina Gallego e Ciro Guerra
COREIA DO SUL: Em Chamas (Beoning/Burning), de Chang-Dong Lee
COSTA RICA: Medea, de Alexandra Latishev Salazar
CROÁCIA: Osmi povjerenik (The Eight Commissioner), de Ivan Salaj
DINAMARCA: Culpa (Den skyldige/The Guilty), de Gustav Möller
EQUADOR: A Son of Man, de Jamaicanoproblem
EGITO: Yomeddine, de Abu Bakr Shawky
ESLOVÁQUIA: O Intérprete (The Interpreter), de Martin Šulík
ESLOVÊNIA: Ivan, de Janez Burger
ESPANHA: Campeones (Champions), de Javier Fesser
ESTÔNIA: Võta või jäta (Take It or Leave It), de Liina Trishkina-Vanhatalo
FILIPINAS: Signal Rock, de Chito S. Roño
FINLÂNDIA: Armomurhaaja (Euthanizer), de Teemu Nikki
FRANÇA: La douleur (Memoir of War), de Emmanuel Finkiel
GEÓRGIA: Namme, de Zaza Khalvashi
GRÉCIA: Polyxeni, de Dora Masklavanou
HONG KONG: Hong hai xing dong (Operation Red Sea), de Dante Lam
HOLANDA: Bankier van het Verzet (The Resistance Banker), de Joram Lürsen
HUNGRIA: Napszállta (Sunset), de László Nemes
IÊMEN
: 10 Days Before the Wedding, de Amr Gamal
ÍNDIA: Village Rockstars, de Rima Das
INDONÉSIA: Marlina the Murderer in Four Acts, de Mouly Surya
IRÃ: Sem Data, Sem Assinatura (Bedoone Tarikh, Bedoone Emza), de Vahid Jalilvand
IRAQUE: The Journey, de Mohamed Jabarah Al-Daradji
ISLÂNDIA: Uma Mulher em Guerra (Kona fer í stríð), de Benedikt Erlingsson
ISRAEL: The Cakemaker, de Ofir Raul Graizer
ITÁLIA: Dogman, de Matteo Garrone
JAPÃO: Assunto de Família (Manbiki kazoku/Shoplifters), de Hirokazu Kore-eda
KOSOVO: The Marriage, de Blerta Zeqiri
LETÔNIA: Turpinajums (To Be Continued), de Ivars Seleckis
LÍBANO: Capernaum (Capharnaüm), de Nadine Labaki
LITUÂNIA: Wonderful Losers: A Different World, de Arunas Matelis
LUXEMBURGO: Gutland, de Govinda Van Maele
MACEDÔNIA
: O Ingrediente Secreto (Iscelitel), de Gjorce Stavreski
MALAWI
: The Road to Sunrise, de Shemu Joyah
MARROCOS: Burnout, de Nour Eddine Lakhmari
MÉXICO: Roma, de Alfonso Cuarón
MONTENEGRO: Iskra, de Gojko Berkuljan
NEPAL: Panchayat, de Shivam Adhikari
NÍGER
Zin’naariya! (The Wedding Ring), de Rahmatou Keïta
NORUEGA: Hva vil folk si (What Will People Say), de Iram Haq
NOVA ZELÂNDIA: Yellow is Forbidden, de Pietra Brettkelly
PALESTINA: Ghost Hunting, de Raed Andoni
PANAMÁ: Ruben Blades Is Not My Name, de Abner Benaim
PAQUISTÃO: Cake, de Asim Abbasi
PARAGUAI: As Herdeiras (Las herederas), de Marcelo Martinessi
PERU: Winaypacha (Eternity), de Oscar Catacora
POLÔNIA: Guerra Fria (Zimna wojna/Cold War), de Pawel Pawlikowski
PORTUGAL: Peregrinação, de João Botelho
QUÊNIA: Supa Modo, de Likarion Wainaina
REINO UNIDO: I Am Not a Witch, de Rungano Nyoni
REPÚBLICA CHECA: Vsechno bude (Winter Flies), de Olmo Omerzu
REPÚBLICA DE BELARUS: Khrustal (Crystal Swan), de Darya Zhuk
REPÚBLICA DOMINICANA: Cocote, de Nelson Carlo de Los Santos Arias
ROMÊNIA: Eu Não Me Importo Se Entrarmos Para A História Como Bárbaros (Îmi este indiferent daca în istorie vom intra ca barbari), de Radu Jude
RÚSSIA: Sobibor, de Konstantin Khabenskiy
SÉRVIA: Izgrednici (Offenders), de Dejan Zecevic
SINGAPURA: Buffalo Boys, de Mike Wiluan
SUÉCIA: Gräns (Border), de Ali Abbasi
SUÍÇA: Eldorado, de Markus Imhoof
TAIWAN: The Great Buddha +, de Hsin-yao Huang
TAILÂNDIA: Malila: A Flor Do Adeus (Malila: The Farewell Flower), de Anucha Boonyawatana
TUNÍSIA: Aala Kaf Ifrit (Beauty and the Dogs), de Kaouther Ben Hania
TURQUIA: A Árvore Dos Frutos Selvagens (Ahlat Agaci), de Nuri Bilge Ceylan
UCRÂNIA: Donbass, de Sergey Loznitsa
URUGUAI: Uma Noite de 12 anos (La noche de 12 años), de Álvaro Brechner
VENEZUELA: A Família (La familia), de Gustavo Rondón Córdova
VIETNÃ: Co Ba Sai Gon (The Tailor), de Kay Nguyen e Buu Loc Tran

Foto: Divulgação/Globo Filmes.

42ª Mostra de São Paulo: conheça os filmes selecionados, homenageados e destaques da programação

por: Cinevitor

cuaronmostra1A atriz mexicana Yalitza Aparicio em Roma, de Alfonso Cuarón: filme de encerramento.

A 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo acontecerá entre os dias 18 e 31 de outubro. Durante duas semanas, serão exibidos mais de 300 títulos de variados países e diversas cinematografias. Os filmes serão apresentados em mais de 30 lugares entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista, incluindo exibições gratuitas e ao ar livre, e também em Campinas.

Neste ano, o filme de abertura será A Favorita (The Favourite), de Yorgos Lanthimos, vencedor do Grande Prêmio do Júri e da Coppa Volpi de melhor atriz para Olivia Colman no Festival de Veneza. O drama Roma, do cineasta mexicano Alfonso Cuarón, vencedor do Leão de Ouro em Veneza, será o filme de encerramento.

O cineasta japonês Hirokazu Kore-eda será homenageado com o Prêmio Humanidade. O trabalho mais recente do diretor, Assunto de Família, que recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes deste ano, será exibido na programação. Outro Prêmio Humanidade será concedido a Drauzio Varella antes da exibição da cópia restaurada de Pixote: A Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco. A projeção do curta Conversa com Ele, de Bárbara Paz, antecede a sessão; Drauzio também participa da mesa Da Vida à Palavra; Da Palavra à Imagem, no II Fórum Mostra.

emmastoneafavoritaEmma Stone em A Favorita, do cineasta grego Yorgos Lanthimos: filme de abertura.

Como de costume, a seleção de títulos da 42ª Mostra de São Paulo apresenta filmes premiados em importantes festivais internacionais. Do Festival de Cannes, serão exibidos: o americano Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman), de Spike Lee, vencedor do Grande Prêmio do Júri e também prêmio do público no Festival de Locarno; 3 Faces (Se rokh), de Jafar Panahi, premiado como melhor roteiro e que será homenageado na Mostra com o Prêmio Leon Cakoff; o drama francês Sofia, de Meryem Benm’Barek-Aloïsi, melhor roteiro na mostra Un Certain Regard; Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, uma coprodução entre Portugal, Brasil e França, vencedora do Grande Prêmio da Semana da Crítica; o drama francês Selvagem (Sauvage), de Camille Vidal-Naquet, exibido na Semana da Crítica, que rendeu o Prêmio Revelação para o ator Félix Maritaud e foi indicado a Queer Palm; e o drama indiano A Costureira dos Sonhos (Sir), de Rohena Gera, também exibido na Semana da Crítica e vencedor do prêmio Gan Foundation Support for Distribution.

Filmes premiados no Festival de Berlim também fazem parte da programação, como: Não Me Toque (Touch Me Not), de Adina Pintilie, vencedor do Urso de Ouro; o drama policial Museu (Museo), do cineasta mexicano Alonso Ruizpalacios, com Gael García Bernal e vencedor do Urso de Prata de melhor roteiro; o francês A Prece (La prière), de Cédric Kahn, que rendeu o Leão de Prata de melhor ator para Anthony Bajon; a comédia dramática polonesa O Rosto (Twarz), de Malgorzata Szumowska, vencedora do Grande Prêmio do Júri; o peruano Retablo, de Alvaro Delgado Aparicio, vencedor do Prêmio Newcomer de melhor primeiro filme no Teddy Award; A Valsa De Waldheim (Waldheims Walzer), de Ruth Beckermann, Prêmio Glashütte de melhor documentário original; o documentário O Silêncio dos Outros (The Silence of Others), de Robert Bahar e Almudena Carracedo, vencedor do prêmio do público da mostra Panorama; o documentário argentino Teatro de Guerra, de Lola Arias, vencedor do Prêmio C.I.C.A.E. e exibido em San Sebastián.

apreceberlimmostraAnthony Bajon em A Prece: prêmio de melhor ator em Berlim.

Do Festival de Veneza, destacam-se: o drama José, da Guatemala, de Li Cheng, vencedor da Queer Lion; o novo trabalho do cineasta Andrew Haigh, A Rota Selvagem (Lean on Pete), que rendeu o Prêmio Marcello Mastroianni de Ator em Ascensão para Charlie Plummer; o drama francês Amanda, de Mikhaël Hers, vencedor do Prêmio Magic Lantern; a comédia dramática turca O Anúncio (Anons), de Mahmut Fazil Coskun, vencedora do Prêmio Especial do Júri na mostra Orizzonti; e o documentário O que Você Irá Fazer Quando o Mundo Estiver em Chamas? (What You Gonna Do When the World’s on Fire?), vencedor do Prêmio UNICEF, entre outros.

Premiados no Festival de Sundance também marcam presença na programação, entre eles, o drama O Mau Exemplo de Cameron Post (The Miseducation of Cameron Post), de Desiree Akhavan, com Chloë Grace Moretz, vencedor do Grande Prêmio do Júri. Desta seleção, destacam-se diversos documentários, como: Winnie, de Pascale Lamche, sobre Winnie Madikizela Mandela, vencedor do prêmio de melhor direção da World Cinema Documentary no ano passado; Genesis 2.0, de Christian Frei e Maxim Arbugaev, vencedor do Prêmio Especial do Júri de melhor fotografia da Competição Internacional; Isto é um Lar: Uma História de Refugiados (This Is Home: A Refugee Story), de Alexandra Shiva, vencedor do prêmio do público da mostra World Cinema Documentary; e Sobre Pais e Filhos (Of Fathers and Sons), de Talal Derki, vencedor do Grande Prêmio do Júri da Competição Internacional.

chloemostraForrest Goodluck, Sasha Lane e Chloë Grace Moretz em O Mau Exemplo de Cameron Post.

Do Festival de Locarno, mais filmes premiados na 42ª Mostra, como: Uma Terra Imaginada (A Land Imagined), de Siew Hua Yeo, vencedor do Leopardo de Ouro; O Hotel às Margens do Rio (Hotel by the River), de Hong Sang-soo, prêmio de melhor ator para Joo-Bong Ki; o drama inglês Ray & Liz, de Richard Billingham, que recebeu Menção Especial do Júri; e o chileno Tarde para Morrer Jovem (Tarde Para Morir Joven), uma coprodução entre Brasil e outros países, da cineasta Dominga Sotomayor Castillo, vencedora do prêmio de melhor direção.

Vencedores do Festival de Roterdã também foram selecionados, entre eles: o palestino Os Relatórios Sobre Sarah e Saleem, de Muayad Alayan, vencedor do Prêmio do Público e do Prêmio Especial do Júri para o roteirista Rami Musa Alayan; o drama indiano O Vendedor de Pulseiras (Balekempa), de Ere Gowda, vencedor do Prêmio FIPRESCI; o polonês Nina, de Olga Chajdas, vencedor do Prêmio Big Screen de melhor filme; e o drama dinamarquês O Retorno (The Return), de Malene Choi, Menção Especial da mostra Bright Future.

A seleção ainda apresenta a comédia uruguaia Tragam a Maconha (Traigan la hierba), de Denny Brecher, Alfonso Guerrero e Marcos Hecht, premiada no Santa Barbara International Film Festival; Ága, de Milko Lazarov, melhor filme no Sarajevo Film Festival; o suspense argentino Vermelho Sol (Rojo), uma coprodução entre Brasil e outros países, que recebeu a Concha de Prata de melhor direção para Benjamín Naishtat, melhor ator para Darío Grandinetti e Prêmio do Júri de melhor fotografia no Festival de San Sebástian; o italiano O Segredo de Nápoles, de Ferzan Ozpeteck, que será júri desta edição da Mostra, e rendeu o prêmio de melhor atriz para Giovanna Mezzogiorno no Moscow International Film Festival.

O documentário Las Sandinistas!, de Jenny Murray, que recebeu Menção Especial no SXSW Film Festival; A Terceira Esposa (The Third Wife), de Ash Mayfair, vencedor do Prêmio NETPAC no Festival de Toronto e exibido em San Sebastián; o drama Fuga, de Agnieszka Smoczynska, melhor filme no Polish Film Festival e exibido na Semana da Crítica em Cannes; o argentino El Motoarrebatador, de Agustín Toscano, exibido em San Sebastián e premiado no Santiago International Film Festival; o drama Limonada (Lemonade), vencedor do prêmio de melhor direção para Ioana Uricaru no Festival de Sarajevo e exibido em Berlim; o drama inglês Obediência (Obey), de Jamie Jones, vencedor do prêmio de melhor fotografia no Festival de Tribeca.

tardemorrerjovemmostraMatías Oviedo e Demian Hernández no chileno Tarde para Morrer Jovem.

Completam a programação: a comédia dramática Querido Ex (Dear Ex), de Chih-Yen Hsu e Mag Hsu, de Taiwan, vencedor de diversos prêmios no Taipei Film Festival, entre eles, o de melhor filme segundo o público; a comédia musical Sem Amor (Unlovable), de Suzi Yoonessi, com John Hawkes e Melissa Leo, que recebeu Menção Especial no SXSW Film Festival; a comédia dramática Thunder Road, de Jim Cummings, vencedora do Grande Prêmio do Júri no SXSW Film Festival; o documentário 3 Dias em Quiberon (3 Tage in Quiberon), de Emily Atef, sobre a atriz Romy Schneider, vencedor de vários prêmios no German Film Awards e exibido no Festival de Berlim; A Carga (Teret), de Ognjen Glavonic, exibido na Quinzena dos Realizadores em Cannes e no Sarajevo Film Festival, onde rendeu o prêmio de melhor ator para Leon Lucev; o drama Ava, uma coprodução entre Irã, Canadá e Qatar, dirigida por Sadaf Foroughi, vencedora do Prêmio FIPRESCI da mostra Discovery no Festival de Toronto do ano passado; o drama De Pai para Filho (Father to Son), de Taiwan e dirigido por Ya-chuan Hsiao, premiado no Taipei Film Festival e exibido em Roterdã; e a animação Na Estrada da Felicidade (On Happiness Road), da cineasta Hsin Yin Sung, grande vencedora do Taipei Film Festival.

Além dos filmes premiados, a seleção da 42ª Mostra de São Paulo também apresenta outros diversos longas exibidos nestes importantes festivais, como: Imagem e Palavra (Le livre d’image), de Jean-Luc Godard, exibido em Cannes, onde o diretor recebeu uma Palma de Ouro Especial; a comédia dramática Doubles vies, do cineasta francês Olivier Assayas, com Guillaume Canet e Juliette Binoche, exibido nos festivais de Veneza e Toronto; o novo filme do premiado cineasta chinês Jia Zhangke, o drama Amor até às Cinzas (Jiang hu er nv), exibido na Competição Oficial do Festival de Cannes; o argentino La Quietud, de Pablo Trapero, com Bérénice Bejo e Edgar Ramírez, exibido em Veneza; A Caótica Vida de Nada Kadic (Kaoticni Zivot Nade Kadic), de Marta Hernaiz Pidal, exibido no Festival de Berlim.

binochemostraJuliette Binoche em Doubles vies, de Olivier Assayas.

E mais: o novo filme da cineasta francesa Mia Hansen-Løve, o drama Maya, exibido no Festival de Toronto; o drama Nuestro Tiempo, do cineasta mexicano Carlos Reygadas, exibido em Veneza e na mostra Horizontes de San Sebastián; o russo Verão (Leto), de Kirill Serebrennikov, exibido na Competição Oficial de Cannes; Alemanha: Um Conto de Inverno (Wintermärchen), de Jan Bonny, exibido em Locarno; Almas Mortas (Dead Souls), de Wang Bing, exibido em Cannes, assim como o espanhol The Man Who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam; o drama espanhol Carmen y Lola, de Arantxa Echevarria, exibido na Quinzena dos Realizadores; o documentário Cassandro, the Exotico!, de Marie Losier, indicado a Queer Palm, em Cannes, e exibido no Hamburg Film Festival; o drama As Ceifadeiras (Die Stropers), de Etienne Kallos, exibido na mostra Un Certain Regard, em Cannes.

A seleção segue com o drama sueco O Imóvel (Toppen av ingenting), de Måns Månsson e Axel Petersén, indicado ao Urso de Ouro em Berlim; o documentário Caubóis Fantasmas (Phantom Cowboys), de Daniel Patrick Carbone, exibido no Tribeca Film Festival; a comédia francesa Cléo & Paul (Allons enfants), de Stéphane Demoustier, exibida em Berlim; o documentário Ceres, de Janet Van den Brand, exibido no Festival de Berlim; o drama policial Holiday, de Isabella Eklöf, exibido em Sundance; o novo filme de Kim Ki-duk, o drama Humano, Espaço, Tempo e Humano (Inkan, gongkan, sikan grigo inkan), exibido em Berlim; Eu Sou Tempesta (Io sono Tempesta), do italiano Daniele Luchetti, exibido em Cannes.

O documentário Kusama: Infinito (Kusama: Infinity), de Heather Lenz, sobre a artista Yayoi Kusama e exibido em Sundance; o drama francês Meu Tecido Preferido (Mon tissu préféré), de Gaya Jiji, exibido na mostra Un Certain Regard, em Cannes; o novo filme do cineasta francês David Oelhoffen, o suspense Inimigos Íntimos (Frères ennemis), exibido no Festival de Veneza; o drama egípcio Rosas Venenosas (Poisonous Roses), de Fawzi Saleh, exibido em Roterdã.

quixotemostraAdam Driver e Jonathan Pryce em The Man Who Killed Don Quixote.

Outros títulos exibidos em grandes festivais completam a seleção, como: a comédia dramática Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?), de Marielle Heller, com Melissa McCarthy e Richard E. Grant, exibido em Toronto; o drama Wildlife, primeiro filme do ator Paul Dano como diretor e que foi exibido nos festivais de Cannes, Sundance e Toronto; o drama alemão O Nome do Meu Irmão é Robert e Ele é um Iidota (Mein Bruder heißt Robert und ist ein Idiot), indicado ao Urso de Ouro em Berlim; o documentário Chris, o Suíço (Chris the Swiss), de Anja Kofmel, exibido na Semana da Crítica, em Cannes; o drama queniano Rafiki, de Wanuri Kahiu, exibido na mostra Un Certain Regard, em Cannes; o documentário Heroínas Silenciosas (Quiet Heroes), de Jenny Mackenzie, Jared Ruga e Amanda Stoddard, exibido no Festival de Sundance; o terror argentino Muere, monstruo, muere, de Alejandro Fadel, exibido na mostra Un Certain Regard; o documentário O Homem que Roubou Banksy (The Man Who Stole Banksy), de Marco Proserpio, exibido no Festival de Tribeca; o drama cazaque O Rio (Ozen), de Emir Baigazin, exibido na mostra Plataforma em Toronto e na mostra Orizzonti de Veneza.

Também destacam-se nesta 42ª edição da Mostra: o drama Grass, de Hong Sang-soo, exibido em Berlim; A Doce Indiferença do Mundo (Laskovoe bezrazlichie mira), de Adilkhan Yerzhanov, exibido na mostra Un Certain Regard, em Cannes; o documentário Westwood: Punk, Ícone, Activista (Westwood: Punk, Icon, Activist), de Lorna Tucker, sobre a estilista Vivienne Westwood, exibido no Festival de Sundance; o drama belga Seguir em Frente (Continuer), de Joachim Lafosse, exibido em Veneza; o documentário Procurando por Ingmar Bergman (Ingmar Bergman – Vermächtnis eines Jahrhundertgenies), de Margarethe von Trotta, Felix Moeller e Bettina Böhler, exibido na mostra Cannes Classics; o suspense norueguês Utøya – 22 de julho (Utøya 22. juli), de Erik Poppe, indicado ao Urso de Ouro em Berlim; o documentário O Preço de Tudo (The Price of Everything), de Nathaniel Kahn, exibido em Sundance; e Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique (Train de vies ou les voyages d’Angélique), novo filme de Paul Vecchiali, que foi homenageado com o Prêmio Leon Cakoff na Mostra do ano passado.

pauldanomostra42Carey Mulligan e Jake Gyllenhaal em Wildlife, de Paul Dano.

A seleção de filmes da 42ª Mostra de São Paulo também traz 19 obras já indicadas por seus respectivos países para concorrerem a uma vaga ao Oscar de melhor filme estrangeiro: o brasileiro O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues; o mexicano Roma, de Alfonso Cuarón; o polonês Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski; o português Peregrinação, de João Botelho; o turco A Árvore Dos Frutos Selvagens (Ahlat Agaci), de Nuri Bilge Ceylan; o islandês Uma Mulher em Guerra (Kona fer í stríð), de Benedikt Erlingsson; o sul-coreano Em Chamas (Beoning/Burning), de Chang-Dong Lee; o eslovaco O Intérprete (The Interpreter), de Martin Šulík; o japonês Assunto de Família (Manbiki kazoku/Shoplifters), de Hirokazu Kore-eda.

O libanês Capernaum (Capharnaüm), de Nadine Labaki; o dinamarquês Culpa (Den skyldige), de Gustav Möller; o romeno Eu Não Me Importo Se Entrarmos Para A História Como Bárbaros (Îmi este indiferent daca în istorie vom intra ca barbari), de Radu Jude; o argentino El Ángel, de Luis Ortega; o cambojano Túmulos Sem Nome (Les tombeaux sans noms), de Rithy Pahn; o representante de Luxemburgo, Gutland, de Govinda Van Maele; o egípcio Yomeddine, de Abu Bakr Shawky; o macedônio O Ingrediente Secreto (Iscelitel), de Gjorce Stavreski; o tailandês Malila: A Flor Do Adeus (Malila: The Farewell Flower), de Anucha Boonyawatana; e o austríaco A Valsa De Waldheim (Waldheims Walzer), de Ruth Beckermann.

koreedamostra42filmeLily Franky, Miyu Sasaki e Sakura Andô em Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda.

Além da exibição do inédito A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier, a Mostra revisita a obra do diretor dinamarquês com sessões de outros três longas: Ondas do Destino, Europa e Elemento de um Crime. Além disso, a Mostra ainda vai apresentar os mais recentes filmes do cineasta israelense Amos Gitai: o curta Uma Carta para um Amigo em Gaza (A Letter to a Friend in Gaza) e o documentário Um Trem em Jerusalém (A Tramway in Jerusalem), ambos premiados em Veneza; e também o média-metragem A Casa (Bayit), de 1980, em sessão especial.

A 42ª Mostra homenageia o centenário do líder sul-africano Nelson Mandela com a exibição de quatro títulos, entre eles, o inédito O Estado Contra Mandela e os Outros (The State Against Mandela and the Others), de Gilles Porte e Nicolas Champeaux, exibido em Cannes. E mais: entre as obras latinas desta edição, que somam mais de 30, vale destacar dois títulos de Fernando Solanas, premiado cineasta argentino que estará presente durante o evento: La Hora de Los Hornos e o inédito Viaje A Los Pueblos Fumigados.

Neste ano, a Mostra de São Paulo conta com cerca de 90 títulos estrangeiros dirigidos por mulheres. Entre as diretoras com filmes na programação estão: Aïda Maigre-Touchet, com o documentário Canção de um Vidente (Les flâneries du voyant); Inka Achté, com Garotos que Gostam de Garotas (Boys Who Like Girls); Josephine Decker, com A Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline); Maria Alché, com Família Submersa (Familia sumergida); Mercedes Dominioni, com El Creador de Universos; entre outras.

umajacklarsUma Thurman em A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier.

A 42ª Mostra vai exibir cerca de 70 títulos brasileiros incluídos nas seções Apresentação Especial, Competição Novos Diretores e Perspectiva Internacional, entre eles: Rasga Coração, de Jorge Furtado; O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento; Deslembro, de Flávia Castro, exibido no Venice Days; Tinta Bruta, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, eleito o melhor filme de ficção no Teddy Award, em Berlim; Azougue Nazaré, de Tiago Melo, premiado em Roterdã; Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora, uma coprodução Brasil e Portugal, que recebeu o Prêmio Especial do Júri na mostra Un Certain Regard, em Cannes; o documentário Humberto Mauro, de André Di Mauro, exibido na mostra Venice Classics; Los Silencios, de Beatriz Seigner, premiado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e exibido na Quinzena dos Realizadores, em Cannes; o documentário Torre das Donzelas, de Susanna Lira; entre outros.

Os 20 anos de Central do Brasil, dirigido por Walter Salles e protagonizado por Fernanda Montenegro, que foi indicada ao Oscar de melhor atriz, serão comemorados com a exibição inédita no país da cópia restaurada do filme, com a presença do diretor e elenco principal. Também ganham sessão especial: a cópia restaurada de O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, e o longa O Bravo Guerreiro, de Gustavo Dahl, que comemoram 50 anos de lançamento; além de Feliz Ano Velho, de Roberto Gervitz, que completa 30 anos.

centraldobrasilmostra1Fernanda Montenegro e Vinicius de Oliveira em Central do Brasil: Urso de Ouro em Berlim.

Os 200 anos de Karl Marx, pensador responsável pelas bases teóricas do socialismo, serão lembrados pela Mostra e pelo Instituto Goethe com uma exibição especial da cópia restaurada da icônica série de Rainer Werner Fassbinder, Oito Horas Não São um Dia, de 1972. Além disso, marcam o bicentenário as exibições de outros sete títulos.

Outros destaques da programação deste ano: A Caixa de Pandora, de 1929, longa alemão dirigido por Georg Wilhelm Pabst, que será projetado na área externa do Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer com acompanhamento da Orquestra Jazz Sinfônica. A tradicional programação apresentada no Vão Livre do Masp incluirá títulos como As Canções, de Eduardo Coutinho, Ópera do Malandro, de Ruy Guerra, e Invictus, de Clint Eastwood, que será exibido em homenagem ao centenário de Nelson Mandela. Os 30 anos do lançamento no Brasil do premiado Asas do Desejo, de Wim Wenders, serão comemorados com uma exibição da cópia restaurada do longa.

Para mais informações sobre a 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, clique aqui.

Fotos: Divulgação.

Festival do Rio 2018: conheça os filmes brasileiros selecionados

por: Cinevitor

sombradopairio2018Julio Machado em A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida: selecionado.

O Festival do Rio 2018, que acontecerá entre os dias 1 e 11 de novembro, apresentará 84 produções brasileiras dos mais variados temas, de diferentes pontos do país e distribuídos por diversas mostras: 64 longas, incluindo coproduções, e 20 curtas, que serão exibidos em sessões de gala abertas ao público. O filme de encerramento desta 20ª edição será O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues.

Na Première Brasil, uma das mostras mais aguardadas e concorridas do Festival do Rio, serão exibidas produções (48 longas e 20 curtas) de diretores estreantes e consagrados. O público, através do voto popular, escolhe os vencedores do Troféu Redentor nas categorias de melhor filme de ficção, documentário e curta, e um júri oficial elege as demais categorias.

A mostra competitiva Novos Rumos, que se consolida como o espaço de diversas linguagens cinematográficas e novos diretores, vai exibir 7 longas e 7 curtas em sua seleção. A Mostra Retratos vai apresentar 11 longas, com recortes que registram de maneira singular personalidades e temas/assuntos relevantes na história do país.

O Festival do Rio também apresentará quatro grandes clássicos restaurados; filmes que mudaram, de forma incontestável, a percepção do cinema brasileiro no mundo inteiro: Central do Brasil, Pixote: A Lei do Mais Fraco, Rio 40 Graus e Rio Zona Norte.

Conheça os filmes brasileiros selecionados para o Festival do Rio 2018:

PREMIÈRE BRASIL | FICÇÃO:

A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida (SP)
A Terra Negra dos Kawa, de Sérgio Andrade (AM)
Azougue Nazaré, de Tiago Melo (PE)
Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora (MG)
Deslembro, de Flavia Castro (RJ)
Domingo, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa (RJ)
Morto Não Fala, de Dennison Ramalho (RS)
Nóis por Nóis, de Aly Muritiba e Jandir Santin (PR)
Tinta Bruta, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher (RS)

PREMIÈRE BRASIL | DOCUMENTÁRIO:

Clementina, de Ana Rieper (RJ)
Eleições, de Ana Riff (SP)
Gilda Brasileiro – Contra O Esquecimento, de Roberto Manhães Reis e Viola Scheuerer (ES)
Meu Nome é Daniel, de Daniel Gonçalves (RJ)
Relatos do Front, de Renato Martins (RJ)
Torre das Donzelas, de Susanna Lira (RJ)

COMPETIÇÃO NOVOS RUMOS:

El Último País, de Gretel Marín Palacio (GO)
Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicácio (BA)
Inferninho, de Pedro Diogenes e Guto Parente (CE)
Luna, de Cris Azzi (MG)
Mormaço, de Marina Meliande (RJ)
Para’i, de Vinicius Toro (SP)
Sócrates, de Alex Moratto (SP)

MOSTRA COMPETITIVA | CURTAS-METRAGENS:

A Retirada para um Coração Bruto, de Marco Antônio Pereira (MG)
À Tona, de Daniella Cronemberger (DF)
Antes que o Tempo me Esqueça, de Leo Goodgod e Paulo Rodrigues (MG)
Boi, de Lucas Bettim e Renan Carvalho (SP)
Gopi, de Viviane D’Avilla e Paulo Dimantas (RJ)
Mais Triste que Chuva num Recreio de Colégio, de Lobo Mauro (RJ)
Nomes que Importam, de Muriel Alves e Angela Donini (RJ)
O Órfão, de Carolina Markowicz (SP)
Preciso Dizer que te Amo, de Ariel Nobre (SP)
Princesa Morta do Jacuí, de Marcela Ilha Bordin (RS)
Universo Preto Paralelo, de Rubens Passaro (SP)
Você não me Conhece, de Rodrigo Séllos (RJ)

COMPETIÇÃO NOVOS RUMOS | CURTAS-METRAGENS:

Cadelas, de Rita Toledo (RJ)
Cascudos, de Igor Barradas (RJ)
Invasão Drag, de Rafael Ribeiro (RJ)
Jéssika, de Galba Gogóia (RJ)
Lembra, de Leonardo Martinelli (RJ)
Sempre Verei Cores no seu Cinza, de Anabela Roque (RJ)
Vigia, de João Victor Borges (RJ)

PREMIÈRE BRASIL | HORS CONCOURS | FICÇÃO:

Aconteceu na Quarta-Feira, de Domingos Oliveira (RJ)
Cine Holliudy 2 – A Chibata Sideral, de Halder Gomes (CE)
Correndo Atrás, de Jeferson De (RJ)
Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt (RJ/Portugal/França)
Intimidade Entre Estranhos, de José Alvarenja Jr. (RJ)
Los Silencios, de Beatriz Seigner (SP/França/Colômbia)
Rasga Coração, de Jorge Furtado (RS)
Sequestro Relâmpago, de Tata Amaral (SP)
Simonal, de Leandro Domingues (RJ)
Sueño Florianópolis, de Ana Katz (SP)
Uma Noite Não É Nada, de Alain Fresnot (SP)

PREMIÈRE BRASIL | HORS CONCOURS | DOCUMENTÁRIO:

Amazônia, o Despertar da Florestania, de Christiane Torloni e Miguel Przewodowski (RJ)
Excelentíssimos, de Douglas Duarte (RJ)
Humberto Mauro, de André Di Mauro (RJ)
THF: Aeroporto Central (Central Airport THF), de Karim Ainouz (SP/Alemanha/França)
Curta:
O Mundo é Redondo Para Ninguém se Esconder Nos Cantos – Parte I: Refúgio, de Leandro Goddinho

PREMIÈRE BRASIL | RETRATOS:

A Turma do Pererê.DOC, de Ricardo Favilla (RJ)
Angel Viana – Voando Com os Pés no Chão, de Cristina Leal (RJ)
Carvana, de Lulu Corrêa (RJ)
Filme Ensaio, de Maria Flor (RJ)
Marcia Haydée, de Daniela Kallmann (RJ)
Meu Samba É Meu Dom, de Cristiano Abud (MG)
Paulo Casé, de Paula Fiuza (RJ)
Rindo à Toa: Humor sem limites, de Cláudio Manoel, Alvaro Campos e Alê Braga (RJ)
Tá Rindo de Quê?, de Cláudio Manoel, Alvaro Campos e Alê Braga (RJ)
Rogéria, Senhor Astolfo Barroso Pinto, de Pedro Gui (RJ)
Zuza Homem de Jazz, de Janaina Dalri (RJ)

PREMIÈRE LATINA:

Família Submersa (Familia Sumergida), de María Alché (Argentina/Brasil/Alemanha/Noruega)
Happy Hour, de Eduardo Albergaria (Brasil/Argentina)
La Cama, de Mónica Lairana (Brasil/Argentina/Holanda/Alemanha)
Rojo, de Benjamin Naishtat (Argentina/Brasil/França/Alemanha/Holanda)
Tarde Para Morir Joven, de Dominga Sotomayor (Chile/Brasil/Argentina/Holanda/Qatar)

EXPECTATIVA:

Palace II – 3 Quartos com Vista para o Mar, de Rafael Machado e Gabriel Corrêa e Castro (RJ)
Pedro e Inês, de António Ferreira (Portugal/Brasil/França)

PANORAMA:

Cano Serrado, de Erik de Castro (RJ)
O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento (SP)

MIDNIGHT:

Personas Humanas (Humanpersons), de Frank Spano (Panamá/Brasil/Espanha)

MIDNIGHT DOCS:

Amazônia Groove, de Bruno Murtinho (RJ)
The Cleaners, de Hans Block e Moritz Riesewieck (Alemanha/Brasil)

CLÁSSICOS E CULTS:

Central do Brasil, de Walter Salles (1998)
Pixote: A Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco (1981)
Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos (1955)
Rio Zona Norte, de Nelson Pereira dos Santos (1957)

FILME  DE ENCERRAMENTO:

O Grande Circo Místico, de Carlos Diegues

Foto: Divulgação.

Duas Rainhas, com Margot Robbie e Saoirse Ronan, ganha trailer

por: Cinevitor

duasrainhastrailer1Traições e conspirações nas telonas!

O drama Duas Rainhas, no original Mary Queen of Scots, traz as indicadas ao Oscar Saoirse Ronan e Margot Robbie como Mary Stuart e Elizabeth I, respectivamente. Com estreia prevista para fevereiro de 2019, o longa acaba de ganhar seu primeiro trailer oficial.

Com direção de Josie Rourke, o filme explora a vida turbulenta de Mary Stuart. Rainha da França aos 16 anos e viúva aos 18, Mary luta contra a pressão de se casar novamente e, em vez disso, decide retornar ao seu país de origem para recuperar seu trono que está sob comando de Elizabeth I. Determinada, Mary afirma sua reivindicação de governar a Inglaterra ameaçando a soberania de Elizabeth.

Com roteiro de Beau Willimon, de House of Cards, o drama é baseado no livro Queen of Scots: The True Life of Mary Stuart, de John Guy. O elenco conta também com Jack Lowden, Joe Alwyn, Gemma Chan, Martin Compston, Ismael Cordova, Brendan Coyle, Ian Hart, Adrian Lester, James McArdle, David Tennant e Guy Pearce.

Confira o primeiro trailer de Duas Rainhas:

Foto: Divulgação/Universal Pictures.

42ª Mostra de São Paulo divulga destaques da programação e pôster assinado por Laurie Anderson

por: Cinevitor

jacklarsmostraspUma Thurman e Matt Dillon em A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier.

A programação completa da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontecerá entre os dias 18 e 31 de outubro, será anunciada em breve. Enquanto isso, algumas novidades já foram anunciadas. Uma delas é o cartaz desta edição: assinado pela artista multimídia norte-americana Laurie Anderson, que trabalha com tecnologia, música, cinema e performance.

Segundo a artista, o pôster do evento destaca “um espaço feito de palavras e imagens de palavras; é como caminhar para dentro de uma história e se tornar parte dela. É uma maneira de você poder andar dentro de livros e filmes e deixar eles serem parte de sua própria história”.

Já a instalação em realidade virtual abre o novo CineSesc Anexo. Batizada de Chalkroom (quarto de giz), a obra tem coautoria do artista taiwanês Hsin-Chien Huang e exibe uma gigantesca estrutura formada por palavras, em que, como sugere o nome, desenhos e histórias fraturadas vagam pelo ar, se formam, se desfazem e são recriadas como se fossem inscrições de giz em uma lousa. A cenografia da instalação é de Daniela Thomas e Felipe Tassara.

3facesmostraspBehnaz Jafari e Jafar Panahi em 3 Faces: destaque da Mostra.

Entre os filmes já anunciados, destacam-se: Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda, vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes; o novo filme de Paul Vecchiali, Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique (Train de vies ou les voyages d’Angélique), cineasta francês que foi homenageado com o Prêmio Leon Cakoff na Mostra do ano passado; o suspense Culpa (Den skyldige), de Gustav Möller, premiado nos festivais de Sundance e Roterdã e indicado da Dinamarca ao Oscar de melhor filme estrangeiro; o drama Sofia, de Meryem Benm’Barek-Aloïsi, vencedor do prêmio de melhor roteiro na mostra Un Certain Regard, em Cannes.

Outros filmes exibidos em Cannes também farão parte da Mostra, como: A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier; o drama Capharnaüm, de Nadine Labaki; Em Chamas (Beoning), de Chang-dong Lee, da Coreia do Sul, vencedor do Prêmio FIPRESCI; o romance musical Verão (Leto), de Kirill Serebrennikov; o drama 3 Faces (Se rokh), de Jafar Panahi, vencedor do prêmio de melhor roteiro; e Infiltrado na Klan, de Spike Lee, vencedor do Grande Prêmio do Júri.

Conheça outros filmes já confirmados para a 42ª Mostra de São Paulo:

Boys Who Like Girls (Miehen Malli), de Inka Achté
The Chaotic Life of Nada Kadic (Kaoticni Zivot Nade Kadic), de Marta Hernaiz Pidal
Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, de Eugène Green
O Estado Contra Mandela e os Outros (The State Against Mandela and the Others), de Nicolas Champeaux e Gilles Porte
Mochila de Chumbo (Mochila de Plomo), de Darío Mascambroni
Família Submersa (Familia Sumergida), de María Alche
Pedro e Inês: O Amor Não Descansa (Pedro e Inês), de António Ferreira
A Odisseia de Peter (Odysseya Petra), de Alexey Kuzmin-Tarasov e Anna Kolchina
El Creador de Universos, de Mercedes Dominioni
Um Noir nos Balcãs (A Balkan Noir), de Drazen Kuljanin
Um Buraco na Cabeça (Dziura w glowie), de Piotr Subbotko
Malila (Malila: The Farewell Flower), de Anucha Boonyawatana
A Peônia (La Pivoine), de Joaquin Breton
Rosas Selvagens (Dzikie róze), de Anna Jadowska
Julia e a Raposa (Julia y el Zorro), de Inés María Barrionuevo

Confira o pôster da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo:

mostrasp42poster

Fotos: Zentropa/Divulgação.