Cinevitor

Toda semana um novo programa sobre cinema, com os mais variados temas.

CINEVITOR #334: Entrevista com Beatriz Seigner e Enrique Diaz | Los Silencios

por: Cinevitor

lossilenciospgmcinevitor2Marleyda Soto e Enrique Diaz em cena.

Diretora do premiado Bollywood Dream – O Sonho Bollywoodiano, seu primeiro longa totalmente filmado na Índia, Beatriz Seigner rodou a ficção Los Silencios na fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia. O filme se passa em quatro níveis distintos do Rio Amazonas, o que fez a diretora e sua equipe se dividirem em barcos durante as filmagens, rodando sem chão sob os pés.

O longa, que já está em cartaz nos cinemas, conta a história de Amparo, interpretada por Marleyda Soto, que foge com seus filhos pequenos Núria, vivida por María Paula Tabares Peña, e Fabio, vivido por Adolfo Savinvino, do conflito armado colombiano e encontra o pai das crianças, papel de Enrique Diaz, que estava desaparecido, vivendo numa ilha povoada por fantasmas no Rio Amazonas, na fronteira entre a Colômbia, o Peru e o Brasil.

Los Silencios fez sua estreia na Quinzena dos Realizadores, no Festival de Cannes, e venceu o Stockholm Impact Award, na Suécia. Recebeu também uma Menção Honrosa da UNESCO, o prêmio honorário do Festival Internacional de Cinema de GOA, na Índia; melhor roteiro e o Prêmio Especial do Júri no Festival de Lima, no Peru; prêmio da Cooperação Espanhola no Festival de San Sebastián, na Espanha; melhor Contribuição Artística do Festival de Havana, em Cuba; melhor filme de guerra, no War in Cinema; Grande Prêmio do ICAE (Confederação dos Cinemas de Arte e Ensaio) e do Cine Junior, na França. Participou também de festivais em Israel, Canadá, Noruega, China e Venezuela.

No Brasil, conquistou os prêmios de melhor direção e melhor filme pela Abraccine, Associação Brasileira de Críticos de Cinema, no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; e de melhor roteiro, fotografia e som na Mostra Internacional de Cinema de São Luís. Também participou do Festival do Rio, da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, do Janela Internacional de Cinema, em Recife, Panorama Coisa de Cinema, em Salvador, Pachamama Cinema de Fronteira, em Rio Branco, e festivais no Maranhão e Foz do Iguaçu.

O filme foi destacado como uma das cinco produções brasileiras para ficar de olho pela revista Marché du Film, do Festival de Cannes, e considerado um dos 20 melhores do festival pela Hollywood Reporter, recebendo destaque nas principais revistas de cinema do mundo como a Cahiers du Cinéma, Screen International, Variety, entre outras.

Para falar mais sobre o longa, conversamos com a diretora Beatriz Seigner e com o ator Enrique Diaz sobre a ideia do projeto, preparação, filmagens e entrosamento da equipe.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Vitrine Filmes.

CINEVITOR #333: Entrevistas com Ingrid Guimarães + Julia Rezende + elenco | De Pernas Pro Ar 3

por: Cinevitor

ingridpernas3cinevitorIngrid Guimarães: sucesso nas telonas!

O aguardado De Pernas Pro Ar 3, terceiro filme da franquia estrelada por Ingrid Guimarães no papel da workaholic Alice Segretto, empresária de sucesso no ramo de Sex Shop, estreia nesta quinta-feira, 11/04. A produção, que nos outros dois filmes levou mais de 8 milhões de espectadores aos cinemas, agora é dirigida por Julia Rezende.

Na história, depois de conquistar NY, a marca Sexy Delícia é um sucesso internacional e agora aterrissa em Paris. Mas Alice decide se aposentar, passar o comando da empresa para sua mãe, Marion, vivida por Denise Weinberg, e ficar mais perto dos filhos e do marido, João, papel de Bruno Garcia. O que ela não esperava é que fosse surgir uma concorrente à altura, Leona, interpretada por Samya Pascotto­­­, com uma invenção tecnológica capaz de revolucionar o mercado e, pior, roubar o coração de seu filho, Paulinho, papel de Eduardo Melo. Alice se desdobra para não perder seu posto e, de quebra, tenta recompensar a filha caçula, Clarinha, vivida por Duda Batista, pela ausência.

Rodado no Rio e em Paris, De Pernas Pro Ar 3 tem roteiro de Marcelo Saback, René Belmonte e Ingrid Guimarães, com produção de Mariza Leão.

Para falar mais sobre o filme, fizemos três programas especiais. No primeiro, você confere o bate-papo com a protagonista Ingrid Guimarães, que, além de falar do filme, também relembrou momentos marcantes de sua carreira, como as peças Confissões de Adolescente e Cócegas e a novela Novo Mundo. Vale lembrar que Ingrid é a atriz brasileira mais vista nos cinemas atualmente, somando 21 milhões de pessoas que já viram seus filmes só nessa década. Na segunda parte, conversamos com Samya Pascotto e Eduardo Melo; e no terceiro programa, a diretora Julia Rezende e o ator Bruno Garcia comentam os bastidores da comédia.

Aperte o play e confira:

PARTE 1:
Entrevista com Ingrid Guimarães

PARTE 2:
Entrevista com Samya Pascotto e Eduardo Melo

PARTE 3:
Entrevista com Julia Rezende e Bruno Garcia

Foto: Divulgação.

CINEVITOR #332: Entrevista com Maria Fernanda Cândido e Carlos Gerbase | Bio – Construindo uma Vida

por: Cinevitor

fernandacandidobiocinevitorDepoimento: Maria Fernanda Cândido em cena.

Dirigido por Carlos Gerbase, Bio – Construindo uma Vida é uma ficção, mas utiliza a estrutura de um documentário para contar a vida de um homem surpreendente: um cientista que viveu mais de 110 anos. Para isso, o longa se vale de depoimentos de diversas pessoas que conviveram com ele, acompanhados de breves cenas que ilustram partes marcantes de sua trajetória.

O que aconteceria se um documentarista pudesse viajar no tempo e captar depoimentos sobre a vida de alguém ainda no calor dos acontecimentos, e não com aquele teor nostálgico de quem se recorda de fatos enterrados há muitos anos no passado? Bio responde essa pergunta propondo ao espectador uma narrativa fragmentada, mas muito emocional, sobre a longa e atribulada existência de um biólogo, que atravessa a segunda metade do século 20 e mergulha no século 21 com uma sede imensa de conhecimento sobre a vida em nosso planeta. Ou até fora dele.

Na trama, o espectador conhece esse ser humano único, que nunca aparece no filme, a partir de relatos de seus familiares, professores, amantes, amigos, colegas. Ao todo, o elenco reúne 39 atores, entre eles: Maria Fernanda Cândido, Maitê Proença, Marco Ricca, Werner Schünemann, Rosanne Mulholland, Sheron Menezzes, Tainá Müller, Bruno Torres, Branca Messina, entre outros.

O longa recebeu os prêmios de melhor filme pelo Júri Popular, Prêmio Especial do Júri pela Direção de Atores e de melhor desenho de som no Festival de Gramado. Também participou do Festival do Rio, da Mostra de São Paulo e do Festival de Punta del Este.

Para falar mais sobre o filme, que chega aos cinemas nesta quinta-feira, 04/04, conversamos com o diretor Carlos Gerbase e com a atriz Maria Fernanda Cândido durante a pré-estreia em São Paulo.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Bretz Filmes.

CINEVITOR #331: Entrevista com Leonardo Mouramateus e Mauro Soares | António Um Dois Três

por: Cinevitor

mauroantonio123cinevitorMauro Soares: ator português e protagonista.

Primeiro longa-metragem dirigido por Leonardo Mouramateus, António Um Dois Três já está em cartaz nos cinemas e conta as aventuras e desventuras de um jovem lisboeta que vive as dúvidas e inseguranças comuns dos jovens adultos na casa dos vinte anos. Uma coprodução entre Brasil e Portugal, o filme é inspirado no livro As Noites Brancas, de Dostoiévski, e explora as diferenças culturais entre os dois países.

Depois de sua estreia no Festival Internacional de Cinema de Roterdã, António Um Dois Três participou de diversos festivais pelo mundo como: BAFICI (Argentina), IndieLisboa (Portugal), Filmadrid (Espanha), Pesaro Film Festival (Itália), Taipei Film Festival (Taiwan), Filmfest Hamburg (Alemanha), Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Mostra Cinema e Resistência (Fortaleza), Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, entre outros.

No 23º Caminhos do Cinema Português, em Coimbra, foi premiado nas categorias de melhor filme, melhor filme da crítica e Prêmio Revelação para o ator Mauro Soares; no Crossing Europe Film Festival, na Áustria, ganhou como melhor filme.

Para falar mais sobre o longa, conversamos com o diretor e com o protagonista Mauro Soares. Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Olhar Distribuição.

CINEVITOR #330: Entrevista com Rodrigo Santoro | Edição Especial + O Tradutor

por: Cinevitor

santorotradutorcinevitorpgmO ator brasileiro em cena de O Tradutor: coprodução entre Cuba e Canadá.

Premiado nos festivais de Brasília, Cartagena, Havana, Recife, Sesc Melhores Filmes, Grande Prêmio do Cinema Brasileiro e vencedor do Troféu APCA, Rodrigo Santoro é um dos atores brasileiros mais aclamados de sua geração.

Realizou diversos trabalhos marcantes na TV brasileira, com papéis em novelas como Explode Coração, Suave Veneno e Mulheres Apaixonadas e na minissérie Hilda Furacão. Nos cinemas, é lembrado por suas atuações no premiado Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky; Abril Despedaçado, de Walter Salles; Carandiru, de Hector Babenco; A Dona da História, de Daniel Filho; Heleno, de José Henrique Fonseca; entre muitos outros.

O ator tem se destacado também fora do Brasil, em Hollywood e em outros países, com diversos trabalhos, como: As Panteras: Detonando, Simplesmente Amor, 300, O Golpista do AnoGolpe DuploBen-Hur. Além disso, ganhou reconhecimento com as séries Lost e Westworld e em junho deste ano aparecerá no longa Turma da Mônica: Laços.

Depois de ser homenageado no Festival de Gramado, em 2014, e no Cine PE – Festival Audiovisual, no ano passado, ele está de volta às telonas com o drama O Tradutor, filme dirigido pelos cubanos Rodrigo e Sebastián Barriuso e exibido no Festival de Sundance, que conta a história de um professor universitário de literatura russa que vê sua vida transformada ao ser designado como intérprete na ala infantil de um hospital cubano, que atende vítimas do acidente nuclear de Chernobyl.

Em entrevista ao CINEVITOR, Rodrigo Santoro falou com carinho sobre a produção cubana, que é baseada na vida do pai dos diretores, e relembrou, com emoção, alguns sucessos de sua carreira em um programa especial.

Além disso, também entrevistamos os diretores, que falaram sobre esta história familiar, a escolha do elenco e a importância dos festivais para um filme. Aperte o play e confira:

PARTE 1:
Entrevista com Rodrigo Santoro

PARTE 2:
Entrevista com Rodrigo e Sebastián Barriuso

Foto: Divulgação/Galeria Distribuidora.

CINEVITOR #329: Entrevistas com Leandro Hassum, Rafael Portugal, Caito Mainier e Carol Portes | Chorar de Rir

por: Cinevitor

chorarderirpgmcinevitorQuando a comédia encontra com o drama: Leandro Hassum em cena.

Leandro Hassum e Rafael Portugal disputam com muito humor o título de melhor comediante do Brasil em Chorar de Rir, longa-metragem que chega aos cinemas nesta quinta-feira, 21/03. Dirigido por Toniko Melo, o filme traz um grande elenco, reunindo comediantes e consagrados atores de diferentes gerações, plataformas e públicos, que fazem sucesso no cinema, TV, teatro e internet.

Na trama, Hassum é o famoso comediante Nilo Perequê, enquanto Rafael Portugal vive Jotapê Santana, seu maior rival, determinado a tomar o seu lugar. Enquanto nos palcos eles provocam gargalhadas na plateia, nos bastidores travam uma guerra intensa, e hilária, em busca do reconhecimento do público e da melhor piada.

O elenco conta também com Carol Portes, do programa Tá no Ar: a TV na TV, Caito Mainier, do Choque de Cultura, além de Monique Alfradique, Otávio Müller, Jandira Martini, Perfeito Fortuna, Natália Lage, Felipe RochaFulvio Stefanini e Mariana Loureiro. Ícones da cultura pop, Sérgio Mallandro e Sidney Magal, fazem participações especiais no longa.

Para falar mais sobre a comédia, conversamos com os atores Leandro Hassum, Rafael Portugal, Carol Portes e Caito Mainier em dois programas especiais.

Aperte o play e confira:

PARTE 1:
Entrevista com Leandro Hassum e Rafael Portugal

PARTE 2:
Entrevista com Carol Portes e Caito Mainier

Foto: Divulgação.

CINEVITOR #328: Entrevista com Wendel Bezerra, Lucas Veloso e Rafael Infante | O Parque dos Sonhos

por: Cinevitor

parquedossonhoscinevitorpgmOs dubladores na pré-estreia do filme com o personagem Boomer.

A animação O Parque dos Sonhos, que estreia nesta quinta-feira, 14/02, conta a história de um parque de diversões onde a imaginação de June, uma garota de 12 anos, ganha vida. Roteirizada por Josh Appelbaum e André Nemec, o longa conta com as vozes originais de Jennifer Garner, Matthew Broderick, John Oliver, Mila Kunis, Kenan Thompson, Ken Jeong, Norbert Leo Butz, Brianna Denski e Ken Hudson Campbell.

No Brasil, os atores Rafael Infante e Lucas Veloso são os dubladores oficiais da animação e dão voz a uma dupla de irmãos bem atrapalhada. Os castores Cooper e Gus são os responsáveis pela manutenção dos brinquedos do parque. A direção de dublagem é de Wendel Bezerra, um dos principais dubladores brasileiros, conhecido por interpretar as vozes dos icônicos Bob Esponja, Goku e Buddy Valastro.

Para falar mais sobre o longa e dublagens, conversamos com Wendel Bezerra, Lucas Veloso e Rafael Infante. Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Paramount Pictures.

CINEVITOR #327: Entrevista com Claudio Manoel, Alvaro Campos e Alê Braga | Tá Rindo de Quê?

por: Cinevitor

tarindodequecinevitorpgmPatricya Travassos em cena: uma das entrevistadas.

O documentário Tá Rindo de Quê? – Humor e Ditadura, dirigido por Claudio Manoel, Alvaro Campos e Alê Braga, aborda desde a precursora revista Pif Paf, criada por Millôr Fernandes, passando pelo Pasquim, que se consagraram com a irreverência crítica com que trataram a política, e vai até o grupo teatral cômico e anárquico Asdrúbal Trouxe o Trombone. Programas de TV como o primeiro seriado brasileiro de sucesso Família Trapo e os humorísticos de Chico Anysio, Jô Soares e Os Trapalhões também se destacam.

No período da ditadura militar, mesmo com toda a brutalidade, truculência e obscurantismo inerentes aos regimes de exceção, muita gente fez rir. O humor serviu como arma de resistência, mas também como válvula de escape; criou formas de driblar patrulhas e censuras, revolucionou linguagens, criou, debochou, divertiu, foi perseguido, proibido, encarcerado e, ainda bem, riu por último.

Para falar mais sobre o filme, que foi exibido no Festival do Rio, conversamos com os três diretores sobre a ideia do projeto, entrevistados, pesquisa e Rindo à toa – Humor Sem Limites, próximo filme do trio.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Bretz Filmes.

CINEVITOR #326: Entrevista com Gustavo Vinagre e Julia Katharine | Lembro Mais dos Corvos

por: Cinevitor

lembromaiscorvoscinevitorJulia Katharine em cena: protagonista premiada.

Protagonizado por Julia Katharine e dirigido por Gustavo VinagreLembro Mais dos Corvos já está em cartaz nos cinemas por meio do projeto Sessão Vitrine Petrobras. Em algumas sessões, após o longa, será exibido o curta-metragem Tea For Two, de Julia Katharine e estrelado por Gilda Nomacce, o que faz dele o primeiro filme dirigido por uma mulher trans que estreia em circuito comercial no Brasil.

Lembro Mais dos Corvos é um monólogo de uma personagem em uma noite de insônia que mistura documentário, ficção e improviso; é baseado em histórias da própria atriz e coisas que o diretor imaginava sobre sua vida. Já o curta-metragem Tea For Two, narra a história de um triângulo amoroso, e é o primeiro filme dirigido por Julia Katharine. Cinéfila apaixonada e atriz, escolheu a comédia dramática para seu primeiro exercício como diretora.

O longa participou de diversos festivais, como: IndieLisboa, Mix Brasil, Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Cinéma du Réel, entre outros. No ano passado, na Mostra de Cinema de Tiradentes, Julia Katharine levou o Prêmio Helena Ignez para destaque feminino.

Conversamos com o diretor e com a protagonista, que assina o roteiro ao lado de Vinagre, sobre a ideia dos filmes, a amizade entre eles, que já se conhecem há dez anos, e o futuro do cinema brasileiro.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Vitrine Filmes.

CINEVITOR #325: Entrevista com Miguel Falabella + Tom Cavalcante + Lucio Mauro Filho | Sai de Baixo – O Filme

por: Cinevitor

saidebaixopgmcinevitorElenco em cena: depois da TV, mais risadas nas telonas!

Baseado no clássico seriado da televisão brasileira que conquistou o público no horário nobre das noites de domingo na TV Globo, Sai de Baixo – O Filme chega aos cinemas nesta quinta-feira. Dirigido por Cris D’Amato, de S.O.S. Mulheres ao Mar e É Fada!, o longa é produzido por Daniel Filho, idealizador da sitcom, e mantém os integrantes de uma família de classe média paulista, sua empregada doméstica e o porteiro do prédio.

Os personagens icônicos como Caco Antibes, Magda e Ribamar, interpretados por Miguel Falabella, Marisa Orth e Tom Cavalcante, respectivamente, estão de volta, assim como Aracy Balabanian, sucesso como a Cassandra, e Luis Gustavo como Vavá. O longa conta ainda com novos personagens que vão aumentar a bagunça. O personagem Caquinho, filho de Caco e Magda, que nasceu na temporada de 1999, já está um jovem adulto, interpretado por Rafael Canedo. Também estão no elenco nomes como Lucio Mauro Filho, Katiuscia Canoro, Castrinho e Cacau Protásio.

Para falar mais sobre o filme, conversamos com os atores Miguel Falabella, Tom Cavalcante e Lucio Mauro Filho. Aperte o play e confira:

Foto: Mariana Vianna.

CINEVITOR #324: Entrevista com Armando Babaioff e Alvaro Furloni | Homem Livre

por: Cinevitor

homemlivrepgmcinevitorArmando Babaioff em cena: um homem atormentado pela culpa.

Primeiro longa-metragem dirigido por Alvaro Furloni, Homem Livre chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 21/02, e conta a história de Hélio, interpretado por Armando Babaioff, um ex-ídolo do rock que, após passar anos na cadeia por um crime que chocou o país, encontra abrigo em uma pequena igreja evangélica. Ele só quer ser esquecido, mas seu passado volta para assombrá-lo.

Como um um thriller psicológico, Homem Livre assume a perspectiva do seu protagonista do início ao fim, criando uma tensão e uma paranoia crescentes. O diretor, assumidamente fã do gênero, tem como referência para criar tal atmosfera filmes da trilogia do apartamento de Roman Polanski: Repulsa ao Sexo, O Bebê de Rosemary e O Inquilino; além de O Homem Duplicado, de Denis Villeneuve, e principalmente, Cisne Negro, de Darren Aronofsky.

O elenco conta também com Flávio Bauraqui, Rosanne Mulholland, Márcio Vito, Giancarlo Di Tommaso, Thuany Andrade, entre outros. Homem Livre fez sua estreia no 6º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e foi premiado no 10º Festival de Cinema de Triunfo nas categorias de melhor ator para Armando Babaioff e melhor montagem.

Para falar mais sobre o longa, conversamos com o diretor Alvaro Furloni e com o protagonista Armando Babaioff. Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Olhar Distribuição.

CINEVITOR #323: Entrevista com Pablo José Meza | Filme: As Ineses

por: Cinevitor

inesescinevitorpgmConfusão na maternidade: elenco em cena.

O diretor e roteirista argentino Pablo José Meza chega aos cinemas brasileiros nesta semana com As Ineses, comédia que revela os segredos escondidos nas cidades do interior da Argentina; tema com o qual o cineasta estreou em seu primeiro longa, Buenos Aires 100 km, e que o inspirou a levar adiante nesta coprodução entre Brasil e Argentina.

O filme conta a história de Carmen e Rosa. As amigas são vizinhas e moram lado a lado. Por essas coisas da vida que não se explicam, ambas possuem o mesmo sobrenome, engravidaram na mesma época e dão à luz no mesmo dia e no mesmo hospital da cidade onde moram. A surpresa vem no momento em que os pais recebem seus bebês e percebem que suas filhas podem ter sido trocadas por engano após o parto. O casal loiro recebe a bebê morena e o casal moreno, a bebê loira. A confusão se instaura e as mães decidem colocar o mesmo nome para as duas garotas e resolver o problema de imediato.

O filme se passa em 1985, quando ainda não era comum teste de DNA para determinar a paternidade de uma criança. A chave para entender os códigos presentes na trama é o pulso das cenas artísticas onde as combinações de montagem, arte e figurino permite recriar o cativante cinema de costumes argentino, cuja localização é uma cidadezinha distante de Buenos Aires, meio esquecida no tempo. O longa vagueia entre várias circunstâncias, tais como a questão da identidade, do preconceito e da religião.

A comédia é estrelada por grandes nomes da dramaturgia argentina, como: Brenda Gandini, María Leal e Luciano Cáceres. Além deles, o filme conta também com a participação de André Ramiro, ator carioca, e do gaúcho Rafael Sieg.

Para falar mais sobre As Ineses, que já está em cartaz no Brasil, conversamos com o diretor Pablo José Meza, que falou sobre a ideia do projeto, filmagens, elenco, ensaios e cinema brasileiro.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Okna Produções.