Cinevitor

Toda semana um novo programa sobre cinema, com os mais variados temas.

CINEVITOR #386: Entrevista com Anna Muylaert e Lô Politi | Alvorada | 26º É Tudo Verdade

por: Cinevitor

alvorada1cinevitorOs bastidores do golpe: Dilma Rousseff no Palácio do Alvorada.

Dirigido por Anna Muylaert e Lô Politi, Alvorada narra, com proximidade e intimidade sem precedentes, o dia a dia da presidente Dilma Rousseff no Palácio do Alvorada, em Brasília, durante o período mais tenso e dramático da história recente do Brasil: o processo de impeachment que acabou por afastar a primeira mulher eleita presidente do Brasil.

Destaque da Competição Brasileira da 26ª edição do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, o longa foi filmado durante o período de julgamento do impeachment de Dilma Roussef, em 2016, feito no calor da hora, em tom de urgência e emergência. Cientes de que outros filmes já estavam em produção sobre os fatos que se desenrolavam no Congresso e na sociedade civil, a maioria deles dirigidos por mulheres, as diretoras e equipe de Alvorada optaram por abrir a câmera exclusivamente no espaço fechado do Palácio residencial da presidente.

O filme mostra, além do melancólico epílogo de um período de governo popular, o fortalecimento de uma mulher, que embora estivesse sendo o alvo de todo o tipo de violência, não esmoreceu, nem tomou os acontecimentos contra ela de forma pessoal; sempre mantendo uma visão lúcida da história e ciente da onda de retrocesso que estava por vir.

Embora o veredito final demore a chegar, o documentário mostra a aproximação do impeachment através dos corredores do palácio desenhado por Oscar Niemeyer, acompanhando o vai e vem de reuniões políticas, o dia a dia da cozinha, a troca de guardas, os sussurros, os telefonemas sem fim, uma tensão crescente da presidente, dos funcionários, assessores e ex-ministros, perplexos e quase sem ação. Durante esse período, conforme os dias vão passando, o filme revela aspectos inéditos da personalidade de Dilma, na medida em que retrata a presidenta em conversas informais sobre política, história, literatura e, principalmente, sobre si mesma.

Para falar mais sobre o documentário, batemos um papo virtual com as diretoras. Entre tantos assuntos, Anna Muylaert, de Que Horas Ela Volta?, e Lô Politi, de Jonas, falaram sobre a ideia do filme, acesso pleno ao Palácio da Alvorada, bastidores do golpe, sociedade, representatividade, compromisso com a democracia, momentos de tensão e a relação de confiança com a protagonista.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Vitrine Filmes.

CINEVITOR #385: Entrevista com Nivea Stelmann | Filme: Tormento

por: Cinevitor

tormentoniveacinevitorNivea Stelmann em cena: suspense.

Escrito e dirigido por Ricardo Rama, Tormento chega às plataformas digitais nesta quinta-feira, 01/04. Distribuído pela Elite Filmes, o longa conta com Nivea Stelmann, Luiz Guilherme, Lu Grimaldi e Yanna Sardenberg no elenco.

Na trama, Nivea interpreta Débora, uma advogada bem sucedida e bem resolvida. Sequestrada por um psicopata, passa a ser mantida em cativeiro em um lugar macabro. Violentada e agredida, ela precisa lidar com seu sequestrador.

Para falar mais sobre o suspense, que estreia nas plataformas Looke, Now, Vivo Play, Sky, iTunes, Google Play e Microsoft, conversamos com a protagonista Nivea Stelmann, que falou sobre sua personagem, preparação para o filme, colegas de elenco, carreira na TV, vida nos Estados Unidos, vacina de Covid-19 e relembrou trabalhos marcantes em novelas como Alma Gêmea e Chocolate com Pimenta.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Elite Filmes.

CINEVITOR #384: DocLab com Antonio Fargoni, Kennel Rogis e Marlom Meirelles | Curta Taquary 2021

por: Cinevitor

doclabtaquary2021cinevitorCena do curta Cine Aurélio, dirigido por Kennel Rogis.

A 14ª edição do Curta Taquary – Festival de Audiovisual começou na terça-feira, 16/03, Dia Nacional da Conscientização das Mudanças Climáticas, em formato on-line e gratuito. A programação, com 72 filmes selecionados, segue até 22/03, Dia da Água.

Para cada filme inscrito, uma muda de espécie nativa será plantada em Taquaritinga do Norte, Pernambuco, como forma de mobilizar a campanha de reflorestamento e recuperação de solo de áreas desmatadas e devastadas por queimadas; entre elas a de dezembro de 2016, onde 50 hectares de mata da cidade foram destruídas.

Apesar da programação mais intensa em março, o Curta Taquary 2021 começou em janeiro com as atividades de formação do DocLab – Laboratório de Realização de Documentários. Duas turmas, conduzidas pelos cineastas Antonio Fargoni, do Cinema Instantâneo, Kennel Rogis, do Cinemando, e Marlom Meirelles, do Documentando, foram realizadas de forma híbrida. As aulas e encontros foram virtuais e a produção de três documentários foi presencial com uma equipe reduzida, com apenas dois representantes de cada turma.

Para falar mais sobre o DocLab, conversamos com os cineastas-educadores sobre as oficinas virtuais, participação dos alunos e, claro, sobre os três filmes realizados: Cine Aurélio, Normandia e Taquaritinga e o Vento do Norte.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação.

CINEVITOR #383: Entrevista com Débora Falabella e Gustavo Vaz | Depois a Louca Sou Eu

por: Cinevitor

deboragustavocinevitorDébora Falabella e Gustavo Vaz em cena: transtornos de ansiedade, amor, humor e drama.

Um dos temas mais importantes da contemporaneidade, a ansiedade que dita o ritmo dos millennials é abordado em Depois a Louca Sou Eu, novo filme de Julia Rezende. Sensível não apenas no recorte, como no tom da narrativa, a diretora mescla humor e drama em um divertido e delicado retrato geracional.

Interpretada por Débora Falabella, a inquieta protagonista Dani precisa lidar com crises de ansiedade que a acompanham desde a infância. Hábitos rotineiros como ir a uma festa, viajar ou aceitar um novo emprego acabam se tornando desafios para a jovem, que só deseja levar uma vida normal, mas precisa lidar diariamente com seus medos e angústias.

Gustavo Vaz e Yara de Novaes completam o elenco do longa-metragem, que foi produzido por Mariza Leão, com coprodução da Globo Filmes e Miravista. O roteiro, assinado por Gustavo Lipsztein, foi adaptado a partir do sucesso literário homônimo e autobiográfico da escritora Tati Bernardi, lançado em 2016. No livro, a autora se utiliza do potencial cômico do exagero para gerar empatia, uma característica mantida por Rezende no comando da produção.

Destaque na 43ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e no Festival do Rio, Depois a Louca Sou Eu foi rodado durante sete semanas em abril e maio de 2019. O elenco também conta com Duda Batista, Romulo Arantes Neto, Evandro Mesquita, Cristina Pereira, Debora Lamm e Beatriz Oblasser. A comédia dramática, que tinha estreia marcada para abril de 2020, teve seu lançamento adiado por conta da pandemia de Covid-19. Agora, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 25/02.

Para falar mais sobre o filme, conversamos com a protagonista Débora Falabella e com o ator Gustavo Vaz, que interpreta o personagem Gilberto.

Aperte o play e confira:

Foto: Stella Carvalho.

CINEVITOR #382: Entrevista com Raquel Hallak | 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

por: Cinevitor

raquelhallaktiradentes2021Balanço geral da 24ª edição com Raquel Hallak.

A 24ª edição da Mostra de Cinema de Tiradentes segue até o dia 30 de janeiro em formato on-line e gratuito. A seleção deste ano traz 114 filmes, entre longas e curtas-metragens, de 19 estados brasileiros, e reúne o que há de mais recente na cinematografia brasileira contemporânea apresentando a diversidade e a pujança criativa do setor, mesmo em cenário adverso da pandemia de Covid-19.

Para este ano, Vertentes da Criação foi o tema proposto pelos curadores Francis Vogner dos Reis e Lila Foster para a edição de 2021. A ideia partiu da percepção de que há, em anos recentes, uma reconfiguração intelectual e empírica dos processos na produção do país, cuja singularidade está condicionada por elementos variados: universos simbólicos, ética das imagens a partir dos espaços, personagens e territórios, estética amparada em perspectiva crítica do automatismo das práticas da expressão audiovisual do mercado e, principalmente, a economia de um tempo que resiste ao modelo célere de velocidade da circulação do capital. O cinema brasileiro se reinventa nas circunstâncias impostas a ele e nas inquietações de criadores arrojados que constantemente reinventam as formas do fazer.

Para falar mais sobre o evento, que abre o calendário audiovisual brasileiro, conversamos com Raquel Hallak d’Angelo, uma das diretoras da Universo Produção e também coordenadora da Mostra de Cinema de Tiradentes.

Em entrevista ao CINEVITOR, Raquel fez um balanço geral da 24ª edição e falou sobre os desafios e a logística para realizar a Mostra on-line, destacou a temática desta edição e a versatilidade da homenageada Paula Gaitán, reforçou a importância dos festivais para a carreira de um filme, comentou sobre a abrangência das obras em formato virtual e o interesse dos espectadores pelas produções, comemorou o sucesso das oficinas e os acessos no site, refletiu sobre as tendências para a próxima edição, falou sobre compartilhamento nas redes e o uso da internet a nosso favor, enfatizou a proposta do evento em ser um aliado do cinema brasileiro e ressaltou a força dessa edição histórica para o público e realizadores.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Universo Produção.

CINEVITOR #381: Entrevista com Juliano Cazarré | Dente por Dente

por: Cinevitor

dentepordentecinevitorProtagonista em cena: thriller brasileiro.

Estrelado por Juliano Cazarré, Paolla Oliveira e Renata Sorrah, Dente por Dente, dirigido por Júlio Taubkin e Pedro Arantes, chega aos cinemas nesta quinta-feira, 28/01, com distribuição da Vitrine Filmes.

Na trama, Ademar, papel de Cazarré, é sócio da empresa de segurança de Valadares, vivido por Aderbal Freire Filho, pai de Joana, interpretada por Paolla Oliveira. Juntos, Ademar e Joana investigam as razões da morte do amigo, marido e sócio, Teixeira, papel de Paulo Tiefenthaler, que está desaparecido. No elenco ainda estão nomes como Juliana Gerais, Digão Ribeiro, Paula Cohen, Phillip Lavra, Bruno Bellarmino, Adriano Barroso, Domênica Dias e Ana Flávia Cavalcanti.

Em uma época que marca o crescimento do cinema de gênero no Brasil, o thriller majoritariamente aborda a questão da violência social e da gentrificação nas metrópoles, com pessoas sendo expulsas de suas casas para construção de grandes empreendimentos imobiliários.

O longa, que destaca em sua trama o suspense investigativo com um toque de horror entre as avenidas, hotéis e construções da capital paulista, teve sua estreia na 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e participou do Fantastik Festival, no qual recebeu o prêmio de melhor longa pelo Júri ACCRJ e Júri Popular.

Para falar mais sobre Dente por Dente, conversamos com o protagonista Juliano Cazarré, que falou sobre sua preparação e construção do personagem, colegas de elenco, filme de gênero no Brasil e também relembrou outros trabalhos de sua carreira nos cinemas.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Vitrine Filmes.

CINEVITOR #380: Entrevista com Lázaro Ramos | Edição Especial + Homenagem 30º Cine Ceará

por: Cinevitor

lazaroramoscineceara1O ator em O Silêncio da Chuva, de Daniel Filho: filme de encerramento.

A última noite da 30ª edição do Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema foi marcada por muita emoção por conta da premiação e também pela homenagem ao ator Lázaro Ramos, que recebeu o Troféu Eusélio Oliveira.

Antes do anúncio dos vencedores, foi realizada a solenidade de encerramento, gravada no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza. O ator enviou um vídeo de agradecimento, projetado na ocasião. Após a homenagem, foi exibido o longa O Silêncio da Chuva, de Daniel Filho, em sessão hors-concours, no qual interpreta o detetive Espinosa.

Nascido em Salvador, Bahia, Lázaro é ator, apresentador, dramaturgo, dublador, cineasta e escritor. Iniciou a carreira teatral aos 15 anos de idade, quando entrou para o Bando de Teatro Olodum, dirigido por Márcio Meirelles. Seu primeiro trabalho no cinema foi em Jenipapo, de Monique Gardenberg, seguido por Cinderela Baiana, de Conrado Sanchez, e Sabor da Paixão, de Fina Torres, com Penélope Cruz.

Madame Satã, de Karim Aïnouz, que lhe rendeu o prêmio de melhor ator no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro e também pela APCA, foi seu primeiro filme como protagonista, iniciando uma trajetória que inclui Carandiru; As Três Marias; O Homem do Ano; O Homem que Copiava, vencedor do prêmio de melhor ator no Festival de Havana; Meu Tio Matou um Cara; A Máquina; Quanto Vale ou é por Quilo?; Cidade Baixa; Ó Paí, Ó; Saneamento Básico, O Filme; O Grande Kilapy, prêmio de melhor ator no FESTin Lisboa; Tudo Que Aprendemos Juntos; Mundo Cão; entre outros filmes e diversos trabalhos na TV, como a minissérie Mister Brau.

Além da turnê da peça O Topo da Montanha, em que atuou com a mulher, Taís Araújo, seus trabalhos mais recentes nas telonas foram: Correndo Atrás, de Jeferson De; e O Beijo no Asfalto, de Murilo Benício. Para 2021, está previsto o lançamento de Medida Provisória, longa que marca sua estreia na direção de ficção para os cinemas.

Em um bate-papo virtual, conversamos com o ator sobre a homenagem no Cine Ceará, o inédito O Silêncio da Chuva, de Daniel Filho, e relembramos alguns sucessos de sua consagrada carreira.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Elo Company.

CINEVITOR #379: Bastidores 10 Horas para o Natal com Giulia Benite, Luis Lobianco, Lorena Queiroz e Pedro Miranda

por: Cinevitor

cinevitor10horasnatalJingle Bells: natal brasileiro nas telonas!

Dirigido por Cris D’Amato, de S.O.S. Mulheres ao Mar, e protagonizado por Luis Lobianco, 10 Horas para o Natal chega aos cinemas nesta quinta-feira, 03/12, como o primeiro filme natalino brasileiro a estrear nas telonas.

No roteiro original de Bia Crespo e Flávia Guimarães, Marcos Henrique, papel de Lobianco, é pai de Julia, de 11 anos (Giulia Benite, de Turma da Mônica – Laços), Miguel, de 9 (Pedro Miranda, do The Voice Kids), e Bia, de 7 (Lorena Queiroz, da novela Carinha de Anjo), três crianças espertas e apaixonadas pelas festas de fim de ano da família Silva.

Divertido e engraçado, Marcos Henrique é ex-marido de Sônia, vivida por Karina Ramil, médica obstetra que está sempre reclamando do seu jeito preguiçoso. Inconformados com as noites de Natal sem graça que passam na casa da tia desde que os pais se separaram, os irmãos bolam um plano para tentar reunir os pais nas festas de fim de ano. Mas, para isso eles terão que organizar eles mesmos o Natal da família e ainda enfrentar um vilão, que está contra eles e não perdoa nem criancinhas: o tempo.

O trio, que vive brigando por tudo, percebe que vai ter que se unir se quiser fazer o plano dar certo. Eles então decretam uma trégua e partem sozinhos para a rua mais movimentada de São Paulo, a 25 de Março, considerada o maior centro comercial a céu aberto da América Latina. E, claro, se metem em altas confusões e vivem aventuras divertidas e perigosas pela cidade.

Para falar mais sobre o filme, fizemos um programa especial, gravado em julho de 2019, direto dos bastidores. A atriz Giulia Benite fez um tour pelo set e mostrou detalhes do cenário; além disso, conversamos com os atores Luis Lobianco, Pedro Miranda e Lorena Queiroz.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Paris Filmes.

CINEVITOR #378: Entrevista com Marcélia Cartaxo | Edição Especial + Pacarrete

por: Cinevitor

pacarreteestreiamarceliaProtagonista em cena: atuação premiada.

Estrelado por Marcélia Cartaxo e filmado na cidade de Russas, interior do Ceará, o aguardado Pacarrete, dirigido por Allan Deberton, chega aos cinemas nesta quinta-feira, 26/11, depois de ter sido adiado por conta da pandemia de Covid-19.

Um dos longas mais elogiados e festejados pela crítica e pelo público, Pacarrete foi o grande vencedor da 47ª edição do Festival de Cinema de Gramado e foi consagrado com oito kikitos, entre eles, melhor filme e melhor atriz. Exibido em 39 festivais, desde então, já coleciona vinte e sete prêmios ao redor do mundo.

Primeiro longa-metragem de Allan Deberton, aborda questões como a loucura, os desafios de ser artista e o drama da velhice de uma bailarina clássica, que gosta de ser chamada de Pacarrete, que significa margarida em francês. O filme é livremente inspirado na conterrânea do diretor e demorou 12 anos para ser realizado.

Nascida e criada em Russas, Pacarrete alimentou desde criança o sonho de ser artista e viver a vida na ponta da sapatilha, mesmo sendo de uma cidade conservadora, onde mulher nasceu para casar e ter filhos. Mas é em Fortaleza que ela consegue estar no centro dos holofotes como bailarina clássica e se torna professora de ballet. Com a aposentadoria, ela retorna para sua cidade natal onde pretende continuar seu trabalho artístico, mas só encontra desrespeito à sua arte: em vez de plateias de admiradores e aplausos, ela se defronta com o despeito daqueles que cruzam seu caminho; e a bailarina e professora de outrora se transforma na “louca da cidade”.

Para viver essa mulher que fez da aspiração de ser uma bailarina o objetivo de sua vida, Deberton convidou a premiada atriz paraibana Marcélia Cartaxo, vencedora do Urso de Prata no Festival de Berlim, em 1985, por A Hora da Estrela; sua amiga e colaboradora, ela também atuou e fez preparação de elenco do primeiro curta-metragem de Allan, Doce de Coco. Para viver a personagem, Marcélia teve aulas de voz e canto, aprendeu francês e fez aulas de ballet com a supervisão do coreógrafo Fauller e da bailarina cearense Wilemara Barros.

O elenco principal ainda conta com as elogiadas atrizes paraibanas Zezita Matos e Soia Lira; o ator baiano João Miguel; e os cearenses Rodger Rogério, Débora Ingrid, Samya De Lavor e Edneia Tutti Quinto; além da participação de atores e atrizes da própria cidade. A preparação do elenco é de Christian Duurvoort, que trabalhou em Ensaio Sobre a Cegueira e O Banheiro do Papa.

Com roteiro escrito por Allan Deberton, André Araújo, Samuel Brasileiro e Natália Maia, o filme conta com fotografia de Beto Martins e trilha sonora de Fred Silveira; César Teixeira e Clara Bastos assinam como produtores e Deberton, ao lado de Ariadne Mazzetti, assinam a produção executiva. A distribuição é da Vitrine Filmes.

Para falar mais sobre o longa, conversamos com a protagonista Marcélia Cartaxo sobre a preparação de sua personagem, bastidores, equipe e também relembramos alguns sucessos de sua consagrada carreira, como Madame Satã, A História da Eternidade, entre outros.

Aperte o play e confira:

*Entrevista inédita gravada durante o Festival de Gramado, em agosto de 2019.

Foto: Luiz Alves.

CINEVITOR #377: Entrevista com Bárbara Paz | Documentário BABENCO + Oscar 2021

por: Cinevitor

babencobarbaracinevitorTell me when I die: vida e obra de Hector Babenco.

Dirigido por Bárbara Paz, o documentário Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou traça um paralelo entre a arte e a doença do cineasta Hector Babenco. O filme revela medos e ansiedades, mas também memórias, reflexões e fabulações, num confronto entre vigor intelectual e a fragilidade física que marcou sua vida.

Recentemente, o longa foi escolhido pelo Comitê Brasileiro de Seleção da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais para representar o Brasil na categoria de melhor filme internacional do Oscar 2021; sendo assim, agora disputa uma vaga entre os finalistas da premiação americana.

Nesta imersão amorosa na vida do cineasta, Bárbara se desnuda, consciente, em situações íntimas e dolorosas. Do primeiro câncer, aos 38, até a morte, aos 70 anos, Babenco fez do cinema remédio e alimento para continuar vivendo.

O filme já foi selecionado para mais de 20 festivais internacionais e estreou mundialmente no Festival de Veneza do ano passado, no qual recebeu o prêmio de melhor documentário na mostra Venice Classics e o prêmio Bisato D’Oro 2019, entregue pela crítica independente. No início do ano, foi premiado no Festival internacional de Cinema de Mumbai, na Índia. Também foi selecionado para os festivais do Cairo, Havana, Mar del Plata, Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Festival do Rio, Mostra Tiradentes, Fest Aruanda, FIDBA, na Argentina, Baltic Sea Docs, na Letônia e para o Mill Valley Film Festival, nos Estados Unidos.

Para falar mais sobre o documentário, conversamos com a diretora Bárbara Paz sobre o processo de criação, montagem, Hector Babenco e, claro, a tão cobiçada estatueta dourada.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação.

CINEVITOR #376: Entrevista com Andrea Beltrão e Esmir Filho | Verlust | 44ª Mostra de São Paulo

por: Cinevitor

verlustcinevitor1Fama e poder: Ismael Caneppele, Marina Lima e Andrea Beltrão em cena.

Dirigido por Esmir Filho e protagonizado por Andrea Beltrão, Verlust é um dos destaques da Mostra Brasil da 44ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e segue disponível na plataforma Mostra Play até quarta-feira, 04/11.

Um drama sobre indivíduos que vivem em uma atmosfera sufocante, a história acompanha a poderosa empresária musical Frederica, que, isolada na praia ao lado do marido fotógrafo e a filha adolescente, concentra-se nos preparativos de uma esperada festa de réveillon, e ainda tem que administrar a vida e carreira do ícone pop Lenny, que está produzindo uma obra misteriosa ao lado do escritor João Wommer. Quando um ser das profundezas do mar surge em sua praia, a crise se instaura e Frederica terá que enfrentar seu maior medo: a perda.

O filme se passa durante o ano novo, símbolo do despertar. A localização é uma praia isolada, paraíso impenetrável que proporciona a ilusão de segurança para os personagens. Verlust é um diálogo entre cinema e literatura. Enquanto o filme narra o ponto de vista dos personagens que se projetam na criatura do mar encalhada, o livro homônimo de Ismael Caneppele narra em primeira pessoa o ponto de vista da criatura do mar, que deseja se desprender do seu coletivo e procurar sozinha o ambiente respirável de onde partiu há séculos.

A cantora e compositora Marina Lima se uniu ao projeto para interpretar Lenny. Com uma extensa carreira e ícone de uma geração, Marina superou traumas e foi capaz de se reinventar. Ela personifica Lenny e seu constante movimento de busca. Para dialogar com ela, uma outra artista talentosa integra o elenco. Grande força dos palcos brasileiros e presença marcantes em obras audiovisuais nacionais, Andrea Beltrão traz para Frederica toda sensibilidade e poder que a personagem exala.

Completam o elenco, Ismael Caneppele, que interpreta outro personagem emprestado da vida real, o escritor João. Ismael, que colaborou com o roteiro, dá vida a um personagem que passa por uma crise na trama e descobre sua voz na voz da criatura. Junto a eles, somam-se o lendário ator chileno Alfredo Castro, de Vermelho Sol e O Clube, como o marido fotógrafo de Frederica e Fernanda Pavanelli, contrabaixista clássica, que dá vida à Tuane, filha de Frederica, e foi encontrada através de uma pesquisa de elenco pelas orquestras jovens de São Paulo.

Verlust, que chega aos cinemas no dia 5 de novembro e logo depois nas plataformas digitais, foi escrito e produzido ao longo de dez anos. Na equipe, Inti Briones assina a direção de fotografia; a direção de arte é de Mariana Urizza; Dudu Bertholini e Cintia Kiste assinam o figurino; e a maquiagem é de Britney Federline.

Para falar mais sobre o longa, batemos um papo virtual com o diretor Esmir Filho e com a protagonista Andrea Beltrão. Entre tantos assuntos, falaram sobre os bastidores de filmagens, entrosamento do elenco, a presença de Marina Lima na produção, construção das personagens, a relação do filme com a pandemia e expectativa para o lançamento.

Aperte o play e confira:

Foto: Tuane Eggers.

CINEVITOR #375: Entrevista com Matheus Nachtergaele | 20 Anos de O Auto da Compadecida

por: Cinevitor

matheuscompadecidacinevitorMatheus Nachtergaele no papel de João Grilo: um clássico.

Há 20 anos, O Auto da Compadecida, de Guel Arraes, baseado na peça clássica de Ariano Suassuna, levou mais de dois milhões de espectadores aos cinemas e se tornou o longa-metragem mais assistido naquele ano e um marco do cinema brasileiro.

O início das comemorações dos vinte anos foi dado em dezembro de 2019 com o lançamento da minissérie remasterizada no Globoplay, já com cenas inéditas, maior qualidade de imagem e novos efeitos especiais. Recentemente, foram realizadas exibições especiais do longa em drive-in e também virtual. A minissérie foi exibida na TV Globo, em 1999, e a versão cinematográfica foi lançada no ano seguinte.

O filme conta as divertidas aventuras de João Grilo, papel de Matheus Nachtergaele, e Chicó, vivido por Selton Mello, e foi rodado em Cabaceiras, no sertão da Paraíba, e no Rio de Janeiro. O elenco reúne também Fernanda Montenegro, Diogo Vilela, Denise Fraga, Rogério Cardoso, Lima Duarte, Marco Nanini, Enrique Diaz, Paulo Goulart, Luís Melo, Maurício Gonçalves, Virgínia Cavendish, Aramis Trindade e Bruno Garcia. O diretor Guel Arraes também é coautor da adaptação ao lado de Adriana Falcão e João Falcão.

Para comemorar os 20 anos de O Auto da Compadecida, batemos um papo virtual com Matheus Nachtergaele sobre a importância do filme na cinematografia brasileira. O ator também relembrou histórias de bastidores, falou com carinho da equipe e dos colegas de cena, revelou futuros projetos envolvendo a obra de Ariano Suassuna, entre muitos outros assuntos.

Aperte o play e confira:

Foto: Divulgação/Globo Filmes.