Todos os posts de Cinevitor

Motion Picture Sound Editors anuncia vencedores do 65º MPSE Golden Reel Awards

por: Cinevitor

bladempsevenceRyan Gosling e Harrison Ford em Blade Runner 2049, de Denis Villeneuve.

Foram anunciados neste domingo, 18/02, os vencedores do 65º Golden Reel Awards, premiação organizada pela Motion Picture Sound Editors, que elege os melhores trabalhos nas áreas de edição de som na TV e no cinema.

Os membros da MPSE criam os efeitos sonoros dramáticos e inventam novos sons para mundos imaginários. Além dos editores de efeitos de som, a organização conta também com: editores de Foley, que reproduzem efeitos sonoros complementares para um filme (também conhecido como sonoplastia), como por exemplo, barulho de um vidro quebrando ou de um zíper sendo aberto; editores de diálogos, que são os artesãos que suavizam meticulosamente o som da produção gravado no local; editores de ADR, que ajudam a tecer o diálogo recriado e substituem faixas problemáticas; e editores de música, que trabalham com compositores e supervisores musicais que detectam pontos capazes de coser uma tapeçaria sônica da partitura original e da música pré-gravada em várias fontes.

Neste ano, John P. Fasal, editor de efeitos sonoros de vários filmes, como Dunkirk e Transformers: O Último Cavaleiro, recebeu o Career Achievement Award, prêmio especial pelo conjunto da obra; a cineasta Kathryn Bigelow, de Detroit em Rebelião, A Hora Mais Escura, Guerra ao Terror, O Peso da Água, Caçadores de Emoção, entre outros, também foi homenageada e recebeu o Filmmaker Award.

Conheça os vencedores do 65º MPSE Golden Reel Awards nas categorias de cinema:

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | LONGA-METRAGEM | DIÁLOGOS/ADR:
Planeta dos Macacos: A Guerra, por Douglas Murray e Will Files

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | LONGA-METRAGEM | EFEITOS/FOLEY:
Blade Runner 2049, por Mark Mangini

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | ANIMAÇÃO:
Viva – A Vida é uma Festa, por J.R. Grubbs e Chris Boyes

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | DOCUMENTÁRIO:
Jane, por Warren Shaw e Joshua Paul Johnson

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | FILME ESTRANGEIRO:
Sem Amor, por Andrey Dergachev

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | TRILHA SONORA:
Dunkirk, por Alex Gibson e Ryan Rubin

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | MUSICAL:
O Rei do Show, por Jen Monnar

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | FILME NÃO LANÇADO NO CINEMA:
Em Busca de Fellini, por David Barber e Ben Zarai

MELHOR EDIÇÃO DE SOM | DOCUMENTÁRIO NÃO LANÇADO NO CINEMA
Becoming Bond, por Trip Brock

SPECIAL VENUE:
Carne Y Arena, por Randy Thom, Martín Hernández e Leff Lefferts

Foto: Stephen Vaughan.

Três Anúncios Para um Crime é o grande vencedor do BAFTA 2018, o Oscar britânico

por: Cinevitor

tresanunciosbafta18Equipe de Três Anúncios Para um Crime: grande vencedor.

A Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão, British Academy of Film and Television Arts, revelou neste domingo, 18/02, em Londres, em cerimônia apresentada pela atriz Joanna Lumley, os vencedores do BAFTA 2018, conhecido como o Oscar britânico.

Nesta 71ª edição, o drama A Forma da Água liderava com doze indicações e foi premiado em três categorias, incluindo melhor direção para Guillermo del Toro; Três Anúncios Para um Crime, de Martin McDonagh, se consagrou como o grande campeão da noite com cinco prêmios, entre eles, o de melhor filme.

Assim como no Globo de Ouro, a campanha TIME’S UP, organizada por importantes mulheres da indústria do entretenimento, com a intenção de lutar contra qualquer tipo de abuso e também para abrir um diálogo ainda maior sobre desigualdade de gênero, leis trabalhistas, racismo, falta de representatividade, desigualdade sistêmica, políticas corporativas, entre outros, também foi destaque no BAFTA. Para apoiar ainda mais a causa, as estrelas passaram pelo tapete vermelho vestidas de preto em solidariedade às vítimas de violência sexual e também em homenagem às mulheres que, corajosamente, revelaram publicamente casos de abuso e assédio sexual sofridos em Hollywood.

Conheça os vencedores do British Academy Film Awards 2018:

MELHOR FILME:
Três Anúncios Para um Crime

MELHOR FILME BRITÂNICO:
Três Anúncios Para um Crime

MELHOR DIREÇÃO:
Guillermo del Toro, por A Forma da Água

MELHOR ATOR:
Gary Oldman, por O Destino de uma Nação

MELHOR ATRIZ:
Frances McDormand, por Três Anúncios Para um Crime

MELHOR ATOR COADJUVANTE:
Sam Rockwell, por Três Anúncios Para um Crime

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE:
Allison Janney, por Eu, Tonya

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL:
Três Anúncios Para um Crime, escrito por Martin McDonagh

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO:
Me Chame Pelo Seu Nome, escrito por James Ivory

MELHOR FILME ESTRANGEIRO:
A Criada, de Park Chan-wook (Coreia do Sul)

MELHOR DOCUMENTÁRIO:
Eu Não Sou Seu Negro, de Raoul Peck

MELHOR ANIMAÇÃO:
Viva – A Vida é uma Festa

MELHOR FOTOGRAFIA:
Blade Runner 2049, por Roger Deakins

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL:
A Forma da Água, por Alexandre Desplat

MELHOR EDIÇÃO:
Em Ritmo de Fuga, por Jonathan Amos e Paul Machliss

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO:
A Forma da Água, por Paul Austerberry, Jeff Melvin e Shane Vieau

MELHOR FIGURINO:
Trama Fantasma, por Mark Bridges

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO:
O Destino de uma Nação, por David Malinowski, Ivana Primorac, Lucy Sibbick e Kazuhiro Tsuji

MELHOR SOM:
Dunkirk, por Alex Gibson, Richard King, Gregg Landaker, Gary A. Rizzo e Mark Weingarten

MELHORES EFEITOS VISUAIS:
Blade Runner 2049, por Richard R. Hoover, Paul Lambert, Gerd Nefzer e John Nelson

MELHOR ATOR/ATRIZ EM ASCENSÃO (voto popular):
Daniel Kaluuya

ROTEIRISTA, DIRETOR(A) OU PRODUTOR(A) BRITÂNICO REVELAÇÃO:
Rungano Nyoni (roteirista e diretora) e Emily Morgan (produtora), por I Am Not a Witch

MELHOR CURTA-METRAGEM BRITÂNICO:
Cowboy Dave, de Colin O’Toole

MELHOR CURTA-METRAGEM BRITÂNICO | ANIMAÇÃO:
Poles Apart, de Paloma Baeza

Foto: Jeff Spicer.

32º ASC Awards: Roger Deakins, de Blade Runner 2049, é premiado pela American Society of Cinematographers

por: Cinevitor

bladevenceascDenis Villeneuve e Roger Deakins nos bastidores de Blade Runner 2049.

Foram anunciados neste sábado, 18/02, em cerimônia apresentada por Ben Mankiewicz, os vencedores do American Society of Cinematographers Awards, que elege a melhor direção de fotografia em TV e cinema.

Roger Deakins levou o prêmio de melhor fotografia em longa-metragem por seu trabalho em Blade Runner 2049, de Denis Villeneuve. O fotógrafo já foi premiado pela American Society of Cinematographers outras vezes por: Um Sonho de Liberdade, O Homem que Não Estava Lá, 007 – Operação Skyfall e em 2011 recebeu o Lifetime Achievement Award.

Entre os concorrentes desta 32ª edição, vale destacar a presença de Rachel Morrison na lista. Indicada por seu trabalho em Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi, ela se tornou a primeira mulher da história desta premiação a concorrer na categoria principal.

Além disso, prêmios especiais foram entregues ao longo da cerimônia: Russell Carpenter, vencedor do Oscar de melhor fotografia por Titanic, recebeu o Lifetime Achievement Award; Russell Boyd, premiado pela Academia por Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo, recebeu o International Award; a atriz e cineasta Angelina Jolie subiu ao palco para receber o Board of Governors Award; o Presidents Award foi entregue para Stephen Lighthill e Alan Caso foi homenageado com o Career Achievement in Television Award.

O brasileiro Adriano Goldman, diretor de fotografia de O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, 360, Xingu, Trash: A Esperança Vem do Lixo e Pegando Fogo, foi premiado na categoria de melhor fotografia em um episódio de uma série não comercial por Smoke and Mirrors, do seriado The Crown, da Netflix; o prêmio Spotlight, criado para reconhecer a excepcional fotografia em longas-metragens que foram exibidos em poucos cinemas ou em festivais internacionais, foi entregue para Mart Taniel pelo drama November, do estoniano Rainer Sarnet.

Conheça os vencedores do 32º ASC Awards nas categorias de cinema:

MELHOR FOTOGRAFIA EM LONGA-METRAGEM:
Blade Runner 2049, por Roger Deakins

PRÊMIO SPOTLIGHT:
November, por Mart Taniel

ASC HASKELL WEXLER STUDENT DOCUMENTARY AWARD:
Forever Home, por Connor Ellmann

Foto: Divulgação.

Filmes brasileiros são selecionados para o 33º Festival Internacional de Cinema de Guadalajara

por: Cinevitor

carolguadalajaraCaroline Abras em Alguma Coisa Assim, de Esmir Filho e Mariana Bastos: selecionado.

O Festival Internacional de Cine en Guadalajara, um dos mais fortes da América Latina, anunciou nesta semana os filmes selecionados para a sua 33ª edição, que acontecerá entre os dias 9 e 16 de março na cidade mexicana.

Além do destaque para o cinema mexicano com o Prêmio Mezcal, o evento também apresenta uma programação com produções ibero-americanas. Neste ano, o Brasil está representado com doze filmes em diversas seções, entre eles, O Filme da Minha Vida, de Selton Mello, na competição de longa-metragem ibero-americano. Na última edição, As Duas Irenes, de Fabio Meira, foi escolhido como o melhor primeiro filme e melhor fotografia.

Entre os selecionados para o Prêmio Maguey, por exemplo, que destaca o cinema LGBTTTI (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, travestis e intersex), três longas brasileiros estão na disputa. No ano passado, Corpo Elétrico, de Marcelo Caetano, foi premiado nesta categoria.

Conheça os filmes brasileiros selecionados para o 33º Festival Internacional de Cinema de Guadalajara:

LONGA-METRAGEM IBERO-AMERICANO | FICÇÃO:
O Filme da Minha Vida, de Selton Mello

DOCUMENTÁRIO IBERO-AMERICANO:
Aqualoucos, de Victor Ribeiro
Cidades Fantasmas, de Tyrell Spencer
Estado de Exceção, de Jason O’Hara

CURTA-METRAGEM IBERO-AMERICANO:
A Foreman, de Daniel Drummond (Brasil/EUA)
Anderson, de Rodrigo Meireles
Boca de Fogo, de Luciano Pérez Fernández
Censurado, de Pedro Buson
O Espírito do Bosque, de Carla Saavedra Brychcy

PRÊMIO MAGUEY:
Alguma Coisa Assim, de Esmir Filho e Mariana Bastos
Aos Teus Olhos, de Carolina Jabor
Tinta Bruta, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon

Foto: Divulgação/Vitrine Filmes.

Confira o trailer de Madame, com Rossy de Palma, Toni Collette e Harvey Keitel

por: Cinevitor

madametrailerRossy de Palma e Toni Collette em cena.

Na comédia dramática Madame, dirigida por Amanda Sthers, Anne, vivida por Toni Collette, e Bob, papel de Harvey Keitel, são um casal americano bem-sucedido de férias em Paris que resolve promover um jantar para amigos estrangeiros sofisticados. Quando descobre que terá 13 convidados, Anne implora para que sua fiel empregada Maria, interpretada por Rossy de Palma, se disfarce de uma misteriosa espanhola para ter um número par de convidados. O que ela não esperava era que Maria fosse se envolver amorosamente com um dos convidados.

Para dar vida a Maria, Amanda escolheu a atriz espanhola Rossy de Palma, que ganhou fala nos primeiros filmes do cineasta Pedro Almodóvar e virou a musa do estilista Jean-Paul Gaultier: “Maria é uma mulher muito positiva, com uma luz interna muito poderosa. Ela não se sente inferior porque tem que limpar o que outros sujaram: ela é uma empregada e tem orgulho disso! Uma pessoa simples e natural. Compartilho muito com ela, o jeito de olhar para a vida, uma curiosidade pelos outros. Algo infantil também, o desejo de nunca perder de vista a menina que tem dentro de si. Maria se sente próxima daquela garota, e eu, enquanto envelheço, também me aproximo dela. Ela é uma Cinderela moderna, uma pessoa muito romântica que acredita em contos de fadas”, defende a atriz.

Segundo a diretora, cada um dos atores tinha sua maneira de trabalhar: “Você dirige cada ator de uma maneira. É como amizade, você não é amigo da mesma maneira com todos. Para ser honesta, eu me senti intimidada por Harvey Keitel. Ele é uma lenda, ele está sempre falando de seus amigos Martin Scorsese e Robert de Niro. Mas quando começa a trabalhar, ele dá tudo de si”, revelou Amanda.

Confira o trailer de Madame, que estreia no dia 29 de março:

Foto: Divulgação/California Filmes.

Dirigido por Brad Bird, Os Incríveis 2 ganha trailer oficial e chega aos cinemas em junho

por: Cinevitor

incriveis2trailer1A família de super-heróis favorita de todo mundo está de volta!

Lançado em 2004, Os Incríveis arrecadou mais de 633 milhões de dólares ao redor do mundo, sendo que no final de semana de estreia foram mais de US$ 70 milhões, tornando-se a segunda maior abertura de uma animação na história.

O filme, dirigido por Brad Bird, foi premiado no Oscar com duas estatuetas douradas: melhor animação e melhor edição de som. Além disso, se consagrou no Annie Awards, entrou na lista da National Board of Review e também dos críticos de San Diego, New York, Seattle e saiu vencedor em outras importantes premiações, como BAFTA e Critics’ Choice Awards.

Agora, quatorze anos depois, Brad Bird assume novamente a direção das aventuras da família de super-heróis em Os Incríveis 2, sequência da animação. Desta vez, Helena está em destaque, deixando Beto em casa com Violeta e Flecha no heroísmo do dia a dia da vida comum. É uma transição complicada para todos, tornada mais difícil pelo fato de que a família ainda não conhece os superpoderes do bebê Zezé. Quando um novo vilão traça um plano brilhante e perigoso, a família e o amigo Gelado devem encontrar uma maneira de trabalhar juntos novamente.

O elenco de dubladores conta com Holly Hunter, Craig T. Nelson, Sarah Vowell, Huck Milner, Samuel L. Jackson, Sophia Bush, Catherine Keener, Bob Odenkirk, Jonathan Banks, Isabella Rossellini, John Ratzenberger e Kimberly Adair Clark.

Confira o primeiro trailer de Os Incríveis 2, que tem estreia marcada para o dia 28 de junho:

Foto: Divulgação/Pixar.

Três Anúncios Para um Crime

por: Cinevitor

tresanunciosposterThree Billboards Outside Ebbing, Missouri

Direção: Martin McDonagh

Elenco: Frances McDormand, Sam Rockwell, Woody Harrelson, Caleb Landry Jones, Kerry Condon, Alejandro Barrios, Jason Redford, Darrell Britt-Gibson, Abbie Cornish, Riya May Atwood, Selah Atwood, Lucas Hedges, Zeljko Ivanek, Amanda Warren, Malaya Rivera Drew, Sandy Martin, Peter Dinklage, Christopher Berry, Gregory Nassif St. John, Jerry Winsett, Kathryn Newton, John Hawkes, Samara Weaving, Clarke Peters, Allyssa Barley, William J. Harrison, Brendan Sexton III, Eleanor Threatt Hardy, Michael Aaron Milligan, Marcus Lyle Brown, Lawrence Turner, Nick Searcy.

Ano: 2017

Sinopse: Mildred Hayes é uma mulher do interior de luto pela morte da filha. Após meses sem que o assassinato da garota seja solucionado pela polícia, ela decide se vingar por conta própria.

Crítica do CINEVITOR: Em breve.

*Filme assistido na 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Nota do CINEVITOR:

nota-4,5-estrelas

Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi

por: Cinevitor

mudbound2posterMudbound

Direção: Dee Rees

Elenco: Jason Clarke, Carey Mulligan, Jason Mitchell, Garrett Hedlund, Jonathan Banks, Mary J. Blige, Rob Morgan, Kerry Cahill, Kelvin Harrison Jr., Dylan Arnold, Lucy Faust, David Jensen, Geraldine Singer, Samantha Hoefer, Henry Frost, Kennedy Derosin, Floyd Anthony Johns Jr., Elizabeth Ashling, Rebecca Chulew, Jon Arthur, Frankie Smith, Piper Blair, Peter Schueller, Jason Kirkpatrick, Elizabeth Windley, Frank Wilson, Roderick Hill, Patrick Constantine Bertagnolli Jr., Cynthia LeBlanc, Elaitheia Quinn, Claudio Laniado, Kyle Crawford, Tre Tureaud, Brady Calhoun, Joshua J. Williams, Charley Vance.

Ano: 2017

Sinopse: Sul dos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial. A história de duas famílias, uma negra e uma branca, que dividem terras no delta do Rio Mississipi, se entrelaçam. A família McAllan, vinda da tranquila Memphis, é despreparada para as exigências da vida no campo. Apesar dos grandiosos sonhos de Henry, sua esposa Laura luta para manter a fé nas empreitadas de seu marido. Enquanto isso, Hap e Florence Jackson, que trabalham há gerações em fazendas, lutam bravamente para construir um pequeno sonho, apesar do racismo e das barreiras sociais que enfrentam. Os planos de cada família são afetados pela guerra e pelo retorno de seus entes queridos, Jamie McAllan e Ronsel Jackson, que desafiam a realidade de onde vivem ao formar uma amizade. Baseado no livro homônimo de Hillary Jordan.

Crítica do CINEVITOR: Em breve.

Nota do CINEVITOR:

nota-4-estrelas

Lady Bird – A Hora de Voar

por: Cinevitor

ladybirdposter2Lady Bird

Direção: Greta Gerwig

Elenco: Saoirse Ronan, Laurie Metcalf, Tracy Letts, Lucas Hedges, Timothée Chalamet, Beanie Feldstein, Lois Smith, Stephen Henderson, Odeya Rush, Jordan Rodrigues, Marielle Scott, John Karna, Jake McDorman, Bayne Gibby, Laura Marano, Marietta DePrima, Daniel Zovatto, Kristen Cloke, Andy Buckley, Paul Keller, Kathryn Newton, Myra Turley, Bob Stephenson, Abhimanyu Katyal, Chris Witaske, Ben Konigsberg, Richard Jin, Carla Valentine, Roman Arabia, Monique Edwards, Anita Kalathara, Georgia Leva, Ithamar Enriquez, Bonnie Jean Shelton, Rebecca Light, Maxx Morando.

Ano: 2017

Sinopse: Sacramento, Califórnia. Adolescente, Christine luta contra, mas é exatamente como sua mãe, uma enfermeira descontrolavelmente amável, profundamente teimosa e obstinada que trabalha incansavelmente para manter sua família depois que o pai perde o emprego. Transitando entre humor e emoção, o filme apresenta essa relação turbulenta entre mãe e filha e traça um olhar sob as relações que nos moldam, as crenças que nos definem e a beleza ímpar de um lugar chamado lar.

Crítica do CINEVITOR: Em breve.

Nota do CINEVITOR:

nota-4-estrelas

Eu, Tonya

por: Cinevitor

eutonyaposterI, Tonya

Direção: Craig Gillespie

Elenco: Margot Robbie, Sebastian Stan, Allison Janney, Julianne Nicholson, Paul Walter Hauser, Bobby Cannavale, Bojana Novakovic, Caitlin Carver, Maizie Smith, Mckenna Grace, Suehyla El-Attar, Jason Davis, Mea Allen, Cory Chapman, Amy Fox, Cara Mantella, Joshua Mikel, Lynne Ashe, Steve Wedan, Brandon O’Dell, Davin Allen Grindstaff, Daniel Thomas May, Anthony Reynolds, Ricky Russert, Al Bianchi, Miles Mussenden, Annie Livingston, Jan Harrelson, Luray Cooper, Dan Triandiflou, Kelly O’Neal, Lisa Kaye Kinsler, Cecil Love, Alphie Hyorth, Sean Goulding, Bobby Browning, Jeff Glover, Patti Brindley, Lucie Carroll, John Crow, Fi Dieter, Catherine Dyer, Robin Dyke, Kayla Ellenwood, Leonel Severino, Brady Rogers, Lina Zalewski.

Ano: 2017

Sinopse: Tonya Harding dominava o gelo com perícia sem rivais. Ela dominou as manchetes por algo totalmente diferente. O filme é uma visão às vezes absurda, trágica e hilária de uma mulher no centro do maior escândalo na história do esporte nos Estados Unidos.

Crítica do CINEVITOR: Em breve.

Nota do CINEVITOR:

nota-4-estrelas

Pantera Negra

por: Cinevitor

panteranegraposterokBlack Panther

Direção: Ryan Coogler

Elenco: Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Martin Freeman, Daniel Kaluuya, Letitia Wright, Winston Duke, Sterling K. Brown, Angela Bassett, Forest Whitaker, Andy Serkis, Florence Kasumba, John Kani, David S. Lee, Nabiyah Be, Isaach De Bankolé, Connie Chiume, Dorothy Steel, Danny Sapani, Sydelle Noel, Marija Juliette Abney, Zola Williams, Janeshia Adams-Ginyard, Maria Hippolyte, Marie Mouroum, Jénel Stevens, Sope Aluko, Stan Lee, Atandwa Kani, Ashton Tyler, Denzel Whitaker, Shaunette Renée Wilson, Christine Hollingsworth, Bambadjan Bamba, Roland Kilumbu, Zenzi Williams.

Ano: 2018

Sinopse: Depois da morte de seu pai, o Rei de Wakanda, T’Challa volta pra casa para a isolada e tecnologicamente avançada nação africana para a sucessão ao trono e para ocupar o seu lugar de direito como rei. Mas com o reaparecimento de um velho e poderoso inimigo, o valor de T’Challa como rei, e como Pantera Negra, é testado quando ele é levado a um conflito formidável que coloca o destino de Wakanda, e do mundo todo, em risco. Confrontado pela traição e o perigo, o jovem rei precisar reunir seus aliados e liberar todo o poder do Pantera Negra para derrotar seus inimigos e assegurar a segurança de seu povo e de seu modo de viver.

Crítica do CINEVITOR: Em breve.

Nota do CINEVITOR:

nota-3,5-estrelas

Conheça os vencedores do 16º Visual Effects Society Awards

por: Cinevitor

planetamacacosvisualAndy Serkis interpreta Caesar em Planeta dos Macacos: A Guerra.

Foram anunciados nesta terça-feira, 13/02, em cerimônia apresentada pelo ator e comediante Patton Oswalt, os vencedores do 16º Visual Effects Society Awards, prêmio que reconhece os melhores efeitos visuais e a inovação em filmes, animações, programas de TV, comerciais e videogames.

Com mais de 3.300 membros, de 30 países, a Visual Effects Society reúne profissionais de efeitos visuais, incluindo artistas, tecnólogos, modelistas, educadores, executivos de estúdio, supervisores, especialistas em marketing e produtores.

Neste ano, Planeta dos Macacos: A Guerra, que liderava a lista com sete indicações, ao lado de Blade Runner 2049, se consagrou como o grande vencedor em quatro categorias. Além disso, prêmios especiais também foram entregues durante a cerimônia: Joe Letteri, especialista em efeitos visuais e vencedor de quatro estatuetas douradas no Oscar por Avatar, O Senhor dos Anéis: As Duas TorresO Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei e King Kong, recebeu o Prêmio Georges Méliès; o ator e cineasta Jon Favreau, de Mogli – O Menino Lobo, foi homenageado com o VES Lifetime Achievement Award.

Conheça os vencedores do 16º VES Awards nas categorias de cinema:

MELHORES EFEITOS VISUAIS EM FILME FOTOREALISTA:
Planeta dos Macacos: A Guerra

MELHORES EFEITOS VISUAIS DE APOIO EM FILME FOTOREALISTA:
Dunkirk

MELHORES EFEITOS VISUAIS EM ANIMAÇÃO:
Viva – A Vida é uma Festa

MELHOR PERFORMANCE ANIMADA EM FILME FOTOREALISTA:
Caesar, em Planeta dos Macacos: A Guerra

MELHOR PERFORMANCE ANIMADA EM ANIMAÇÃO:
Hèctor, em Viva – A Vida é uma Festa

MELHOR AMBIENTE CRIADO EM FILME FOTOREALISTA:
Los Angeles, em Blade Runner 2049

MELHOR AMBIENTE CRIADO EM ANIMAÇÃO:
Cidade dos mortos, em Viva – A Vida é uma Festa

MELHOR FOTOGRAFIA VIRTUAL EM PROJETO FOTOREALISTA:
Dança do Groot e luta de abertura, em Guardiões da Galáxia Vol. 2

MELHOR MODELO EM PROJETO FOTOREALISTA OU ANIMADO:
Sede da LAPD, em Blade Runner 2049

MELHOR SIMULAÇÃO DE EFEITOS EM FILME FOTOREALISTA:
Planeta dos Macacos: A Guerra

MELHOR SIMULAÇÃO DE EFEITOS EM FILME DE ANIMAÇÃO:
Viva – A Vida é uma Festa

MELHOR COMPOSIÇÃO EM FILME FOTOREALISTA:
Planeta dos Macacos: A Guerra

MELHORES EFEITOS VISUAIS EM PROJETO ESTUDANTIL:
Hybrids

Foto: Divulgação.